junho 27, 2019

[DIÁRIO] TECNOLOGIA E LEITURA: UMA COMBINAÇÃO QUE DÁ MATCH

 

Se você tem como hábito navegar nas redes sociais mais populares do momento, já deve ter percebido que, às quintas-feiras, acontece uma enxurrada de postagens com a hashtag #TBT. Para quem nunca viu, ou nem faz ideia do que se trata, #TBT é uma sigla para o inglês Throwback Thursday, algo como “traga de volta, quinta-feira!”, ou, ainda, de forma mais literal, “quinta-feira do retorno”. Trocando em miúdos: um saudosismo da e para a internet sobre eventos passados.

Por que eu estou falando sobre isso? Porque essa postagem é o meu super #TBT sobre dois eventos incríveis os quais eu tive a honra de ser convidada a participar e porque eu também sou extremamente saudosista.

 

 

O primeiro evento foi uma palestra que eu ministrei no IF Sudeste MG Campus Muriaé. Até hoje não acredito que uma coisa dessas aconteceu, mas, felizmente, tenho o banner acima e fotos (abaixo) para provar (inclusive, para mim!). Fui convidada pela equipe da Biblioteca do Campus Muriaé para conversar com os alunos sobre leitura aliada à tecnologia, ou seja, mostrar formas de aproveitar essas horas (sim, são HORAS!) que passamos online para criar um hábito de leitura, ou fortalecê-lo.

Até o dia deste evento eu tinha praticamente zero experiência em dar palestras e conversar (sozinha) com um público maior do que vinte ou trinta pessoas. Mas fui com a cara, a coragem, um roteiro todo colorido de marca texto e os slides que fiz pelo Canva (que, aliás, é o salvador de todo blogueiro-escritor-design-amador que eu conheço). Posso dizer, com humildade, que deu bastante certo!

Fiz um resumo abaixo com um pouco do que conversamos neste dia (incluindo links para saber mais) e se você que está lendo agora é professor de português ou mediador/incentivador de leitura, pode ficar à vontade para copiar as imagens, se quiser, e usar como achar melhor.

 

 

Esse primeiro slide, sobre a quantidade de livros que eles leram neste ano, não foi uma forma de exaltar a quantidade e sim agir como um lembrete sobre o hábito de leitura. Um pontapé inicial depois que eu me apresentei aos alunos, uma forma de conhecê-los enquanto leitores. Recebi boas respostas, a maioria disse ter lido entre dois e quatro livros, decorridos cinco meses do ano e tendo em vista que são jovens estudantes da rede pública tecnológica de ensino (a matriz curricular deles é imensa!).

 

 

Nesse slide, recebi várias indicações ótimas de leituras. É importante ouvir, ao invés de só falar (aprendi isso no Estágio do curso de Letras).

 

 

Com esses dados divulgados pela TAG Experiências Literárias nas redes sociais, aproveitei para falar um pouco sobre a falta de tempo para ler. Todo mundo tem, ou pode dispor de dez ou vinte minutos por dia, tirando, por exemplo, dez minutos daquela olhadinha no Facebook e dez do Instagram. Desta forma, já que cada pessoa lê, em média, duzentas palavras por minuto, dá para ler, tranquilo, Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, em um mês (por exemplo)!

 

 

Quem me acompanha no Instagram ou Facebook já deve ter visto alguma divulgação sobre esse projeto super bacana da TAG, o #Desafio1LivroPorMês. É simples e nem precisa ser assinante (mas, se quiser assinar, tá aqui o link). O desafio funciona como um incentivo para ler pelo menos um livro por mês, independente do tamanho ou gênero. Apenas criar ou fortalecer o hábito da leitura. Você faz um cadastro rápido e gratuito e recebe, da forma que achar melhor, conteúdos/lembretes no seu e-mail ou Whatsapp. Nesta última opção, tem grupos com ou sem interação.

 

 

A ideia da conversa foi justamente o que está escrito no slide acima: poder ficar na internet sem culpa, pois tem muita coisa boa para ler online!

 

 

Falei sobre o Skoob, pois não vivo sem! Não conhece? Monte a sua estante virtual clicando aqui (e me adiciona como amiga, clicando aqui).

 

 

Dá para ler milhares de e-books com o aplivativo do Kindle para o celular. Eu uso muito também o Kindle Cloud Reader para ler no computador. Não precisa baixar nada, só acessar direto no navegador usando o seu login da Amazon.

 

 

Falando em Amazon, e-books gratuitos: todo dia tem sempre tem um montão para baixar e ler no app do Kindle!

 

 

Tinha um bocado de gente interessado também em escrever, o que eu achei maravilhoso! Levei essas dicas do Wattpad e Sweek, que são os sites para ler (e postar o que se escreve) que eu conheço mais.

 

Veja também: Histórias ótimas e curtinhas para ler no Wattpad!

 

 

As revistas Trasgo e Mafagafo, são uma ótima opção para quem curte ficção científica e fantasia: leitura de muita qualidade com possibilidade de publicação com uma experência mais próxima do formato tradicional (com edição, revisão de texto, capa profissional etc.).

 

 

Uma newsletter que eu amo é a Contém um contoda Companhia das Letras. Eles enviam um conto de alguns de seus autores para o e-mail dos assinantes, sempre uma leitura rápida e prazerosa.

 

 

Momento jabá #1: no dia da palestra deixei todos os meus e-books grátis para baixar na Amazon!

 

 

Momento jabá #2: óbvio que eu indiquei o meu bloguinho porque tem muita coisa para ler aqui também!

 

 

O último slide é uma frase bacana da Cyana Leahy-Dios, que usei para terminar a conversa. A literatura, é importante ressaltar, é bem mais que só entretenimento. É uma forma de conhecer a si mesmo e também ao outro. É treinar nossas habilidades linguísticas e também conhecer o mundo. Queria ter dito isso ao invés de só ter lido esse slide no dia. Mas os meus ouvintes, que foram muito gentis e pacientes comigo, entenderam bem a mensagem.

 

 

Momento jabá #3: sigam-me nas redes sociais! Tô no Facebook, Instagram, Twitter e também no Skoob e Pinterest.

 

Agora dá uma olhada nas fotos:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Enfim, foi incrível! Toda a gratidão do mundo ao IF Campus Muriaé, especialmente ao pessoal da Biblioteca e ao professor Natalino, pelo convite!

 

***

 

Outra ocasião ímpar foi ter participado do Academia Cultural, programa semanal de rádio da Academia Muriaeense de Letras, transmitido pela Rádio Catedral às quintas-feiras (olha só, #TBT) por volta das 20 horas. No dia 25 de abril conversei com o querido Elias Muratori sobre os meus livros, leituras e as atividades que envolvem as publicações aqui do blog. Infelizmente o programa não fica gravado, mas foi muito legal e tenho as fotos abaixo como registro desta noite especial. Na ocasião, tive o apoio do maridão, que ficou do meu ladinho me lembrando de respirar e de não falar tão rápido (não necessariamente nessa ordem)!

 

 

 

Taí, esse é o meu #TBT de hoje! <3

 

abril 16, 2019

[DIÁRIO] Quer que eu leia com você? – Refletindo sobre as práticas e os espaços de leitura para a educação infantil

Sinopse: Este livro contribui para estimular o debate, a reflexão e a criação de novas metodologias para incrementar a leitura e a contação de histórias, inclusive com o envolvimento e a participação ativa das crianças. Apresenta experiências desenvolvidas na Biblioteca Flor de Papel da UFF, um espaço de mediação dedicado a incentivar as crianças da educação infantil a terem contato com a literatura e demais gêneros textuais, buscando trabalhar o gosto e a prática cotidiana da leitura. Uma obra de grande interesse para pais, professores, bibliotecários e todos os que se interessam pelo desenvolvimento das práticas de leitura infantil.” 

 

Um grande pedagogo, reconhecido internacionalmente, uma vez disse que “antes da leitura da palavra impressa, o indivíduo lê o mundo”. Acertou quem reconheceu nesta frase as palavras de Paulo Freire! Deste modo, engana-se quem pensa que o hábito de leitura só precisa ser incentivado com a criança já mais velha, quase beirando a adolescência. O próprio conceito de leitura, segundo Eni Orlandi, é polissêmico, ou seja, há muitos sentidos, embora apenas um deles geralmente seja mais lembrado ou valorizado: o de alfabetização. Saber decodificar sílabas, reconhecer palavras escritas, no entanto é diferente de saber ler. Mais ainda: esse conhecimento não é condição suficiente para que haja gosto pela leitura.

O livro Quer que eu leia com você? – Refletindo sobre as práticas e os espaços de leitura para educação infantil, das autoras Luciana Esmeralda Ostetto, Maria Clara Cavalcanti de Albuquerque, Ninfa Parreiras e Raquel Polycarpo da Silva, apesar de breve (menos de 100 páginas) é uma ótima leitura inclusive para a família, pois contém um apanhado teórico e de experiências práticas para incentivar a leitura na infância, antes mesmo da alfabetização (bem antes). Se você é professor (a), trabalha com educação infantil e quer incentivar a leitura, ou é bibliotecário (a) e quer organizar um espaço que acolha pequenos leitores, não tem erro: esse livro é o que você precisa para começar! Partindo da experiência da Biblioteca Flor de Papel, da UFF, encontram-se aqui indicações de leitura e organização do espaço, dentre várias outras informações valiosas que contribuem como um sólido embasamento para que a leitura seja incentivada desde os primeiros meses de vida da criança.

 

“Por isso, principalmente em nossos tempos em que a tecnologia vai cada vez mais ganhando espaço e diminuindo a interação social tão necessária para nossa formação (…) faz-se necessário contar muitas, muitas, muitas histórias para que não se perca a capacidade de ouvir o outro, de imaginar nossos próprios cenários e personagens e de exercer nossa criatividade.”

 

Participe do sorteio de um exemplar do livro “Quer que eu leia com você?” e um kit de bottons! Basta clicar na imagem (até 10/05/2019)!

 

Sobre as autoras:

Ninfa Parreiras é mestre em literatura pela USP e graduada em letras e psicologia pela PUC-RJ. É também professora de literatura, psicanalista e escritora de obras literárias e de ensaios. Trabalha com literatura para instituições como FNLIJ, Estação das Letras, Casa da Leitura no Rio de Janeiro, além de ser curadora de eventos literários, consultora de programas de leitura.

Luciana Esmeralda Ostetto é doutora em educação pela Unicamp, professora da Faculdade de Educação da UFF, autora de diversos livros sobre educação infantil.

Maria Clara Cavalcanti de Albuquerque é psicóloga, especialista em literatura infantojuvenil e leitura, pesquisadora do Instituto Interdisciplinar de Leitura/Cátedra Unesco de Leitura/PUC-Rio, autora de livros de literatura infantil, contadora de história do Grupo Confabulando.

Rachel Polycarpo da Silva é mestre em ciência da informação, bibliotecária da Biblioteca Flor de Papel da UFF, desde 2011, tendo idealizado e organizado as mesas-redondas Bibliotecas na Educação Infantil, de 2012 a 2015.

 

 

Quer que eu leia com você? – Refletindo sobre as práticas e os espaços de leitura para a
educação infantil
Série Nova Biblioteca, v. 1
Autoras: Luciana Esmeralda Ostetto, Maria Clara Cavalcanti de Albuquerque, Ninfa Parreiras e Rachel Polycarpo da Silva
Páginas: 75
Formato: 14 x 21 cm
ISBN: 978-85-228-1191-5
Eduff (2017)

Leia a apresentação e introdução deste livro clicando aqui.

Compre o seu exemplar clicando aqui.

 

Leia também: Oxford e Harvard amam Paulo Freire.

dezembro 21, 2017

[ETC.] AS MELHORES LEITURAS DE 2017

 

Dois mil e dezessete foi, para mim, um dos melhores anos em termos de leitura dos últimos, sei lá, dez anos. Em minha vida adulta de leitora e compradora compulsiva de livros, não me lembro de um ano que eu tenha lido mais que este. Só lia tanto assim na época da escola, quando a minha fonte de livros era a biblioteca. Apesar da faculdade e das minhas outras atividades, foram setenta e cinco livros concluídos até o momento da publicação desta postagem! Seriam setenta e seis se eu acelerasse a leitura de Kurt Seyit & Shura, mas estou me deliciando (leia-se economizando a leitura, lendo bem devagar) com as palavras de Nermin Bezmen via e-book e com os episódios da série da Netflix enquanto o meu livro impresso não chega.

Além de ótimas leituras, 2017 também foi um marco para mim em termos de escrita. Fecho o ano com dois e-books publicados na Amazon, Anne e O dia em que conheci meu pai pela segunda vez, vários contos no Wattpad, além de ter participado de duas coletâneas literárias na Andross Editora.

Espero que entre os meus favoritos de 2017, você encontre ótimas leituras para o ano de 2018!

 

 

Janeiro

Em janeiro eu li três livros e todos eles foram leituras maravilhosas, portanto, estão entre as melhores do ano! Vasto Mar de Sargaços foi uma leitura muito especial e eu recomendo a todos que conheçam (e amem) o romance Jane Eyre, de Charlotte Brontë. O foco narrativo aqui é a esposa louca do Sr. Rochester, Bertha Mason. O texto é brilhante, e o livro, inesquecível.

Depois foi a vez de Os Oito Primos, de Louisa May Alcott. Lançada apenas em e-book pela Pedrazul Editora, essa é uma história muito delicada, que ressalta valores familiares e de amizade. Um romance infantojuvenil, que eu recomendo a todas as idades!

Finalizando o primeiro mês de 2017, e embarcando na onda da adaptação feita pela Rede Globo, li o romance Dois Irmãos, de Milton Hatoum. Foi o primeiro livro que eu li do autor e eu simplesmente AMEI! Hatoum consegue nos transportar para a Manaus de meados da década de 1940 e o texto é tão envolvente que a leitura é bem rápida. Nos dividimos entre os conflitos dos gêmeos idênticos Yaqub e Omar, suas tragédias familiares e sua família convencional até certo ponto.

 

Livro “Vasto Mar de Sargaços”, de Jean Rhys.

 

Fevereiro

Em fevereiro eu li Simplesmente o Paraíso e me rendi às maravilhosas histórias românticas de Julia Quinn. Recomendo os romances de Julia Quinn para quem quer uma leitura confortavelmente prazerosa, tipo filme de seção da tarde. Espero ler mais da autora em 2018, pois amei o Quarteto Smythe-Smith!

 

Box “Quarteto Smythe-Smith”.

 

Março

Os melhores do mês de março foram, sem dúvidas, o delicado Os Darcys de Derbshire, de Abigail Reynolds, e o misterioso Uma Noite Escura, de Elizabeth Gaskell. O primeiro é uma variação lindíssima de Orgulho e Preconceito, de Jane Austen. O último, eu confesso que a leitura demorou um pouco a deslanchar, mas o acontecimento da tal noite escura (que eu não revelo na resenha) deu uma virada inesperada na história e a partir daí eu não consegui largar o livro de jeito nenhum. Os amantes dos clássicos certamente irão gostar.

 

Abril

Em abril eu li, por meio de parceria, dois livros da autora Thati Machado: Com Outros Olhos e Contando Estrelas. Foram leituras ótimas, que me fizeram sair da minha zona de conforto e despertaram em mim aquele sentimento tão lindo e tão em falta ao mesmo tempo em nosso mundo, a empatia.

 

Maio

Maio eu tive a alma tocada pelo Outros Jeitos de Usar a Boca, de Rupi Kaur, e dei muitos suspiros com Um Amor Conquistado, da Silvia Spadoni, e Alina, da Emilia Lima. Os dois últimos, literatura brasileira contemporânea da melhor qualidade!

 

“Alina”, de Emilia Lima: livro e marcadores com ilustrações de Mara Sop.

 

Junho

Junho foi o mês Chirlei Wandekoken: li e amei o romance A Estrangeira e me perdi com as novelas independentes que a autora escreveu sobre personagens secundários do romance, A Ama Inglesa, Um Cocheiro em Paris e, o meu favorito Fronteira da Paz. São histórias intensas e muito envolventes, dica especial para quem gosta de se perder com um nobre inglês em todos os lugares possíveis.

 

“A Estrangeira”, de Chirlei Wandekoken.

 

Julho

Em julho o livro Querida Jane Austen ganhou meu coração. Antologia organizada pela talentosa Katherine Salles, o livro é leitura obrigatória para todos os amantes de Jane Austen. Vários contos e dois artigos bem bacanas compõem o livro. Neste mês também me apaixonei pelo A Rosa e o Espinho, uma belíssima história (na verdade, duas) ambientada na maravilhosa Cornualha. A Alegria de Ensinar foi um livro que eu tive de resenhar como parte das atividades do meu Estágio Supervisionado I e eu fiquei tão encantada com as crônicas do livro, que postei a resenha aqui no blog assim que a atividade foi avaliada. Além desses, em julho também li Um Amor Inesperado, da Silvia Spadoni, e o meu favorito do Quarteto Smythe-Smith, da Julia Quinn, A Soma de Todos os Beijos.

 

Cards dos contos do livro “Querida Jane Austen”, gentilmente enviados pela autora Moira Bianchi.

 

Agosto

Dos três favoritos do mês de agosto, apenas um tem resenha já postada aqui no blog: Um Amor Apaixonado, da Silvia Spadoni. Esse livro, que eu tive o privilégio de ganhar um exemplar autografado pela autora, é o meu favorito entre os três da série amores. Se você gosta do estilo da Julia Quinn, de romances de época de aquecer o coração, precisa conhecer os livros da Silvia Spadoni!

Vozes Anoitecidas é um livro de contos do moçambicano Mia Couto, os quais ele se inspirou na tradição oral do seu país reproduzindo histórias conhecidas por lá, com um toque mágico de lirismo que conquista desde a primeira linha. Lembro do começo de um dos contos, impossível de abandonar a leitura: “de repente, o boi explodiu”. Já tenho uma lista imensa do autor para ler (e estudar também), e esse título será uma das primeiras resenhas aqui do blog para 2018. Outro título marcante a ser resenhado é A Festa de Babette, de Karen Blixen. Gostei tanto desse conto que passei uns dois ou três dias sem conseguir ler nada. Só remoendo a história de uma mulher que decide oferecer um mágico e delicioso jantar àquelas pessoas que a acolheram em sua dificuldade. Em breve conversaremos mais sobre esses livros.

 

 

Setembro

Setembro foi o mês que eu conheci um detetive super engraçado: Mort. Ed Mort. Tá escrito na capa do livro. Você lê os contos e fica com essa mania louca de falar como ele. Leitura leve, rápida e muito bem humorada, marca registrada de Luis Fernando Veríssimo.

Através, também, de parceria, li o maravilhoso A Fantástica Jornada do Escritor no Brasilde Kátia Regina Souza. Um livro para conhecer as engrenagens que envolvem o processo de escrita e reconhecer alguns erros e inseguranças em outros colegas, há mais tempo na estrada. Ótima leitura.

Destaque também para a leitura de Invisível, conto da querida Clara Taveira e para o primeiro volume dos Contos de fadas em suas versões originais, da Editora Wish, ambos sem resenha no blog. Em setembro lancei Anne na Amazon.

 

Outubro

Em outubro, fiquei boquiaberta (mais uma vez) com a qualidade do texto do Ian McEwan em Enclausurado. Um suspense inspirado em Hamlet, de Shakespeare, para ninguém botar defeito, especialmente porque, aqui, a história é narrada por um bebê que ainda não nasceu.

Outubro também foi o mês que eu descobri um dos melhores poetas brasileiros que já existiu: Manoel de Barros. Li o livro Meu quintal é maior que o mundo e fiquei tão encantada que prometi a mim mesma reler as poesias do autor pelo menos uma vez ao ano. Não tem resenha do livro aqui no blog, mas tem um texto que eu escrevi para um trabalho da faculdade (Letras, eu te amo!) com link de um documentário maravilhoso feito sobre a vida do autor. Clique aqui e confira!

Também neste mês aconteceu lá em São Paulo o lançamento das duas coletâneas literárias que participei na Andross Editora. Foi uma experiência muito bacana, que eu contei os detalhes há poucos dias aqui no blog.

 

Livro “Sem mais, o amor”, o qual participei com o conto “Querido Paulo”.

 

Novembro

Novembro eu li dois livros incríveis de duas escritoras completamente diferentes, mas igualmente maravilhosas: Olhos D’água, de Conceição Evaristo; e, Alétheia, de Soraya Coelho. Ambos livros de contos. Ambos emocionantes. A resenha de Alétheia também será postada no comecinho do ano que vem.

 

Dezembro

O mês ainda não acabou, eu sei, mas vou deixar duas recomendações de leitura que eu fiz e gostei muito, pois daqui a alguns dias eu vou ativar o modo mamãe-dona-de-casa-cozinheira e ficar só na companhia de Kurt Seyit & Shura, que talvez eu termine de ler até o dia 31 (vai rolar muita Netflix e Discovery Kids também, certeza).

De A a Z: dicas para escritores foi um livro bem legal, lançado recentemente pelo Fábio Fernandes. Ele foi leitor crítico do meu O dia em que conheci meu pai pela segunda vez e a primeira opinião profissional que eu recebi sobre o livro. O Fábio foi incrivelmente paciente e bondoso comigo. E nas dicas ele passa um pouquinho da experiência dele para pessoas que gostam e querem escrever cada vez melhor. E as dicas não se restringem apenas  à ficção, que fique claro.

Mais um da Chirlei Wandekoken para a conta: Sob os acordes dos anjos talvez (talvez!) seja o meu favorito dela deste ano de 2017. Uma história envolvente e com toques pontuais de erotismo. Li de um dia para o outro de tão viciante!

 

Dois mil e dezessete foi um ano incrível. Li muito e escrevi bastante. Fui até entrevistada no Anime Uai em Muriaé! O melhor de tudo é que através da literatura consegui estabelecer e fortalecer laços de amizade com pessoas de todo canto do Brasil (e do mundo!), além de aprender muito. Foi incrível. E 2018 também será. Até lá!

 

Euzinha participando do Anime Uai em Muriaé.

 

Ps1.: Não terminei o desafio #12mesesdePoe, embora eu tenha conseguido ler mais do autor este ano que em 2016. Para 2018, não tenho nenhum desafio em vista, nem planos mirabolantes de não comprar nenhum livro o ano inteiro (onde eu estava com a cabeça?)! Apenas, sem data limite, resolvi aderir ao Projeto Agatha Christie, do blog Randomicidades. É só clicar no banner na lateral aqui do blog para saber mais e baixar o planner que a Tábata fez para organizar a leitura dos romances da Rainha do Crime em ordem cronológica.

 

Ps2.: Para ver todos os livros que eu li em 2017, basta clicar aqui para ver a minha estante no Skoob. Aproveita e me adiciona por lá também!

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por