abril 05, 2019

[LANÇAMENTO] A RIDÍCULA IDEIA DE NUNCA MAIS TE VER, DE ROSA MONTERO

Sinopse: Um livro sobre o luto e suas consequências. Quando Rosa Montero leu o impressionante diário (incluído como apêndice neste livro) que Marie Curie escreveu após a morte de seu marido, ela sentiu que a história dessa mulher fascinante guardava uma triste sintonia com a sua própria: Pablo Lizcano, seu companheiro durante 21 anos, morrera havia pouco depois de enfrentar um câncer. As consequências dessa perda geraram este livro vertiginoso e tocante a respeito da morte, mas sobretudo dos laços que nos unem ao extremo da vida.”

 

A Editora Todavia está lançando o livro A ridícula ideia de nunca mais te ver, da autora espanhola Rosa Montero. Aqui no blog tem resenha de A louca da casa (HarperCollins, 2015), uma leitura que eu gostei muito e fez eu me tornar fã desta autora. Este mais recente lançamento da Todavia já entrou na minha pequena-grande-lista de desejados!

 

Leia um trecho de A ridícula ideia de nunca mais te ver abaixo:

Como não tive filhos, a coisa mais importante que me aconteceu na vida foram os meus mortos, e com isso me refiro à morte dos meus entes queridos. Talvez você ache isso lúgubre, mórbido. Eu não vejo assim. Muito pelo contrário: para mim é uma coisa tão lógica, tão natural, tão certa. Apenas nos nascimentos e nas mortes é que saímos do tempo. A Terra detém sua rotação e as trivialidades em que desperdiçamos as horas caem no chão feito purpurina. Quando uma criança nasce ou uma pessoa morre, o presente se parte ao meio e nos permite espiar por um instante pela fresta da verdade –monumental, ardente e impassível. Nunca nos sentimos tão autênticos quanto ao beirarmos essas fronteiras biológicas: temos a clara consciência de estarmos vivendo algo grandioso. Há muitos anos, quando entrevistava o jornalista Iñaki Gabilondo, ele me contou que a morte da sua primeira mulher, que faleceu bastante jovem e de câncer, havia sido muito dura, sim, mas também a coisa mais transcendente que lhe acontecera. Suas palavras me impressionaram: ainda me lembro delas, embora eu tenha uma terrível memória de passarinho. Na época, pensei que tinha compreendido bem o que ele queria dizer, mas só depois de ter vivido a mesma experiência é que entendi melhor. Nem tudo é horrível na morte, embora pareça mentira (e me espanto ao me escutar dizendo isso). Mas este não é um livro sobre a morte. Na verdade não sei bem o que é, ou o que será. Aqui está ele agora, na ponta dos meus dedos, umas poucas linhas num tablet, um amontoado de células eletrônicas ainda indeterminadas que poderiam ser abortadas com muita facilidade. Os livros nascem de um gérmen ínfimo, de um ovinho minúsculo, uma frase, uma imagem, uma intuição; e crescem como zigotos, organicamente, célula a célula, diferenciando-se em tecidos e estruturas cada vez mais complexas até se transformar numa criatura completa e geralmente inesperada. Confesso a você que tenho uma ideia do que desejo fazer com este texto, mas o projeto se manterá até o fim ou surgirá outra coisa? Sinto-me como o pastor daquela velha história, que entalha distraidamente um pedaço de madeira com sua navalha e, quando alguém lhe pergunta “que figura está fazendo?”, ele responde: “Olhe, se sair com barba, são Francisco; se não, a Virgem Maria”. De qualquer modo, uma imagem sagrada. A santa deste livro é Marie Curie. Sempre a achei uma mulher fascinante, algo com que quase todo mundo concorda, aliás, porque é um personagem incomum e romântico que parece maior do que sua própria vida. Uma polonesa espetacular que foi capaz de ganhar dois prêmios Nobel: um de Física, em 1903, em parceria com o marido, Pierre Curie; outro de Química, em 1911, sozinha. Com efeito, em toda a história do Nobel só houve outras três pessoas que ganharam duas distinções: Linus Pauling, Frederick Sanger e John Bardeen, e apenas Pauling em duas categorias distintas, como Marie. Mas Linus levou um prêmio de Química e outro da Paz, e é preciso reconhecer que este último vale bem menos (como se sabe, até Henry Kissinger tem um). Ou seja, Madame Curie permanece imbatível. Além disso, Marie descobriu e mediu a radioatividade, esse atributo aterrador da Natureza, fulgurantes raios sobre-humanos que curam e matam, que fritam tumores cancerígenos na radioterapia ou calcinam corpos depois de uma deflagração atômica. É dela também a descoberta do polônio e do rádio, dois elementos muito mais ativos do que o urânio. O polônio, o primeiro que ela encontrou (por isso o batizou com o nome do seu país), foi logo ofuscado pela relevância do rádio, embora recentemente tenha virado moda como uma forma eficiente de assassinar: lembremos a terrível morte do espião russo Alexander Litvinenko em 2006, depois de ingerir polônio 210, ou o polêmico caso de Arafat (outro Nobel da Paz inacreditável). De modo que as mãos de Marie Curie chegaram até mesmo a essas sinistras aplicações. Mas, bem ou mal, essa força devastadora está na própria base da construção do século XX, e provavelmente também do XXI. Vivemos tempos radioativos.

 

SOBRE A AUTORA: Rosa Montero nasceu em Madri, em 1951. Um dos principais nomes da literatura espanhola contemporânea, publicou A LOUCA DA CASA e LÁGRIMAS NA CHUVA, entre outros.

 

SOBRE O LIVRO:

GÊNERO Não ficção estrangeira
TRADUÇÃO Mariana Sanchez
CAPA Luciana Facchini
FORMATO 14x21x1,3 cm
PÁGINAS 208 PESO 0,275 kg
ISBN 978-85-88808-84-3
ANO DE LANÇAMENTO 2019

(Fonte das informações: Todavia Editora)

 

Compre na Amazon (disponível nos formatos e-book e físico):

dezembro 26, 2016

[ETC.] MINHAS DEZ MELHORES LEITURAS DE 2016

Em 2016 li 40 livros (até a publicação deste post. De repente eu leia mais algum nesta semana, quem sabe?). Foi menos que em 2015, mas não foi pior. Neste ano, como muitos de vocês sabem, tornei-me mãe, e enquanto a Olívia era bem pequena eu passei longe dos livros. Queria aproveitar e me dedicar inteiramente a ela e foi a melhor escolha que eu poderia ter tomado. Mas, à medida que ela foi crescendo e eu fui tendo mais segurança nos seus cuidados, fui voltando a ler e a escrever. Tenho esboços escritos à mão até hoje para digitar!

A maioria das minhas leituras foi de livros com poucas páginas. Descobri ótimas histórias em livros pequenos e em e-books. Em 2017 lerei ainda mais contos e histórias curtas. Agora, sem mais delongas, elenco abaixo as dez melhores leituras que fiz em 2016, mas em ordem aleatória. Seria ainda mais difícil classificar esses livros. Muitos empatariam em primeiro lugar…

 

Livros da Pedrazul Editora

O que dizer dessa editora que só publica preciosidades? Até hoje nunca me decepcionei com as publicações da Pedrazul. São livros para comprar de olhos fechados, sem medo de ser feliz, especialmente para os amantes dos clássicos da literatura, sobretudo inglesa.

Neste ano li o volume 2 de Os Mistérios de Udolpho, leitura iniciada no final de 2015. Udolpho é um livro extenso, com muitas descrições, mas que proporciona uma viagem por castelos europeus cheios de mistérios macabros e sobrenaturais. O volume 1 começa lento, mas depois de algumas páginas é impossível largar. O volume 2 é igualmente viciante!

Um Coração para Milton me rendeu uma ressaca literária e tanto! Com a proposta de ser uma continuação do clássico Margaret Hale (Norte e Sul), de Elizabeth Gaskell, é um livro super romântico, que me fez suspirar em todas as páginas. Eu leria uma continuação da continuação, se houvesse, com certeza. Foi dos meus super favoritos de 2016 e da vida, pois adoro um romance. Quando estava lendo esse livro, precisei fazer um teste de glicemia demorado, comum no início e no final da gravidez. Eu estava no final e fiquei grudada na leitura durante todo o exame. Chamei a atenção de muitas funcionárias do laboratório, que ficaram encantadas com a edição lindíssima e com a história. Alguns meses depois do meu parto, quando voltei lá para realizar outro exame, a recepcionista lembrou-se do livro e pediu o nome para comprar, pois no dia não tinha anotado. Me deu até vontade de reler (o que devo fazer em breve)!

Esposas e Filhas foi outro lançamento da Pedrazul que eu li em 2016, e foi uma grata surpresa. Já tinha assistido a adaptação da BBC e achado a história boa. Mas o livro é infinitamente melhor! Pode assustar pelo tamanho, mas a leitura é super rápida, Gaskell tem uma escrita bem acessível e seus temas ainda são muito atuais. Uma lembrança marcante desta publicação foi participar como voluntária da revisão dos capítulos finais do livro, junto com o meu marido. Na época, estava grávida da Olívia.

Longe deste Insensato Mundo, primeiro título de Thomas Hardy que li, vai ser eternamente especial para mim. A Pedrazul Editora dedicou esta, que é a primeira edição desse livro em português, a minha humilde pessoa! Fiquei tão feliz, mas tão feliz, que mal tenho palavras para expressar. Só conhecia a história pelo filme protagonizado por Carey Mulligan e Matthias Schoenaerts, nos papeis de Batsheba Everdene e Gabriel Oak, que eu simplesmente adorei. É o tipo de história que amo e estava ansiosa pela publicação. Quando abri o pacote e percebi que o livro fora dedicado a mim, fiquei em êxtase! Depois de ler toda a história, fiquei ainda mais feliz, pois Longe deste Insensato Mundo é uma história incrível.

 

Papai e Mamãe Pop Rock

Li os dois livros do Piangers, O Papai é Pop e O Papai é Pop 2. Ele traz com muita ternura e humor as dores e os prazeres da paternidade. É o tipo de publicação que aproxima pais e mães, pois percebemos que pai, mãe e filho é tudo igual. Só mudam de casa. A Mamãe é Rock, da Ana Cardoso, esposa do Piangers, também foi uma ótima leitura. Ela mostrou o lado intenso da criação. Mesmo eu sendo uma mamãe verde, recruta, me identifiquei muito com o livro dela. É impossível não se colocar nas situações ou lembrar da nossa mãe, vó ou tia fazendo as mesmas coisas. Leitura rápida e agradável.  Vou contar os três livros como um, posso? São todos da mesma família, mereço um desconto…

Família Piangers

 

Crítica literária e literatura comparada

Em 2016 tranquei, no primeiro semestre, meu curso de Letras. O nascimento da Olívia estava previsto para o final de abril, período de provas. Sendo o nascimento dela a prova mais importante da minha vida, não quis participar de mais nada que demandasse a minha atenção. No segundo semestre, entretanto, acabei retornando para o curso, pois não queria ficar um ano inteiro sem estudar. As notas não foram as melhores, reprovei em duas disciplinas, mas estou firme e forte. Ano que vem tem mais! No meio disso tudo, li dois livros de crítica literária e literatura comparada, respectivamente: Leituras de Jane Austen no Século XXI e Mobilidade Social em Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, e Senhora, de José de Alencar. Duas leituras maravilhosas e enriquecedoras! Recomendo os livros também para quem nem passou perto de um curso de Letras ou Literatura. São leituras bem agradáveis, sem aquele rigor excessivo, e por vezes chato, de alguns livros acadêmicos. Uma curiosidade é que Lajosy Silva, autor de Leituras de Jane Austen do Século XXI, foi o orientador da pesquisa de mestrado do Márcio Azevedo, resultando no livro deste último. Uma grata surpresa.

 

O Grande Gatsby também foi uma ótima leitura. Um livro curioso, pois dentre tantos personagens detestáveis, me encantei com Jay Gatsby e seu profundo amor dor Daisy. Fiquei com a expressão meu velho por dias na cabeça. Tudo o que eu falava era complementado mentalmente por ela. O filme com Leonardo DiCaprio e Carey Mulligan (olha ela de novo, atuando em meus favoritos!) também é muito bom.

 

A Louca da Casa foi uma surpresa literária proporcionada pela TAG, com curadoria de Carola Saavedra. Foi o livro enviado aos associados em outubro e uma leitura super agradável sobre o universo dos livros e da escrita. Não conhecia a autora, Rosa Montero, e depois da leitura comprei o livro Te tratarei como uma rainha, pois me interessei pelos comentários da autora e, depois, pela sinopse que vi no Skoob.

 

Lobo de Rua, da paulistana Jana P. Bianchi, lançamento recente da Editora Dame Blanche, foi uma ótima leitura pois me proporcionou gostar de um universo do qual eu fugia  até então: lobisomem. Nunca fui fã de livro ou filme de lobisomem, mas Lobo de Rua me ganhou. Uma narrativa que prende e que além da licantropia mostra as mazelas de um menino de rua, totalmente a margem da sociedade. O livro é curto, comecei no ônibus, no caminho para o trabalho e, na hora do almoço, eu já tinha feito uma pequena resenha. Vale muito a pena, garanto.

 

 

BÔNUS

Como estou maravilhosamente e apaixonadamente imersa no universo infantil, graças a minha filhota linda-maravilhosa (sou um pouco babona, caso não tenham percebido), vou indicar, como bônus uma décima primeira leitura de destaque em 2016, o livro Coisa de Menina, da Pri Ferrari. É um ótimo presente para meninas de todas as idades, especialmente as crianças. Na verdade, é um bom presente inclusive para meninos. Por meio de ilustrações lindíssimas, a autora mostra que as meninas podem ser o que quiserem ser, não tem essa de coisa de menina e coisa de menino. Se ela quiser brincar de bola e ele de boneca, tudo bem. Vamos ser feliz e deixar as crianças em paz para também serem felizes.

 

 

Metas de leitura para 2017

Até hoje nunca cumpri uma meta de leitura! Cadastro os livros para ler no ano corrente, no Skoob, mas sempre tem um lançamento ou outra leitura que fura a fila. Em 2016, ambiciosamente tentei participar do Desafio Corujesco, mas às vésperas do meu parto, era notório que esse desafio ia ficar pelo caminho. Fiz duas boas leituras a partir dele, o livro As Relações Perigosas, que foi adaptado pela TV Globo como a série Ligações Perigosas, e o livro Diálogos Impossíveis, do Luiz Fernando Veríssimo.

Outro desafio que eu não cumpri em 2016, foi o 12 meses de Poe. Li vários contos do autor, mas não resenhei os doze do desafio. Paciência! De repente eu consiga ler alguma coisa dele em 2017.

Para o ano novo, não entrarei em nenhum desafio. Fico empolgada de início, mas acabo deixando de lado, outras leituras chamam a minha atenção, enfim, não entro mais nessa. De repente um desafio de contos, talvez. Ou leituras coletivas. MAS tenho um projeto de leitura que vou me esforçar ao máximo para cumprir: um ano lendo a minha estante. Isso mesmo, um ano sem comprar livros! É difícil, quase impossível, mas quero fazer de tudo para comprar, no mínimo, BEM menos livros. Talvez só os lançamentos da Pedrazul Editora, tipo A Pequena Dorrit, por exemplo. Que venha 2017, com muitas leituras maravilhosas para todos nós!

 

 

[ATUALIZAÇÃO 10-01-2017]

Orgulho, felicidade… receber o retorno de autores que alegraram meus dias com seus livros não tem preço! A Trudy Brasure é sempre uma querida no retorno aos leitores brasileiros, já tive a oportunidade de ver e sentir o carinho que ela tem por nós. Além disso, qual não foi a minha surpresa ao ter um retorno do Piangers! Marquei a página dele no facebook no post desta publicação, sem esperar retorno algum, mas ele viu, curtiu e agradeceu! Veja abaixo:

 

 

 

 

 

 

novembro 11, 2016

[RESENHA] A LOUCA DA CASA, DE ROSA MONTERO

Sinopse: “Em A louca da casa, Rosa Montero propõe aos leitores um jogo narrativo cheio de surpresas. Nele se misturam literatura e vida, num coquetel estimulante de biografias e autobiografia romanceada. E assim descobrimos que o grande Goethe adulava os poderosos até chegar ao ridículo, que Tolstói era um energúmeno, que Rosa, quando criança, via-se como uma anã e que, aos 23 anos, manteve um extravagante e hilário romance com um ator famoso.
Mas não devemos confiar em tudo o que a autora conta sobre si mesma: as lembranças nem sempre são o que parecem. Este é, afinal, um livro sobre a fantasia e os sonhos, a loucura e a paixão, os medos e as dúvidas dos escritores, mas também dos leitores. A louca da casa é, antes de mais nada, a tórrida história de amor e de salvação entre Rosa Montero e seu imaginário. Sobre o autor: Rosa Montero é uma das maiores escritoras espanholas da atualidade. Nascida em Madrid, trabalhou por anos como jornalista, recebendo os prêmios Manuel Del Arco de Entrevistas, o Premio Nacional de Periodismo e o Premio de la Asociación de la Prensa de Madrid durante sua vida profissional. Hoje é colunista do El País.
Como escritora, publicou 14 livros, entre eles 12 romances, que traduzidos para mais de vinte línguas. Os premiados Te tratarei como uma rainha, Lágrimas na chuva, Instruções para salvar o mundo, Histórias de mulheres, A história do rei transparente, Paixões foram publicados no Brasil pela Nova Fronteira.”

 

A Louca da Casa, da escritora espanhola Rosa Montero, foi o livro que a TAG – Experiências Literárias enviou aos seus associados em outubro, por indicação da também escritora, Carola Saavedra. É o tipo de livro que, superficialmente, não nos diz nada sobre o seu assunto. O leitor olha para a capa, título, informações da orelha e contracapa e, ainda assim, fica meio perdido. Com a curiosidade aguçada, priorizei a leitura e o resultado foi surpreendentemente encantador.

(Aqui faço um parêntese para informar que não sou o tipo de associada que, a partir das dicas que a TAG dá na revista e nas redes sociais, fica vasculhando a internet para descobrir o livro do mês seguinte. Gosto da surpresa.)

Rosa Montero é uma das maiores escritoras espanholas da atualidade. Nascida em Madri, trabalhou por anos como jornalista, recebendo os prêmios Manuel Del Arco de Entrevistas, o Prêmio Nacional de Periodismo e o Prêmio de La Asociación de La Prensa de Madri durante sua vida profissional. Hoje, é colunista exclusiva do El País.

Como escritora, publicou 14 livros, entre eles 12 romances, que foram traduzidos para mais de vinte línguas, como os premiados Te tratarei como uma rainha, Lágrimas na chuva, Instruções para salvar o mundo, Histórias de mulheres, A história do rei transparente e Paixões.” (orelha do livro)

 

A Louca da Casa é uma mistura de ensaio e autobiografia romanceada. Nele, Montero fala sobre a arte e o ofício da escrita, apresentando fatos de sua vida e também de escritores famosos, como Goethe, Tolstoi, Calvino, George Eliot, dentre outros. Sobre os outros escritores, a autora garante que foi fiel aos registros escritos de suas biografias, mas em relação a ela a coisa muda de figura: algumas histórias apresentam mais de uma versão, todas igualmente interessantes e plausíveis. Alguns fatos podem ser verdade, ou não.

Tudo o que conto neste livro sobre outros livros ou outras pessoas é verdade, quer dizer, responde a uma verdade oficial documentalmente verificável. Mas receio que não possa garantir o mesmo sobre o que se refere à minha própria vida. Porque toda autobiografia é ficcional, e toda ficção, autobiográfica, como dizia Barthes.” (post scriptum)

 

O livro, cujo título a autora escolheu devido a uma referência que Santa Teresa de Jesus costumava fazer com a imaginação, é uma leitura para aqueles que gostam de livros, de saber sobre os autores, mas, acima de tudo, é uma livro para quem ama escrever.

(…) nós inventamos nossas lembranças, o que é o mesmo que dizer que inventamos a nós mesmos, porque nossa identidade reside na memória, no relato da nossa biografia. Portanto, poderíamos deduzir que os seres humanos são, acima de tudo, romancistas, autores de um romance único cuja escrita dura toda a existência e no qual assumimos o papel de protagonistas.” (p. 8)

 

“Falar de literatura, então, é falar da vida; da própria vida e da vida dos outros, da felicidade e da dor. É também falar do amor, porque a paixão é o maior invento das nossas existências inventadas, a sombra de uma sombra, a pessoa adormecida que sonha que está sonhando.” (p. 11)

 

“A realidade não passa de uma tradução redutora da enormidade do mundo, e o louco é aquele que não se adapta a essa linguagem.” (p. 122)

 

Dois, dos dezenove capítulos deste livro foram os meus favoritos. O treze, que fala sobre as mulheres, e o dezesseis, que fala sobre as mulheres dos escritores. Nunca tinha parado para pensar que existe a figura da esposa do escritor, a protetora, revisora, guardiã do criador de histórias, mas, por outro lado, quase nada é comentado e divulgado sobre os maridos das escritoras. Não no mesmo sentido. A autora fala sobre Sonia Tolstoi, que eu já sabia ser quem transcrevia e revisava os romances do marido, mas, no entanto, não imaginava os dissabores de sua vida junto a Liev. As observações de Rosa Montero nos dois capítulos lembraram-me bastante do livro Um Teto Todo Seu, de Virginia Woolf, que eu recomendo muitíssimo a leitura.

“Considero-me feminista, ou, para dizer melhor, anti-sexista, porque a palavra feminista tem um conteúdo semântico equívoco: parece contrapor-se ao machismo e sugerir, portanto, uma supremacia da mulher sobre o homem, quando o grosso das correntes feministas não somente não aspiram a isso, mas reivindicam exatamente o contrário: que ninguém se subordine a ninguém por causa de seu sexo, que o fato de termos nascido homens ou mulheres não nos encerre num estereótipo. Mas minha preferência pelo termo anti-sexista não significa que eu renegue a palavra feminista, que pode ser pouco precisa, mas é cheia de história e resume séculos e séculos de esforços de milhares de homens e mulheres que lutaram para mudar uma situação social aberrante. Hoje somos todos herdeiros dessa palavra: ela fez o mundo se mexer e eu continuo a empregá-la com orgulho.” (p. 109)

 

A Louca da Casa é uma leitura rápida, fácil e bastante agradável. Este seria mais um título que eu não compraria se visse em uma livraria, mas que agora também recomendo a leitura.

 

img_20161101_074810

 

Título: A Louca da Casa
Autora: Rosa Montero
Tradução: Paulina Wacht e Ari Roitman
Editora: Harper Collins
Páginas: 176

Compre na Amazon: A Louca da Casa.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por