janeiro 08, 2019

[SORTEIO] LIVRO DISCUTE O DIÁLOGO EUROPA-BRASIL NA OBRA DE MACHADO DE ASSIS

Para além do uso do francês como segunda língua de trabalho, Machado de Assis se valeu de referências europeias para a construção de uma leitura crítica de tradição que o precedeu, mas ao mesmo tempo de reconhecimento à herança cultural por ela proporcionada. A ligação da obra machadiana com a literatura feita na Europa é discutida na coletânea bilíngue lançada pela Eduff, “O diálogo Europa-Brasil na obra de Machado de Assis”, organizada por José Luís Jobim, Maria Elizabeth Chaves de Mello e Olinda Kleiman.

Escrito em português e francês, o livro é fruto da colaboração entre professores do Centre de Recherchessur lês Pays Lusophones (CREPAL) da Universidade Sorborne Nouvelle (Paris 3) e do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Literatura da UFF. A obra também contou com a colaboração de uma rede de pesquisadores machadianos, que incluiu outras universidades, como UERJ, Princeton e LaSapienza.

A publicação apresenta os seguintes artigos:

“Machado de Assis e a literatura francesa”, de Jacqueline Penjon;

“Uma poética da emulação: uma leitura de Machado de Assis”, de João Cezar de Castro Rocha;

“Uma visão político-social do Brasil nas crônicas de Machado de Assis”, de José Luís Jobim;

“Sobre a narrativa, entre Sterne e Machado“, de Maria Elizabeth Chaves de Mello;

“Encenação e ilusão em Dom Casmurro de Machado de Assis”, de Matildes Demetrio dos Santos;

“Machado de Assis leitor de Victor Hugo“, de Olinda Kleiman;

O futuro abolido: anotações sobre o tempo no Memorial de Aires”, de Pedro Meira Monteiro;

“Machado de Assis no Inferno de Dante”, de Sonia Netto Salomão.

 

Título: “O diálogo Europa-Brasil na obra de Machado de Assis”

Organizadores: José Luís Jobim, Maria Elizabeth Chaves de Mello e Olinda Kleiman

Editora: Eduff, Faperj e Université Sorbonne Nouvelle – Paris 3

Páginas: 319

Onde comprar: Site Eduff

Quer saber um pouco mais sobre o livro? Leia a apresentação clicando aqui.

 

 

Em parceria com o blog, a Eduff disponibilizou um exemplar do livro “O diálogo Europa-Brasil na obra de Machado de Assis”, organizado por José Luís Jobim, Maria Elizabeth Chaves de Mello e Olinda Kleiman, para sorteio! Para participar é simples, basta preencher pelo menos uma das entradas do formulário Rafflecopter abaixo. A primeira entrada já garante a participação, no entanto, preenchendo todos os requisitos o participante terá mais chances de ganhar (cada entrada garante um número de fichas de participação). Quanto mais entradas você preencher, mais chance terá de ganhar! Leia as regras e boa sorte!

  • O sorteio é válido apenas em território nacional (Brasil);
  • Haverá apenas 1 (um) ganhador, e o prêmio é de 1 (um) exemplar do livro “O diálogo Europa-Brasil na obra de Machado de Assis”, organizado por José Luís Jobim, Maria Elizabeth Chaves de Mello e Olinda Kleiman, e marcadores diversos do Blog Tamires de Carvalho e parceiros;
  • O livro será enviado via Correios, por registro módico, pelo Blog Tamires de Carvalho, em até três dias úteis após o contato do ganhador, que deverá informar o endereço completo e CPF para envio;
  • É importante ressaltar que o ganhador que não tiver cumprido os requisitos solicitados para participar do sorteio será desclassificado. Tivemos casos de pessoas que preencheram o formulário, mas não curtiram a página do facebook, por exemplo.
  • O Blog Tamires de Carvalho custeará o envio do prêmio ao sorteado (a) apenas no primeiro envio. Caso haja algum problema com a entrega e o envelope seja devolvido, o ganhador (a) bancará a segunda remessa;
  • O sorteio será realizado no dia 15 de fevereiro de 2019 (sexta-feira) e o resultado ficará visível nesta página, além de ser compartilhado nas redes sociais do Blog Tamires de Carvalho.
  • O ganhador deve entrar em contato com o Blog Tamires de Carvalho por e-mail ou mensagem privada (Facebook, Instagram ou Twitter) em até 48 horas após a divulgação do resultado do sorteio, caso contrário, o sorteio será refeito.

 

 

a Rafflecopter giveaway

 

dezembro 03, 2018

[SORTEIO] RELAÇÃO DE LIMA BARRETO COM O SUBÚRBIO CARIOCA É TEMA DE NOVO LIVRO DA EDUFF

Homenageado na 15ª Festa Literária Internacional de Paraty, Lima Barreto é tema de um estudo historiográfico de Pedro Belchior, publicado pela Eduff, no livro “Tristes subúrbios: literatura, cidade e memória em Lima Barreto (1881-1922)”. Na obra, o autor analisa a relação do escritor com a cidade do Rio de Janeiro, as tensões culturais, de classe e de raça existentes no início do século XX e como Lima se posicionou em relação às transformações da cidade.

Lima Barreto foi o primeiro escritor a se voltar para o subúrbio e a elegê-lo como fonte de inspiração. Matéria-prima do escritor, o subúrbio muitas vezes deixa de ser pano de fundo e aparece como um verdadeiro personagem de Lima. “Ele fala das casas, das mansões, dos casebres, das favelas do subúrbio e em algumas passagens é como se os personagens de carne e osso ficassem em segundo plano e em primeiro plano o subúrbio em sie sua configuração geográfica, espacial. É como se Lima fosse um etnógrafo do subúrbio”, explica.

Essa relação ambígua de observador e ao mesmo tempo morador suburbano é explorada a fundo no livro de Pedro Belchior. Embora já existisse na bibliografia sobre o escritor críticas a essa postura ambivalente, o autor afirma que também notou a existência de um certo senso comum que vê Lima como um escritor suburbano por excelência, na melhor acepção da palavra, um escritor do povo e para o povo. “O que talvez diferencie o meu trabalho é o foco nessa ambiguidade da obra dele, nas tensões. É a relação de pertencimento com a cidade e de olhar sobre o subúrbio que vai se construindo. Eu acho o que eu aponto no livro é que muitas das visões anteriores dão como dada essa relação, e eu procuro mapear o processo de construção”, explica.

No livro, não há uma oposição entre obra e vida do escritor. A ideia principal é analisar de que forma Lima Barreto produziu uma memória sobre o subúrbio carioca e de que forma essa memória alterou a visão sobre o subúrbio naquela época e ainda hoje. “O Lima é muito autobiográfico, muito autoliterário. Ele se elegeu, talvez, como o principal autorreferenciado, os dramas dele, as tragédias pessoais foram tematizados de forma muito massiva ao longo de sua obra”, conta o autor que usa como exemplo “Recordações do Escrivão Isaías Caminha”, primeiro romance publicado por Lima Barreto, em 1909, e considerado por muitos quase como um relato do real ao tratar da inserção de um escritor mulato no mundo jornalístico e as dificuldades que teve para vender preconceitos de origem racial e social.

Em “Tristes subúrbios”, Belchior pretende, ainda, desconstruir a ideia de um escritor maldito e isolado, pouco reconhecido pelos seus pares e alheio ao mundo literário. De acordo com o autor, essa era uma imagem muito comum sobre o escritor, principalmente nas décadas de 1970 e 1980. “Quando você lê a biografia do Lima, você descobre várias cartas e vários textos em que ele atua praticamente como crítico literário. E ele era muito elogiado no Brasil todo”, explica Belchior.

Para Pedro Belchior, Lima Barreto foi um encontro entre sua vivência e um desejo historiográfico. Mineiro de São João Del Rei, Pedro Belchior mudou-se para o Rio em 2006 para trabalhar em Botafogo. Morando em Madureira com a família, viveu a experiência diária de deslocamento entre as Zona Sul e Norte do Rio, e pôde testemunhar os preconceitos e interditos que existe entre o ser suburbano e o ser carioca.

Ao entrar no mestrado em História da UFF, Belchior se deparou com o romance “Clara dos Anjos”, que o impressionou pela forma como Lima ambientou e retratou o subúrbio e pela posição de distanciamento do autor em relação ao local em que morava. “Tem uma frase que me chama muito atenção que é ‘O subúrbio é o refúgio dos infelizes’, e enormes passagens nesse livro em que Lima se coloca como uma espécie de etnógrafo do subúrbio carioca, um observador privilegiado que, ao mesmo tempo em que vive no subúrbio, não se sente parte do subúrbio. Eu me identifiquei um pouco com a figura do Lima, que é como se ele fosse um suburbano por acidente”, conta o autor.

SOBRE O AUTOR: Doutorando em História pela Universidade Federal Fluminense, Pedro Belchior é mestre em História também pela UFF e bacharel em História pela Universidade Federal de São João Del Rei. Pesquisador do Instituto Brasileiro de Museus, Belchior trabalha no Museu Villa-Lobos, no Rio de Janeiro. Participa do grupo Perspectivas Analíticas para a Obra de Heitor Villa-Lobos (PAMVilla/USP) e é coautor do livro “Nova Fase da Lua – Escultores Populares de Pernambuco” (Recife: Caleidoscópio, 2012), com Flávia Martins e Rogerio Luz.

 

Ficha técnica:

Livro: “Tristes subúrbios: literatura, cidade e memória em Lima Barreto (1881-1922)”

Autor: Pedro Belchior

Editora: Eduff

Páginas: 224

ISBN: 978-85-228-1273-8

Onde comprar: site da Eduff

 

Em parceria com o blog, a Eduff disponibilizou um exemplar do livro “Tristes subúrbios: literatura, cidade e memória em Lima Barreto (1881-1922)”, de Pedro Belchior, para sorteio! Para participar é simples, basta preencher pelo menos uma das entradas do formulário Rafflecopter abaixo. A primeira entrada já garante a participação, no entanto, preenchendo todos os requisitos o participante terá mais chances de ganhar (cada entrada garante um número de fichas de participação). Quanto mais entradas você preencher, mais chance terá de ganhar! Leia as regras e boa sorte!

  • O sorteio é válido apenas em território nacional (Brasil);
  • Haverá apenas 1 (um) ganhador, e o prêmio é de 1 (um) exemplar do livro “Tristes subúrbios: literatura, cidade e memória em Lima Barreto (1881-1922)”, de Pedro Belchior, e marcadores diversos do Blog Tamires de Carvalho e parceiros;
  • O livro será enviado via Correios, por registro módico, pelo Blog Tamires de Carvalho, em até 48 horas após o contato do ganhador, que deverá informar o endereço completo e CPF para envio;
  • O Blog Tamires de Carvalho custeará o envio do prêmio ao sorteado (a) apenas no primeiro envio. Caso haja algum problema com a entrega e o envelope seja devolvido, o ganhador (a) bancará a segunda remessa;
  • O sorteio será realizado no dia 17 de dezembro de 2018 (segunda-feira) e o resultado ficará visível nesta página, além de ser compartilhado nas redes sociais do Blog Tamires de Carvalho.
  • O ganhador deve entrar em contato com o Blog Tamires de Carvalho por e-mail ou mensagem privada (Facebook, Instagram ou Twitter) em até 48 horas após a divulgação do resultado do sorteio, caso contrário, o sorteio será refeito.

 

a Rafflecopter giveaway

novembro 29, 2018

[RESENHA] DE UM GRANDE AMOR E DE UMA PERDIÇÃO MAIOR AINDA, DE LETÍCIA WIERZCHOWSKI

Sinopse: “De um grande amor e de uma perdição maior ainda apresenta uma inovação de Leticia Wierzchowiski diferente do que os leitores estão acostumados. A trama, protagonizada por um malandro tipicamente brasileiro, lembra muito mais o universo de Jorge Amado do que o dos heróis de guerra das obras anteriores. Com muito humor, a autora conta as incríveis aventuras amorosas de Bibico Nunes, um mulato de inesquecíveis olhos azuis que coleciona mulheres por onde passa, até o dia em que se apaixona por Cecília Antônia de Alfierez, a rica viúva de um deputado. Cecília, percebendo que está prestes a cair num despenhadeiro de amores, cria um sistema de regras para sua paixão: um calendário com dias e horas para amar. Como na mitologia grega, quando as deusas do Olimpo disputam o belo Páris, filho do rei de Troia, Bibico Nunes é ambicionado não apenas pelas mulheres de carne e osso, mas também pelas deusas de areia, vento e mar, senhoras do Candomblé, Iansã, Oxum, Obá e Iemanjá. De um grande amor e de uma perdição maior ainda traz sexo, pimenta, magia, cenários cintilantes e intrigas amorosas.”

 

Há alguns anos, quando eu era uma auxiliar administrativa recém-contratada, precisei viajar até a cidade de Manhuaçu, pois havia uma palestra do CRO-MG para acontecer naquela cidade, organizada pela regional a qual eu faço parte, Muriaé. Uma das minhas atribuições na época era prestar assistência na organização desses eventos. Nessa viagem, que foi a primeira que eu fiz a trabalho (sem contar o treinamento em Belo Horizonte), eu encontrei o livro De um grande amor e de uma perdição maior ainda, da Letícia Wierzchowski. De imediato a capa de conquistou e eu, que estava fazendo uma baldeação no distrito de Realeza, aguardando um ônibus para o meu destino, comprei o livro e fiquei com ele nas mãos até chegar ao hotel.

Não tive muito tempo para ler, pois não conhecia a cidade e estava a trabalho. Dei uma olhada nas primeiras páginas, mas tive meu encontro com Bibico Nunes só à noite. Fui fisgada pela leitura e, na manhã seguinte, quando eu estava novamente em Realeza, esperando um ônibus para Muriaé, já havia acabado de ler. Há pouco tempo trabalhando no Conselho, eu tinha o hábito de carregar um caderno com várias anotações sobre procedimentos burocráticos diversos e foi nesse caderno que eu fiz um esboço de resenha, porque terminada a leitura, eu precisava colocar algumas palavras para fora, precisava recomendar o livro para alguém. Mas quem?

De um grande amor e de uma perdição maior ainda foi o primeiro livro que me fez ter vontade de ter um blog literário. Nesta última semana eu reli o romance de Letícia Wierzchowski e não só me apaixonei novamente por seu protagonista, mas também por esse ofício irresistível de indicar livros para pessoas que, na maioria dos casos, eu nem conheço (mas considero pacas, como dizíamos no finado Orkut)!

A antiga resenha, das primeiras que eu postei no Skoob, você pode ler abaixo:

“De um grande amor e de uma perdição maior ainda” é um romance de Letícia Wierzchowski, autora do aclamado “A casa das sete mulheres”, que retrata o amor e a paixão que o mulato Bibico Nunes tem pelas mulheres.

É uma história para quem, pelo menos, respeita a magia dos orixás. Se você se sente incomodado (a) com esse tipo de assunto, talvez possa não gostar tanto do livro, pois paralelamente às confusões e amores de Bibico Nunes, vemos um pouco sobre os orixás e sua disputa pelo mulato.

Bibico Nunes, como todo malandro, seduz até quem lê a sua história. Mulato dos olhos azuis, de cabelo europeu, asseado no terno branco e na água de colônia, é a perdição das mulheres de Rio Partido. Apaixona-se pela viúva de um deputado, engravida (de gêmeos) a filha de um general, e também a prima dela, além de despertar a paixão de Iemanjá.

Letícia Wierzchowski nos presenteia com a vida, os amores e as confusões do malandro Bibico, numa história envolvente e muito gostosa de ler. Recomendo!

 

 

Veja bem: o que eu disse na resenha não é (tanto) spoiler: o romance de Wierzchowski não é linear, tipo início, meio e fim. Ela usa muito o recurso do flashback, então desde o começo já sabemos que a história não trata de um romance tradicional porque além das mulheres, Bibico Nunes, o irresistível malando, é cobiçado desde o nascimento pelos orixás. A escrita da autora é de um lirismo belíssimo, encantará até mesmo quem não tem muito conhecimento sobre religiões de matriz africana, como o Candomblé. Além disso, a forma como foi estruturado o romance não faz com que a gente desista da história. Mesmo sabendo o que acontece, queremos saber o porquê e como. Nisso a autora foi perfeita!

O romance é ambientado no Brasil de 1965 e, embora não se aprofunde na questão da ditadura, temos algumas pinceladas críticas sobre a política da época (Bibico se envolve com a viúva de um deputado e com a filha de um general — torturador — do exército). Esse é um detalhe que eu percebi apenas agora, mais calejada nesse ofício de ler e escrever sobre as minhas leituras e, claro, por ter lido novamente a obra.

 

“Bibico Nunes era um homem do mundo, não de uma ou outra mulher. Querê-lo só para si era como querer engarrafar o mar.” (p. 117)

 

Essa pode não ser uma leitura fácil ou agradável para quem segue religiões que não acreditam em orixás. No entanto, mais uma vez digo que recomendo essa leitura! Para quem não é do axé, creio que será mais simples se você encarar os personagens simplesmente como literatura. Sem dúvidas, a leitura é uma boa forma de sairmos da zona de conforto e de se abrir a culturas diferentes da nossa.

 

 

Título: De um grande amor e de uma perdição maior ainda

Autora: Letícia Wierzchowski

Editora: Record

Páginas: 266

Compre na Amazon: De um grande amor e de uma perdição maior ainda.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por