julho 21, 2016

[LETRAS] LATIM, PRA QUE TE QUERO

latin

Estou iniciando, neste segundo semestre, o estudo da disciplina que está dentre as mais importantes do curso de Letras, o Latim. Voltarei a falar mais sobre as aulas na medida em que eu for assimilando o conteúdo. Enquanto isso, compartilho aqui o texto abaixo, retirado do blog Quando Tudo é Importante, que foi disponibilizado no ambiente virtual de boas vindas da disciplina Latim Genérico, na Plataforma Cederj.

 

DAD SQUARISI: LATIM, PRA QUE TE QUERO?

 Expulsaram o latim da escola há meio século. Não adiantou. Teimosa, a “linguinha” bate à nossa porta sem cerimônia. Na televisão, o ministro diz que é demissível ad nutum. O jornal anuncia que o presidente recebeu o título de doutor honoris causa. O advogado afirma que vai entrar com pedido de habeas corpus em favor do cliente.

 

Mais: a placa do restaurante ostenta o nome Carpe Diem. O professor pede: “Escreva assim, ipsis litteris”. O repórter considera sui generis a reação do candidato. O diplomata foi tratado como persona non grata. Dura lex, sed lex, consola o juiz.

 

Criaturas tão íntimas merecem tratamento respeitoso. A reverência impõe duas condições. Uma: grafá-las como manda a norma culta. A outra: dominar-lhes o significado. Vamos lá?

 

Ad nutum quer dizer à vontade. O empregado sem estabilidade pode ser demitido segundo o humor do patrão — a qualquer momento.

 

Honoris causa significa pela honra. Para ostentar o título de doutor, a maioria dos mortais tem de ralar. Mas pessoas ilustres podem chegar lá sem exame. Tornam-se doutores honoris causa.

 

 Habeas corpus é o nome da lei inglesa que garante a liberdade individual. Em português claro: que tenhas o corpo livre para te apresentares ao tribunal.

 

 Carpe Diem dá o recado: aproveita o dia de hoje. A vida é curta; a morte, certa.

 

 Ipsis litteris tem a acepção de textualmente — sem tirar nem pôr.

 

 Sui generis: ímpar, sem igual.

 

 Persona non grata: usada em linguagem diplomática para dizer que a pessoa não é bem-aceita por um governo estrangeiro. Pessoa que não é bem-vinda.

 

 Dura lex sed lex? Está na cara, não? É isso mesmo. A lei é dura, mas é lei.

 

 Reparou? As expressões latinas não têm acento nem hífen. Se aparecer um ou outro, elas perdem a originalidade. Entram, então, na vala comum dos compostos. Ganham hífen. Compare: via crucis e via-crúcis, habeas corpus e hábeas-corpus, in octavo e in-oitavo.

 

março 28, 2016

[LETRAS] SOBRE EDUCAÇÃO, ESCOLA E CRIATIVIDADE

school-knowledge-concept_23-2147503320

 

Hoje estou inaugurando a categoria Letras (Port./Literaturas) em que pretendo divulgar alguns conteúdos do meu curso de Letras. As postagens serão sobre educação, português, linguística e literatura, tendo como público alvo qualquer pessoa que se interesse por esses assuntos ou pelo curso como um todo. Para começar, segue abaixo uma atividade da disciplina Fundamentos da Educação I, realizada no semestre passado (2015-2), que visou proporcionar uma reflexão sobre o papel da educação na escola.

 

Prezado aluno/estudante.

Através das nossas primeiras aulas, você foi levado a refletir sobre o sentido e o valor da Educação (da Antiguidade até a incorporação de novas tecnologias da informação) e sobre a sua própria formação e prática profissional, enquanto futuro docente. Para esta avaliação, você deverá continuar refletindo sobre sua formação.

Assista ao vídeo da palestra “A escola mata a criatividade”, do educador inglês Sir Ken Robinson, reflita sobre as afirmações e os argumentos apresentados, e responda as perguntas abaixo tendo em mente o conteúdo das Aulas 1 a 3.

 

 

1) Você concorda com a afirmação empregada como título da palestra? Por quê? Desenvolva sua resposta apresentando uma análise e comentários de pelo menos um argumento de Ken Robinson contra os modelos de educação mais comuns atualmente.

Resposta: Sim. Como disse Sir Ken Robinson, o modelo ou hierarquia das disciplinas são iguais em praticamente todos os sistemas educacionais do mundo. É um modelo criado antes do século XIX, na época da industrialização, que priorizava o que seria necessário para exercer alguma profissão ou determinada atividade. Desde então a arte não é valorizada, pois o sistema educacional entende que se o aluno não vai trabalhar com aquilo, então ele não precisa aprender. Podemos, dessa forma, afirmar que sim, “a escola mata a criatividade”. Se os sistemas educacionais ao redor do mundo continuam priorizando ou ensinando apenas o que é necessário para determinados empregos, toda a capacidade criativa dos jovens fica adormecida. Depois de tanto tempo inseridos nesse sistema de ensino, eles só reproduzem o que supostamente aprendem. A escola atual, adotando um modelo ultrapassado, pode matar a criatividade dos seus alunos.   

 

2) Por que a criatividade dos estudantes é tão importante?

Resposta: Por meio da criatividade é que se constroem e se descobrem novas coisas. Sem criatividade temos estudantes repetidores de conteúdo, que aprendem apenas o básico para seguir carreiras já consagradas.

 

3) Há alguma diferença entre Educação e instrução profissional? Justifique a sua resposta.

Resposta: Sim. Segundo Sócrates, o processo educativo não tem um término previsto, ele se prolonga por toda a vida do indivíduo. Já a instrução profissional pressupõe determinado nível de preparação para que um indivíduo exerça determinada atividade. A instrução, desta forma, é um processo que tem início, meio e fim.

 

4) O exercício da docência socrática seria uma alternativa viável para revalorização da criatividade do estudante nas escolas? Por quê? Como realiza-la através das novas tecnologias de ensino?

Resposta: Sim, porque o modelo socrático é participativo. Sócrates utilizava o método dialógico; ele não se colocava como detentor do conhecimento, mas um facilitador. O ensino nesses moldes, através das novas tecnologias de ensino, é possível utilizando-se ferramentas de interatividade viabilizadas principalmente pela internet. É necessário seguir um modelo que se adapte ao aluno onde quer que ele esteja, para que o ensino não fique confinado às salas de aula. Há uma oferta infindável de recursos, muitos deles gratuitos, que podem ser utilizados pelos docentes, tais como sites, blogs, canais do Youtube, fanpages do Facebook etc. Assim, cria-se um ambiente favorável para a revalorização da criatividade dos alunos, pois eles deixam de serem apenas ouvintes e passam a ter função ativa no processo de aquisição da aprendizagem.

 

5) De que maneira você poderia contribuir para o reconhecimento, estímulo e cultivo da criatividade de seus estudantes?

Resposta: Para o reconhecimento, o primeiro passo deve ser a observação. O professor deve conhecer os seus alunos. Conhecendo suas particularidades é possível estimulá-los e cultivar sua criatividade, propondo atividades em que eles pudessem se expressar. No caso dos professores de Português e Literatura, por exemplo, ao invés de insistir no ensino sistemático da gramática, sem apresentar uma aplicação deste conteúdo no dia a dia, o docente pode incentivar a construção de textos, fazer uma leitura compartilhada de notícias, mostrar a função histórica e política da Literatura etc. Não ser mero repetidor de conteúdo incentivando os alunos a decorá-los apenas para passar em provas de vestibular e concursos já é um primeiro passo para guiar os discentes e cultivar sua criatividade.

 

 

A disciplina Fundamentos da Educação I faz parte do curso de Licenciatura em Letras (Português/Literaturas de língua portuguesa) da Universidade Federal Fluminense, modalidade a distância (UFF/Cederj). Saiba mais sobre esse curso aqui!

 

As respostas acima são de minha autoria e refletem o meu posicionamento sobre o conteúdo da disciplina.

 

Sir Ken Robinson fez um segundo vídeo,  Façamos a revolução na aprendizagem. Vale a pena assistir:

janeiro 06, 2016

[CONTO] O DIA EM QUE CONHECI MEU PAI PELA SEGUNDA VEZ

img159

 

Decidi conhecer meu pai. Já havia o conhecido muitos anos antes, mas agora será diferente. Não sou mais um menino assustado, tampouco sua figura me deixará sem palavras. Sei o que ele foi e quem ele é. Agora é a minha vez de mostrar quem sou eu.

Perguntando aqui e ali, numas férias em que passei na casa dos meus avós, descobri onde ele se esconde. Ainda é policial militar do estado do Piauí, mas também é sócio de um bar. Foi lá que escolhi aparecer. Não sei se aguentaria ficar com ele a sós.

Fui conhecê-lo pela primeira vez quando tinha oito anos. Ele mal havia me visto nascer e já nos abandonara. Minha mãe decidiu que eu já estava virando um rapazinho e devia conhecer o homem que contribuiu para que eu viesse ao mundo. Ele foi embora, mas nunca esteve muito longe. Morava a poucos quilômetros de nós, numa cidade vizinha, e estava lotado em um batalhão desta mesma cidade. A família dele nunca nos procurou. Minha mãe achou melhor ir até o batalhão, onde o encontro seria breve e teria testemunhas. Era medo. Eu sabia.

Ele era o tipo de homem que não esquentava a cama de mulher nenhuma, mas gostou da minha mãe. Ela, moça caseira, filha de pessoas honestas, jamais se envolveria com um homem como ele, mas se apaixonou. Casaram-se. Pouco tempo depois, esperavam por mim. Desde então, ele resolveu que não queria mais filhos, pois já tinha vários, em várias cidades… Também não queria ter uma família conosco. Na verdade, já tinha passado da hora de ele ir embora dali.

Eu nasci e tive uma ótima família. Meus avós, minha mãe, minha tia… Todos estavam lá nos momentos em que precisei. Mas nunca tive o meu pai.

Certa vez, perguntei para minha mãe por que eu não tinha pai. Ele havia morrido? Não sabia nada dele, só que o chamavam de nomes indizíveis e o desprezavam. Mesmo assim, minha mãe disse que, se eu quisesse, ela me levaria para conhecê-lo. Fomos.

O dia estava quente, e o batalhão era no fim de um longo caminho. Minha mãe segurava a minha mão com muita força. Eu também estava com medo. Ia conhecer o meu pai.

No batalhão, já éramos esperados. Fomos anunciados, e um homem veio caminhando lentamente até nós. Era ele, eu tinha certeza. Aproximou-se, mas não falou nada. Olhou rapidamente para mim. Seus olhos logo encontraram os da minha mãe e lá repousaram. Olharam-se por um instante, que pareceu uma eternidade. Havia anos que ela não o encontrava. Desconfio que ela também não o conhecia, nunca deve tê-lo conhecido de fato. Mas há muito tempo perdera a vontade de conhecê-lo. Um simples e tímido cumprimento foi o breve diálogo entre eles. Mas aquele olhar, aquele, sim, disse muito mais do que qualquer palavra poderia dizer.

Não me lembro de nada que ele disse, e a minha mãe não esteve junto a nós para ouvir a conversa. Ela me esperou na porta do batalhão, enquanto eu era apresentado aos colegas de farda do meu pai, lá dentro. Achei aquele lugar incrível! Meu pai estava para ser promovido a Sargento, e muitos já o respeitavam como tal. Muita gente quis me conhecer e falar comigo. Senti-me importante porque meu pai o era.

 

***

 

Depois daquele dia, nunca mais o vi. Pensei até que havia sonhado com esse encontro, mas a minha mãe garante que não foi sonho. Nós realmente estivemos lá.

 

***

 

Eu precisava vê-lo de novo. Não sei por que, mas precisava. Fui ao bar. Entrei, sentei, pedi uma cerveja. Já era adulto, mas estava nervoso. Ele estava no balcão, não me viu. Confirmei com o cara que me trouxe a cerveja. Era realmente o meu pai no balcão. Tive vontade de ir embora. Nesta altura da vida, o que eu esperava ter dele? Pensei muito, os segundos pareciam horas. Eu estava ali. Não podia ir embora antes de falar com ele.

Também sou policial agora. Não sei se aquela visita ao batalhão me influenciou (ou se foi uma inclinação natural e, neste caso, trágica de seguir a profissão do meu pai), mas entrei para a corporação, no Rio de Janeiro, há pouco tempo. Sou Soldado. Ele, pela idade, já deve ser Primeiro Tenente. Arranjei uma arma emprestada só para ir vê-lo.

Foi tudo muito rápido. Ainda hoje, parece que, nas duas vezes, eu sonhei ter conhecido o meu pai. Levantei-me da cadeira e fui caminhando lentamente até o balcão. Parei de frente para ele. Olhou-me e não me reconheceu. Confirmei uma vez mais se realmente era meu pai. Disse o meu nome. Então as coisas passaram a fazer sentido para ele. Em um movimento repentino, ele pulou o balcão e me abraçou. Não sei se eu consegui abraçá-lo de volta, mas ele ficou ali, me abraçando.

Voltei para a mesa, agora com o meu pai. Conversamos sobre várias coisas. Falei para ele que eu também era policial, Cabo, quase Sargento; que tudo tinha dado certo para mim e que eu vivia muito bem. Ele me falou da família, dos muitos filhos e do arrependimento de não ter me procurado depois daquele dia no batalhão.

Perguntou-me pela minha mãe. Menti que ela havia se casado novamente, que era muito feliz e tinha mais três filhos. Ele não pareceu acreditar. Ele devia conhecer mais do que eu supunha a mulher com quem se casara há muito tempo.

Apresentou-me para todos como o seu filho, que também era policial. Simplesmente um orgulho! Aquilo me irritou. Esforcei-me para não deixar transparecer. Ele em nada havia contribuído para que eu estivesse ali, homem feito, pessoa de bem. Por ele, eu nem teria nascido!

Prometi voltar sempre nas férias para também para visitá-lo, agora que nós tínhamos nos conhecido de verdade, e ele morava tão perto dos meus avós. Quinze anos depois, soube de seu falecimento.

 

 

*** Este conto participou do Concurso de Contos DEZCONTOS (2015), do curso de Letras do Polo Cederj Itaperuna, ficando na oitava colocação. Ele narra uma história real; foi o meu pai quem decidiu conhecer o pai dele pela segunda vez. O que eu fiz foi unir as versões dele e da minha avó sobre o ocorrido, com uma pitada de imaginação.

 

[ATUALIZAÇÃO 30-11-2017]: O Dia virou livro e está disponível em e-book na Amazon neste link.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por