janeiro 24, 2016

[RESENHA] CINCO CONTOS, DE KATHERINE MANSFIELD

IMG_20160123_142926788

Sinopse: “Nascida em Nova Zelândia, a escritora Katherine Mansfield (1888-1923) foi uma mestra na difícil arte do conto. As narrativas reunidas neste volume são exemplo desta sua capacidade de retratar. em precisas pinceladas. personagens marcantes e concentrar o sentido de uma vida em poucas páginas. Seu talento de miniaturas permite-lhe captar e registrar com nitidez inesquecível o detalhe revelador dos momentos mais triviais da vida.”

 

 

Cinco Contos, da autora Katherine Mansfield, faz parte da Coleção Leitura, geralmente encontrada em sebos, publicada pela Editora Paz e Terra, em 1996. Integram o livro os contos Senhorita Brill, Tomada de hábito, A vida de Mãe Parker, A fuga e Je ne parle pas français.

 

Senhorita Brill já me deu uma ideia sobre o que viria depois; gostei muito e reli, antes mesmo de ler os outros. Ele conta a história de uma senhora que passa os seus domingos em uma praça, e através dela, de sua solidão, um mundo de sentimentos nos invade, como se em algum momento da vida todos fossemos um pouco como a velha senhorita Brill: um pouco atores, um pouco expectadores, nesta vida ao mesmo tempo rotineira e cheia de incertezas.

“Ah, como era fascinante! Como ela gostava daquilo! Como amava sentar ali e assistir a tudo! Era como uma peça de teatro! Era exatamente como uma peça de teatro. Quem não acreditaria que o céu, ao fundo, não era pintado?”

 

Imagine se descobrir apaixonada por um ator, assim, de repente, estando comprometida com outra pessoa! Assim é a história de Tomada de hábito, que narra a trajetória da jovem Edna, que se vê confusa entre dois cavalheiros. A partir daí só haveria um destino para a moça: ir para um convento.  

“Algo horrível tinha acontecido. Inesperadamente, no teatro, a noite passada, quando ela e Jimmy estavam sentados um ao lado do outro no balcão nobre, sem nenhum aviso prévio – na verdade, Edna tinha acabado de comer uma amêndoa coberta com chocolate e devolvera a caixa para Jimmy – ela se apaixonou por um ator. Realmente se apaixonou.”

 

A vida de Mãe Parker é um conto marcante! Retrata uma mulher de vida difícil, dura… Tão dura e tão atarefada que não havia sequer tempo ou lugar adequados para chorar os seus infortúnios! A história começa com a notícia do falecimento do neto de Mãe Parker e a partir daí conhecemos sua trajetória. 

“Não haveria um lugar onde ela pudesse se esconder e ficar consigo mesma o tempo que quisesse, sem perturbar ninguém, e sem que ninguém a importunasse? Não haveria algum lugar no mundo onde ela pudesse chorar abertamente – por fim?”

 

No conto A fuga, um casal perde o trem e tem de fazer parte da viagem em uma carruagem, para a fúria da esposa. A partir daí somos transportados para os conflitos da viagem do casal, “um retrato divertido da vida doméstica inglesa”. 

Oh, por que é que eu tenho que suportar essas coisas? Por que tinha que estar sujeita a elas? () A claridade, as moscas, enquanto ele e o chefe da estação juntavam suas cabeças sobre a tabela dos horários, tentando encontrar aquele outro trem, o qual certamente eles não conseguiriam pegar. 

 

Por fim, tendo como cenário uma pequena cafeteria, em Je ne parle pas français (eu não falo francês), um escritor narra a sua história ao ler a frase título do conto em um pedaço de papel, que o faz relembrar fatos importantes de seu passado.

“Mas, então, mais que de repente, no fim da página, escrito em tinta verde, me deparei com aquela estúpida frasezinha: Je ne parle pas français. (…) Deus do céu! Serei capaz de vivenciar sentimentos tão fortes quanto esse? Mas eu estava absolutamente inconsciente! Não possuía uma frase sequer para defini-lo! Estava arrebatado, abismado. Nem mesmo tentei, sequer da maneira mais obscura, tentar entendê-lo.”.

 

Compre pela Amazon: Cinco Contos

Resenha em colaboração com o blog Escritoras Inglesas.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por