dezembro 03, 2018

[SORTEIO] RELAÇÃO DE LIMA BARRETO COM O SUBÚRBIO CARIOCA É TEMA DE NOVO LIVRO DA EDUFF

Homenageado na 15ª Festa Literária Internacional de Paraty, Lima Barreto é tema de um estudo historiográfico de Pedro Belchior, publicado pela Eduff, no livro “Tristes subúrbios: literatura, cidade e memória em Lima Barreto (1881-1922)”. Na obra, o autor analisa a relação do escritor com a cidade do Rio de Janeiro, as tensões culturais, de classe e de raça existentes no início do século XX e como Lima se posicionou em relação às transformações da cidade.

Lima Barreto foi o primeiro escritor a se voltar para o subúrbio e a elegê-lo como fonte de inspiração. Matéria-prima do escritor, o subúrbio muitas vezes deixa de ser pano de fundo e aparece como um verdadeiro personagem de Lima. “Ele fala das casas, das mansões, dos casebres, das favelas do subúrbio e em algumas passagens é como se os personagens de carne e osso ficassem em segundo plano e em primeiro plano o subúrbio em sie sua configuração geográfica, espacial. É como se Lima fosse um etnógrafo do subúrbio”, explica.

Essa relação ambígua de observador e ao mesmo tempo morador suburbano é explorada a fundo no livro de Pedro Belchior. Embora já existisse na bibliografia sobre o escritor críticas a essa postura ambivalente, o autor afirma que também notou a existência de um certo senso comum que vê Lima como um escritor suburbano por excelência, na melhor acepção da palavra, um escritor do povo e para o povo. “O que talvez diferencie o meu trabalho é o foco nessa ambiguidade da obra dele, nas tensões. É a relação de pertencimento com a cidade e de olhar sobre o subúrbio que vai se construindo. Eu acho o que eu aponto no livro é que muitas das visões anteriores dão como dada essa relação, e eu procuro mapear o processo de construção”, explica.

No livro, não há uma oposição entre obra e vida do escritor. A ideia principal é analisar de que forma Lima Barreto produziu uma memória sobre o subúrbio carioca e de que forma essa memória alterou a visão sobre o subúrbio naquela época e ainda hoje. “O Lima é muito autobiográfico, muito autoliterário. Ele se elegeu, talvez, como o principal autorreferenciado, os dramas dele, as tragédias pessoais foram tematizados de forma muito massiva ao longo de sua obra”, conta o autor que usa como exemplo “Recordações do Escrivão Isaías Caminha”, primeiro romance publicado por Lima Barreto, em 1909, e considerado por muitos quase como um relato do real ao tratar da inserção de um escritor mulato no mundo jornalístico e as dificuldades que teve para vender preconceitos de origem racial e social.

Em “Tristes subúrbios”, Belchior pretende, ainda, desconstruir a ideia de um escritor maldito e isolado, pouco reconhecido pelos seus pares e alheio ao mundo literário. De acordo com o autor, essa era uma imagem muito comum sobre o escritor, principalmente nas décadas de 1970 e 1980. “Quando você lê a biografia do Lima, você descobre várias cartas e vários textos em que ele atua praticamente como crítico literário. E ele era muito elogiado no Brasil todo”, explica Belchior.

Para Pedro Belchior, Lima Barreto foi um encontro entre sua vivência e um desejo historiográfico. Mineiro de São João Del Rei, Pedro Belchior mudou-se para o Rio em 2006 para trabalhar em Botafogo. Morando em Madureira com a família, viveu a experiência diária de deslocamento entre as Zona Sul e Norte do Rio, e pôde testemunhar os preconceitos e interditos que existe entre o ser suburbano e o ser carioca.

Ao entrar no mestrado em História da UFF, Belchior se deparou com o romance “Clara dos Anjos”, que o impressionou pela forma como Lima ambientou e retratou o subúrbio e pela posição de distanciamento do autor em relação ao local em que morava. “Tem uma frase que me chama muito atenção que é ‘O subúrbio é o refúgio dos infelizes’, e enormes passagens nesse livro em que Lima se coloca como uma espécie de etnógrafo do subúrbio carioca, um observador privilegiado que, ao mesmo tempo em que vive no subúrbio, não se sente parte do subúrbio. Eu me identifiquei um pouco com a figura do Lima, que é como se ele fosse um suburbano por acidente”, conta o autor.

SOBRE O AUTOR: Doutorando em História pela Universidade Federal Fluminense, Pedro Belchior é mestre em História também pela UFF e bacharel em História pela Universidade Federal de São João Del Rei. Pesquisador do Instituto Brasileiro de Museus, Belchior trabalha no Museu Villa-Lobos, no Rio de Janeiro. Participa do grupo Perspectivas Analíticas para a Obra de Heitor Villa-Lobos (PAMVilla/USP) e é coautor do livro “Nova Fase da Lua – Escultores Populares de Pernambuco” (Recife: Caleidoscópio, 2012), com Flávia Martins e Rogerio Luz.

 

Ficha técnica:

Livro: “Tristes subúrbios: literatura, cidade e memória em Lima Barreto (1881-1922)”

Autor: Pedro Belchior

Editora: Eduff

Páginas: 224

ISBN: 978-85-228-1273-8

Onde comprar: site da Eduff

 

Em parceria com o blog, a Eduff disponibilizou um exemplar do livro “Tristes subúrbios: literatura, cidade e memória em Lima Barreto (1881-1922)”, de Pedro Belchior, para sorteio! Para participar é simples, basta preencher pelo menos uma das entradas do formulário Rafflecopter abaixo. A primeira entrada já garante a participação, no entanto, preenchendo todos os requisitos o participante terá mais chances de ganhar (cada entrada garante um número de fichas de participação). Quanto mais entradas você preencher, mais chance terá de ganhar! Leia as regras e boa sorte!

  • O sorteio é válido apenas em território nacional (Brasil);
  • Haverá apenas 1 (um) ganhador, e o prêmio é de 1 (um) exemplar do livro “Tristes subúrbios: literatura, cidade e memória em Lima Barreto (1881-1922)”, de Pedro Belchior, e marcadores diversos do Blog Tamires de Carvalho e parceiros;
  • O livro será enviado via Correios, por registro módico, pelo Blog Tamires de Carvalho, em até 48 horas após o contato do ganhador, que deverá informar o endereço completo e CPF para envio;
  • O Blog Tamires de Carvalho custeará o envio do prêmio ao sorteado (a) apenas no primeiro envio. Caso haja algum problema com a entrega e o envelope seja devolvido, o ganhador (a) bancará a segunda remessa;
  • O sorteio será realizado no dia 17 de dezembro de 2018 (segunda-feira) e o resultado ficará visível nesta página, além de ser compartilhado nas redes sociais do Blog Tamires de Carvalho.
  • O ganhador deve entrar em contato com o Blog Tamires de Carvalho por e-mail ou mensagem privada (Facebook, Instagram ou Twitter) em até 48 horas após a divulgação do resultado do sorteio, caso contrário, o sorteio será refeito.

 

a Rafflecopter giveaway

outubro 26, 2018

[RESENHA] LAZARILLO DE TORMES E O ROMANCE PICARESCO

 

Sinopse: “Narrativa anônima do século XVI, Lazarillo de Tormes é um marco no panorama da literatura universal, sendo considerado o fundador do romance picaresco. Divertida e por vezes comovente, a história do garoto Lázaro e de sua luta pela sobrevivência possui também um alto teor de crítica social, o que faria com que o livro fosse proibido pela Inquisição.”

 

Lazarillo de Tormes é uma narrativa curta, clássico da literatura espanhola e mundial, que inaugurou o tipo de romance chamado de picaresco. De autoria desconhecida, tendo suas edições mais antigas datadas de 1554, a história de Lázaro é uma narrativa de leitura rápida e bem humorada.

O romance é estruturado em tratados — precedidos de um prólogo, — onde o próprio Lazarillo conta suas desventuras. Nascido no rio Tormes, motivo que, segundo ele, explica o seu sobrenome, ainda bem jovem perde o pai, precisa deixar a mãe e, de início, cai nas mãos de um cego, assumindo o ofício de ser os seus olhos. Em pouco tempo, o trabalho que parecia ser nobre torna-se bastante penoso: Lázaro passa fome e sofre maus tratos diversos com esse seu primeiro amo. A partir daí o personagem desenvolve a capacidade de se virar, de tirar proveito das situações mais extremas. O que pode parecer malandragem — e é, obviamente — também pode ser interpretado como pura questão de sobrevivência, com pitadas de vingança, em alguns casos.

Larazillo de Tormes foi uma leitura que eu não teria feito (pelo menos não neste ano de 2018) se eu não tivesse cursado a disciplina de Matrizes de Cultura e Literaturas Hispânicas, nesse semestre do curso de Letras (2018-2 UFF/CEDERJ). A leitura surgiu como uma proposta diferenciada de avaliação presencial: a coordenação da disciplina divulgou a questão única da prova, que seria a leitura de Lazarillo de Tormes (ou de A Celestina) e pediu para que fizéssemos uma comparação com outro produto cultural de livre escolha. No dia marcado para a prova presencial nós teríamos de dissertar sobre a nossa leitura e pesquisa, mas sem consulta.

A proposta, que a primeira vista me assustou, foi muito positiva. A leitura de Larazillo de Tormes foi muito agradável — por isso estou recomendando o livro aqui — e ter de pesquisar sobre o tema e pensar sobre algo semelhante tornou o estudo menos maçante e a aprendizagem mais efetiva. Foi uma prova de exposição de conhecimento, não de decoreba.

Lazarillo de Tormes, como já dito, inaugurou o romance picaresco, que é definido como uma pseudo-autobiografia de um anti-herói, em que ele narra suas aventuras, que por sua vez, são a síntese crítica de um processo de ascensão social pela trapaça. O romance picaresco é uma sátira da sociedade do pícaro, o protagonista.

Vários personagens da literatura e do cinema se enquadram nas características do pícaro. Em minha breve pesquisa, percebi semelhanças em Leléu, personagem de Lisbela e o Prisioneiro, filme de Guel Arraes (2003). Assim como Lazarilho, Leléu percorre cidades fazendo o possível (leia-se usando de artimanhas) para garantir o seu sustento, com a diferença de que, no caso do brasileiro, suas malandragens também incluem conquistas amorosas. Lisbela e o Prisioneiro funciona muito bem como crítica de uma sociedade baseada em classes, além de outros temas que a adaptação trata de forma perfeita: metalinguagem, resposta ao ideal cavalheiresco — que também é uma característica do romance picaresco — dentre outros.

 

Leléu, do filme “Lisbela e o Prisioneiro” (2003), interpretado por Selton Mello.

 

Comparações e pesquisas à parte, sugiro que você inclua em sua lista a leitura de Lazarillo de Tormes. O livro é um tesouro facilmente encontrado em livrarias e pela internet. Dificilmente você vai fechar o livro sem ter dado uma risada ou sem se surpreender com situações e pessoas que são facilmente identificáveis ainda nos dias atuais.

 

“Quantos devem existir no mundo que fogem dos outros porque não se veem a si mesmos!”

 

“Mas, segundo me parece, esta é uma regra já usada e observada entre eles. Embora não tenham um vintém, fazem questão do barrete no seu lugar. Que o Senhor os ajude, já que com esta doença morrerão.”

 

“Apesar de rapaz ainda, achei tudo uma graça e disse para mim mesmo: ‘quantas destas devem fazer estes enganadores às pessoas inocentes!’”

 

 

 

Título: Lazarillo de Tormes

Autor: Anônimo

Baixe gratuitamente a edição biligue da Embaixada Espanhola, fonte de leitura e informações dessa resenha, clicando aqui.

 

setembro 26, 2018

[RESENHA] EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA, DE MONTEIRO LOBATO

Sinopse: “Este livro conta a viagem que Pedrinho, Narizinho, Visconde, Quindim e Emília fazem até o País da Gramática. Lá eles aprendem a língua portuguesa de um jeito muito divertido, usando a imaginação e a criatividade. Desse modo, ficam sabendo sobre a origem e o significado das palavras e como escrevê-las corretamente, formando frases coerentes e coesas. Como o livro foi lançado pela primeira vez em 1934, muitas regras e conceitos gramaticais antigos foram atualizados e comentados.”

 

Há algumas semanas eu precisei fazer uma resenha de um livro paradidático como atividade valendo nota para o meu Estágio Supervisionado. Assim que tive ciência da proposta, logo pensei em Emília no país da gramática, de Monteiro Lobato. O livro já estava na minha estante há algum tempo, esperando ser lido mais uma vez, com atenção, para que eu pudesse falar um pouco sobre ele. O tom dessa resenha, obviamente, é um pouco mais formal do que normalmente eu escrevo por aqui, mas, ainda assim, sugiro o livro como leitura para crianças de todas as idades!

***

Monteiro Lobato (1882-1948), com a publicação de Emília no país da gramática em 1934, foi pioneiro ao iniciar no Brasil um tipo de literatura que também ensina, hoje conhecida como publicação paradidática.

Procurando ter certa distância do engessamento dos livros didáticos, os livros paradidáticos ou complementares muitas vezes conseguem atingir com maior eficiência os objetivos dos livros de base. Com leveza, bom humor e linguagem um pouco mais acessível, os paradidáticos conseguem fixar conteúdos das mais diversas disciplinas na mente dos alunos.

O país da gramática visitado por Emília em 1934 já não é o mesmo em que vivemos no século XXI, no entanto, o livro ainda pode ser muito bem trabalhado em sala de aula, abordando, inclusive, temas não necessariamente ligados à análise sintática, às classes de palavras, dentre outros assuntos tratados na publicação.

A edição lançada pela editora Globo, pelo selo de publicações infantis Globinho (2009), é lindamente ilustrada por Osnei e Hector Gomez, e conta, ainda, com os comentários da professora de língua portuguesa Maria Tereza Rangel Arruda Campos. Aliado ao texto original, que funciona como um retrato histórico tanto dos aspectos da sintaxe da nossa língua, quanto de preceitos sociais alguns já ultrapassados , os comentários da professora trazem o texto de Lobato para o nosso tempo, exemplificando a evolução natural e também política da língua portuguesa.

Emília no país da gramática, portanto, apesar de à primeira vista parecer obsoleto, pode ser um fortíssimo aliado dos professores de língua portuguesa. Ao invés de negar ou tentar apagar o passado, como se tem tentado fazer com algumas obras de Monteiro Lobato, é necessário falar sobre ele, especialmente sobre o que já foi superado em suas obras, para afastar o risco de cometer os mesmos julgamentos de antes.

Tomando como exemplo o seguinte trecho do livro, o professor pode abrir uma discussão entre os alunos sobre variantes linguísticas e preconceito linguístico:

Emília encaminhou-se para o último cubículo, onde estava preso um pobre homem da roça, a fumar o seu pito.

E este pai da vida que aqui está de cócoras? — perguntou ela.

Este é o Provincianismo, que faz muita gente usar termos só conhecidos em certas partes do país, ou falar como só se fala em certos lugares. Quem diz NAVIU, MÉNINO, MECÊ, NHÔ etc. está cometendo Provincianismos.

Emília não achou que fosse caso de conservar na cadeia o pobre matuto. Alegou que ele também estava trabalhando na evolução da língua e soltou-o. — Vá passear, Seu Jeca. Muita coisa que hoje esta senhora condena vai ser lei um dia. Foi você quem inventou o VOCÊ em vez de Tu e só isso quanto não vale? Estamos livres da complicação antiga do Tuturututu. Mas não se meta a exagerar, senão volta para cá outra vez, está ouvindo?”

Comentário da edição sobre o termo Provincianismo: “O provincianismo não é mais considerado um erro, mas uma variedade da língua chamada de variedade regional. A variedade regional falada pelo caipira é tão legítima quanto todas as outras existentes na língua.” (p. 114)

Mesmo no original, Emília, ou seja, Monteiro Lobato, reconhece a evolução da língua, embora o capítulo trate o “provincianismo” como “vício de linguagem”, classificação comum naquele tempo. Na época da publicação, não havia o diálogo sobre variantes linguísticas, mas hoje temos material suficiente para que o assunto seja amplamente discutido e divulgado, evitando chavões típicos do preconceito linguístico.

***

Referências Bibliográficas

AMORIM, Carmelita Minelio da Silva. ROCHA, Lucia Helena Peyroton da. ABRAÇADO, Jussara. Quem é você para falar assim? Por um ensino da língua materna que considere as diferenças. Linguística IV. Rio de Janeiro: Fundação Cecierj.

FRAZÃO, Dilva. Monteiro Lobato. Disponível em < https://www.ebiografia.com/monteiro_lobato/> Acesso em 23/08/2018.

LOBATO, Monteiro. Emília no país da gramática. Ilustrações de Osnei e Hector Gomez. São Paulo: Editora Globo, 2009.

RAFAEL, Marcelo. Os paradidáticos e a literatura que transforma. Disponível em <https://blog.saraiva.com.br/os-paradidaticos-e-a-literatura-que-tambem-ensina/> Acesso em 09/08/2018.

***

“Emília no país da gramática”, de Monteiro Lobato, ilustrações de Osnei e Hector Gomez e comentários de Maria Tereza Rangel Arruda Campos, publicado pela editora Globo (2009).

Compre na Amazon: Emília no país da gramática.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por