julho 05, 2019

[RESENHA] O SENTIDO DE UM FIM, DE JULIAN BARNES

Sinopse: “Tony Webster vive em Londres. Um dia, recebe uma pequena herança e o fragmento de um misterioso diário de um de seus melhores amigos, Adrian Finn, que cometeu suicídio aos 22 anos. A partir dessa lembrança, Webster revisita sua juventude na Inglaterra dos anos 1960 e tenta decifrar os escritos herdados, confrontando sua própria memória, a inexata versão dos fatos e o seu papel na cadeia de eventos que resultou na morte do brilhante amigo Adrian.”

 

Quão frágil pode ser a nossa memória? Essa pergunta ficou se repetindo na minha cabeça desde que cheguei à última página de O sentido de um fim, de Julian Barnes, enviado aos assinantes da TAG Curadoria no mês de junho de 2019. O livro, que teve como curador o escritor brasileiro Michel Laub, é uma leitura que prende, incomoda e nos faz criar diversas teorias sobre os personagens, suas trajetórias e as ligações que estabeleceram durante a vida.

A história gira em torno das lembranças de Tony Webster. Mas não lembranças aleatórias: a primeira ex-namorada, um inteligentíssimo amigo dos tempos de colégio — Adrian, que comete suicídio aos 22 anos, — e algumas pessoas que preenchem o espaço entre a juventude de Webster e sua maturidade, quando recebe de herança de sua ex-sogra uma pequena quantia em dinheiro e também o diário de Adrian.

Não quero dar muitos detalhes sobre o enredo, — o livro tem apenas 176 páginas — mas O sentido de um fim, em minha visão, fala não só sobre a fragilidade da memória, mas também sobre a forma estranha e incontrolável com a qual a nossa vida está ligada às pessoas com as quais tivemos um contato mais próximo ao longo da vida. Além disso, a narrativa de Julian Barnes nos faz refletir sobre como a memória, mais precisamente, as lembranças do nosso passado, podem não ser exatamente — na verdade, nunca são — iguais de pessoa para pessoa. A questão do ponto de vista é muito bem exemplificada aqui, como ressaltou Michel Laub no prefácio desta edição. O sentido de um fim segue a trilha dos narradores inconfiáveis, que nos proporcionam uma leitura com diversas camadas de interpretação.

 

O livro “O sentido de um fim” com o box e a revista literária que sempre acompanha e enriquece a leitura. No kit do mês de junho veio, ainda, um caderno para fazermos, quem sabe, o nosso próprio diário.

 

“Será que a conversa foi exatamente assim? Provavelmente não. Mas é como eu me lembro dela.” (p. 30)

 

“Eu descobri que esta pode ser uma das diferenças entre a juventude e a velhice: quando somos jovens, inventamos diferentes futuros para nós mesmos; quando somos velhos, inventamos diferentes passados para os outros.” (p. 98)

 

Ouça a playlist de O sentido de um fim no Spotify:

 

 

O sentido de um fim foi uma ótima leitura, instigante até a última página. É daqueles livros que, quanto mais lemos, maior é a vontade de continuar a ler. Depois do fim fiquei ainda muito tempo refletindo sobre o enredo e voltando em vários trechos para reler.

 

 

Título: O sentido de um fim

Autor: Julian Barnes

Tradução: Léa Viveiros de Castro

Prefácio: Michel Laub

Editora: TAG Curadoria / Rocco

Páginas: 176

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por