abril 02, 2019

[RESENHA] REVOLUÇÃO LAURA: REFLEXÕES SOBRE MATERNIDADE E RESISTÊNCIA, DE MANUELA D’ÁVILA

Sinopse: “Este livro é o registro afetivo de uma mulher, mãe de uma criança de dois anos, que aceitou o desafio de concorrer à presidência do Brasil em novembro de 2017 e que, em agosto de 2018, tornou-se candidata a vice-presidente, chegando ao segundo turno. Uma mulher que percorreu um país continental, amamentando sua filha e construindo uma nova forma de ocupação do espaço político. Também é uma conversa, sobre uma jornada de aprendizado e acolhimento. Sobre privilégios; sobre as lutas para que privilégios não existam mais. É sobre direitos. É sobre feminismo e liberdade. É sobre afeto, carreira e amor, porque não tem sentido ser pela metade. É sobre estar e não estar; presença e ausência. Sobre ser mãe e mulher; ser madrasta e não ser bruxa. Sobre acolher, sonhar um outro mundo e ser o outro mundo sonhado. E, profundamente, é sobre uma revolução chamada Laura. Uma revolução de amor, de amor próprio, de potência. Porque depois de gerar um filho não há nada, nadica de nada que uma mulher não possa fazer.”

 

Em que possa pesar os posicionamentos políticos da autora para alguns leitores na escolha deste livro (não é o meu caso, mas acho importante fazer essa observação), Revolução Laura: Reflexões sobre maternidade e resistência, de Manuela D’Ávila (Belas-Letras, 2019) é um livro sobre mães e para mães, sejam elas de esquerda ou de direita (ou de nenhum lado).

Eu acompanhei admirada a jornada da Manu na última eleição presidencial. Não votei na chapa dela no primeiro turno, mas, confesso, tinha um orgulho danado daquela mulher com sua filha pequena ocupando espaços majoritariamente masculinos. Quem é mãe sabe que é difícil ocupar qualquer lugar depois da maternidade. As pessoas, em geral, acham que a mãe e seu filho devem ficar trancados até que ele complete uma idade em que não cause transtorno para a sociedade. Por transtorno entenda qualquer barulho, seja choro ou risada.

Quando criei este blog, eu estava grávida da Olívia. O blog nasceu em janeiro e, a Olívia, em abril de 2016. Antes de ter este espaço eu colaborava com outro blog de muito sucesso, o Escritoras Inglesas, atualmente desativado. Quanto mais avançada ia ficando a minha gestação, mais eu ouvia que eu podia esquecer esse negócio de livro. Falavam que filho dá trabalho, nunca mais eu ia ler nada etc. Pessoas próximas e pessoas da internet que, apesar de dizerem gostar dos meus textos, praticamente me davam os pêsames porque certamente eu ia interromper por tempo indeterminado as leituras e os trabalhos de escrita. Ainda tinha a faculdade, que eu não tinha terminado. Muita gente olhava torto e achava que eu estava doida (foi uma gravidez planejada!), porque uma criança ia estragar tudo. Ao mesmo tempo em que a sociedade nos cobra um filho, ela diz que a nossa vida vai acabar tão logo termine a gestação. Felizmente eu tive apoio do meu marido para tocar o projeto do blog e a faculdade precisou ser trancada apenas por um semestre, porque eu quis ter esse tempo sem estudar. Eu sabia que ia dar tudo certo, tinha certeza disso. Meu rendimento acadêmico depois da Olívia melhorou e eu devo concluir o curso neste semestre (2019-1). Quanto ao blog e aos projetos de escrita, vocês podem ver por si mesmos por aqui. Tenho quatro e-books lançados na Amazon, um livro físico, dezenas de leituras e resenhas, além de muitas ideias ainda na cachola!

Por essa e outras razões mulheres públicas como Manuela D´Ávila são um bálsamo para mulheres anônimas como eu. Uma mulher que é mãe e que se faz conhecer como mãe na política, mostra a todas nós que nós podemos. Nós podemos ser mães e continuarmos nós mesmas, trabalhadoras, escritoras, e o que mais quisermos ser!

 

Manuela D´Ávila e sua filha, Laura. O livro é recheado de fotos das duas.

 

“QUANDO A GENTE VIRA MÃE OU PAI, A DOR DO MUNDO DEVE DOER MAIS. Foi o Duca que me falou. Eu achava impossível ser mais doído do que pra mim sempre foi. Mas ele estava certo. Ser mãe da Laura me fez querer ainda mais que toda criança tenha arroz, feijão, casa, amor, escola.

Porque a gente entende o quão indefesa é a criança. Porque a gente sabe o tamanho de sua ingenuidade. Porque a gente sabe que precisam de pouco e que esse pouco é negado para quase todas.”

 

“Por que somos marcadas pela certeza (sobretudo dos outros) de que é impossível ter felicidade profissional, de que a mulher sempre precisa abrir mão de algo precioso para realizar sonhos? Quem nos contou essa mentira? Por que a gente acreditou?”

 

Eu ri e me emocionei com essa leitura, e não podia ser diferente. A Revolução Laura na verdade é a revolução que a maternidade bem vivida, com divisão justa das responsabilidades e desejada causa na vida de uma mãe. É uma delícia, mas dá trabalho. Os relatos não lineares da vida da Laura, a jornada dela e de sua mãe pelo Brasil nos mostram que ainda vamos brigar muito para ter uma sociedade mais igualitária, mas isso começa dentro da nossa casa, muitas vezes precisa acontecer ainda dentro da nossa cabeça. Fiquei muito feliz de ver, com esse livro, que não fui a única em algumas situações — os melhores livros sobre maternidade (escritos por mães) têm esse efeito terapêutico — como a sensação estranha de descobrir a gravidez, mesmo planejando e esperando por ela, ou se olhar no espelho e se despedir daquele corpo e daquela pessoa que você é antes do nascimento do seu filho. Ainda, as frustrações que podem acontecer já no parto, pois assim como a Manuela D´Ávila eu quis muito o parto normal e acabei tendo que fazer uma cesariana (o que não é demérito, mas não era o que eu sonhava) e não me lembro do parto, pois simplesmente apaguei com as anestesias. Conheci a Olívia já no quarto, de roupinha, quando imaginava que a teria no meu peito em seus primeiros instantes de vida. A maternidade é assim, espontânea, e a gente percebe antes mesmo de sair do hospital.

Revolução Laura: reflexões sobre maternidade e resistência foi uma leitura muito boa, tornou-se um dos meus livros de cabeceira nesta temática revolução maternidade. Eu gosto desse tipo de livro porque serve para rir, se emocionar, mas também para mostrar que não estamos sozinhas. A mãe moderna, apesar de muito cobrada, não precisa estar sozinha. Estamos juntas e vamos chegar lá. Pela Laura, pela Olívia e para que todas as meninas possam ter a liberdade de serem quem elas quiserem.  

 

 

 

Título: Revolução Laura: reflexões sobre maternidade e existência.

Autora: Manuela D’Ávila

Editora: Belas-Letras

Páginas: 192

Compre na Amazon (e-book ou físico):

novembro 14, 2017

[LANÇAMENTO] COISA DE MENINO, DE PRI FERRARI

Sinopse: “O que é coisa de menino?
Tem menino que deseja ser super-herói, jogador de futebol e astronauta. Outros sonham em ser estrelas do rock e viajar o mundo cantando para multidões. Mas todos eles também podem querer brincar de boneca, cozinhar receitas gostosas e fazer aulas de dança.
Muitos meninos crescem ouvindo que não podem agir e sentir da mesma forma que meninas — por que as coisas têm que ser assim? Este livro é para todos aqueles que acreditam que o importante é ter liberdade para fazer da vida o que se bem entender.”

 

Depois do sucesso do livro Coisa de Menina, Pri Ferrari lança esse mês pela Companhia das Letrinhas o livro Coisa de Menino. O livro está em pré-venda na Amazon e em várias livrarias online! Essa é uma ótima publicação para presentear os pequenos e reforçar que as crianças podem ser o que quiserem. Super pertinente para esse tempo de obscurantismo que estamos vivendo.

 

Sobre a autora: Pri Ferrari tem 27 anos e é paulistana. Escreveu e ilustrou Coisa de Menina, seu primeiro livro infantil. Acredita que o mundo pode ser um lugar melhor e está pronta para fazer a sua parte.

 

Ficha técnica:

Título original: COISA DE MENINO
Páginas: 32
Formato: 20.50 x 20.50 cm
Peso: 0.127 kg
Acabamento: Brochura
Lançamento: 17/11/2017
ISBN: 9788574068008
Selo: Companhia das Letrinhas

 

 

março 15, 2017

[RESENHA] PARA EDUCAR CRIANÇAS FEMINISTAS: UM MANIFESTO

Sinopse: “Após o enorme sucesso de Sejamos todos feministas, Chimamanda Ngozi Adichie retoma o tema da igualdade de gêneros neste manifesto com quinze sugestões de como criar filhos dentro de uma perspectiva feminista. Escrito no formato de uma carta da autora a uma amiga que acaba de se tornar mãe de uma menina, Para educar crianças feministas traz conselhos simples e precisos de como oferecer uma formação igualitária a todas as crianças, o que se inicia pela justa distribuição de tarefas entre pais e mães. E é por isso que este breve manifesto pode ser lido igualmente por homens e mulheres, pais de meninas e meninos. Partindo de sua experiência pessoal para mostrar o longo caminho que ainda temos a percorrer, Adichie oferece uma leitura essencial para quem deseja preparar seus filhos para o mundo contemporâneo e contribuir para uma sociedade mais justa.” Fonte: Companhia das Letras. 

 

Chimamanda Ngozie Adichie é uma das mulheres que eu mais respeito quando o assunto é feminismo. Ela é o tipo de feminista que eu me esforço para ser, não exclui ninguém (pelo menos tenta não excluir) e não fica apenas repetindo jargão de internet. Com seu discurso prático e acessível, ela apresenta ideias para uma sociedade mais justa, em que as mulheres possam assumir um papel protagonista, assim como os homens sempre fizeram.

Li mais de uma vez o livro que teve origem com a palestra que ela deu para o TED Talks, Sejamos Todos Feministas, e tornei-me grande fã de seu trabalho e trajetória de vida. Comprei, mas ainda não li o livro Hibisco Roxo, e tenho interesse em toda a sua obra, especialmente o livro Americanah, cujos direitos foram comprados por Lupita Nyongo para uma provável adaptação cinematográfica.

Agora, em sua publicação mais recente, Para Educar Crianças Feministas: Um Manisfesto, Chimamanda novamente mostra a face de um feminismo atual e inteligente. A publicação surgiu de uma carta que ela escreveu para uma amiga, Ijeawele, respondendo ao seguinte questionamento: como se deve educar uma criança feminista? Como seria aplicar o feminismo na criação de uma menina, por exemplo? Pois bem, a autora escreveu uma lista com 15 sugestões para uma educação feminista, que podemos pelo menos tentar aplicar em nossos filhos e crianças próximas.

“Há alguns anos, quando uma amiga de infância – que cresceu e se tornou uma mulher bondosa, forte e inteligente – me perguntou o que devia fazer para criar sua filha como feminista, minha primeira reação foi pensar que eu não sabia.

Parecia uma tarefa imensa.

Mas, como eu me manifestara publicamente sobre o feminismo, talvez ela achasse que eu era uma especialista no assunto. Ao longo dos anos, eu havia cuidado de muitos filhos de pessoas próximas, tinha sido baby-sitter e ajudado a criar sobrinhos e sobrinhas. Havia observado muito, ouvido muito e pensado ainda mais.

Em resposta ao pedido de minha amiga, resolvi lhe escrever uma carta na esperança de que fosse algo prático e sincero, e também servisse como uma espécie de mapa de minhas próprias reflexões feministas. Este livro é uma versão da carta, com pequenas alterações.

Agora eu também sou mãe de uma menininha encantadora e percebo como é fácil das conselhos para os outros criarem seus filhos, sem enfrentar na pele essa realidade tremendamente complexa.

Ainda assim, penso que é moralmente urgente termos conversas honestas sobre outras maneiras de criar nossos filhos, na tentativa de preparar um mundo mais justo para mulheres e homens.

Minha amiga respondeu dizendo que iria ‘tentar’ seguir minhas sugestões. E, ao relê-las agora como mãe, eu também estou decidida a tentar.” (Introdução, por Chimamanda Ngozie Adichie)

 

Esse livro é genial, pois mostra um caminho ao invés de apenas apontar erros e fazer textão na internet. Existem muitas mulheres que se dizem feministas, mas quando se deparam com uma mãe casada, tendo uma vida doméstica por escolha, torcem o nariz. Saí de muitos grupos feministas e parei de seguir muitas páginas de ou sobre feminismo no facebook por essa razão. Lá, eu não seria uma feminista de verdade, porque além de todas as outras atividades que eu exerço, escolhi também ser mãe, esposa e dona de casa. Para muitas, essa minha escolha é um desperdício. Eu considero pessoas assim como um desperdício para um movimento tão legítimo e que nos rendeu tantos frutos dos quais gozamos contemporaneamente. Mais que textão falando sobre tudo o que o patriarcado roubou e ainda tenta roubar de nós, Chimamanda dá dicas para serem colocadas em prática, e é isso que nós, feministas de hoje, precisamos. Por em prática tudo aquilo que fica lindo e ganha muitos likes nas redes sociais.

 

 

 

Título: Para Educar Crianças Feministas: Um Manifesto.
Autora: Chimamanda Ngozie Adichie
Tradução: Denise Bottman
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 96

Compre na Amazon: Para Educar Crianças Feministas: Um Manifesto

 

12

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por