novembro 12, 2018

[DIÁRIO DE LEITURA] POESIA: COMBUSTÍVEL PARA TODOS OS DIAS

 

Em 2018 eu aumentei consideravelmente o (meu já existente) hábito de leitura de poesia.  Como nem sempre consigo falar o necessário sobre esse gênero sublime, que é o meu combustível para todos os dias, compartilho abaixo uma lista com algumas das melhores leituras de poesia que eu fiz nos últimos meses. Espero que gostem!

 

Tudo nela brailha e queima, de Ryane Leão

Sinopse: Estreia em livro de Ryane Leão, criadora da página onde jazz meu coração, com mais de 150 mil seguidores nas redes
Livro de estreia de Ryane Leão, mulher negra, poeta e professora, criadora do projeto onde jazz meu coração, com mais de 150 mil seguidores nas redes. “a poesia é minha chance de ser eu mesma diante de um mundo que tanto me silencia. é minha vez de ser crua. minha arma de combate. nossa voz ecoada. nossa dor transformada. nela eu falo sobre amor, desapego, rotina, as cidades que nos atravessam, os socos no estômago que a vida dá, o coração desenfreado, a pulsação que guia as estradas, os recomeços, os dias, as noites, as madrugadas, os fins, os jeitos que a gente dá, as transições, os discos, os tropeços, as partidas, as contrapartidas, os pés firmes que insistem em voar, e tudo isso que é maluco e lindo e nos faz ser quem somos.”

Encontre na Amazon: Tudo nela brilha e queima, de Ryane Leão.

 

 

Da poesia, de Hilda Hilst

Sinopse: Pela primeira vez, a produção poética de Hilda Hilst, dispersa em mais de vinte livros, é reunida em um único volume.

Encontre na Amazon: Da poesia, de Hilda Hilst.

 

 

 

 

 

 

 

 

Cantos à beira mar, de Maria Firmina dos Reis

Livro de poemas disponível em Úrsula e outras obras, de Maria Firmina dos Reis, publicado e disponível gratuitamente ao público pela Edições Câmara. Publicado originalmente em 1871, é dedicado à memória da mãe de Maria Firmina dos Reis e conta com cinquenta e seis poesias.

Ver também: Memorial de Maria Firmina dos Reis.

 

 

 

 

 

 

 

Escrevi isso pra você, de Iain S. Thomas

Sinopse: Você sempre me diz que foi bom enquanto durou. Que as chamas mais intensas são as que queimam mais rápido. Ou seja, você via em nós uma vela. E eu via em nós o sol. Escrevi isso pra você é uma coletânea de poemas contemporâneos sobre os diversos momentos do amor: a paixão e o encantamento dos primeiros tempos, o lento afastamento, a solidão a dois, a dor do fim e a esperança de novos começos. Reunindo cerca de 200 textos divididos em quatro partes – Sol, Lua, Estrelas, Chuva –, o poeta sul-africano Iain S. Thomas combina palavras profundas e intensas com fotografias frias e impessoais. O resultado é um livro que provoca uma explosão de sentimentos perturbadores e conflitantes, mas totalmente familiares a qualquer pessoa que já tenha amado e sofrido pelo menos uma vez. Conhecido nas redes sociais pelo pseudônimo pleasefindthis, o autor começou sua trajetória na internet, publicando poemas e fotos em seu blog pessoal. Com o tempo, seu trabalho ganhou repercussão, se transformou em livro e encantou milhares de leitores ao redor do mundo. Com extrema delicadeza, Escrevi isso pra você expõe a natureza frágil das relações humanas e as nuances líricas e obscuras do amor.

Encontre na Amazon: Escrevi isso pra você, de Iain S. Thomas.

 

 

Daqui estou vendo o amor, de Carlos Drummond de Andrade

Sinopse: A poesia amorosa de Carlos Drummond de Andrade está entre os mais altos momentos da lírica do século XX. São poucos os poetas que conseguiram falar tanto e com tanta variedade sobre as relações amorosas, os afetos, as paixões. Ao longo de sua vasta carreira, o poeta mineiro reinventou a poesia amorosa nas mais diversas modalidades e com as mais variadas dicções: do poema modernista ao soneto, da elegia à meditação. Em toda essa produção, contudo, há uma identidade permanente: a profunda compreensão do autor para as relações amorosas. Este conjunto de poemas cujo mote é a manifestação amorosa atesta a força e a atualidade do autor. Em diversos poemas publicado ao longo de sua fecunda carreira, Drummond escreveu alguns dos mais penetrantes poemas amorosos da língua portuguesa. Examinou o nascimento do sentimento amoroso, as aproximações afetivas, a sensualidade e o fim dos relacionamentos. Sempre com inteligência aguda, ironia e a suave melancolia que lhe eram características. Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) é um dos mais importantes poetas brasileiros e um dos grandes nomes da poesia do século XX em qualquer idioma. Sua obra, publicada a partir de 1930 e apenas interrompida por sua morte quase sessenta anos depois, é um depoimento lírico, lúcido e poderoso sobre o amor, a política, os costumes, a família, a memória e o Brasil.

Encontre na Amazon: Daqui estou vendo o amor, de Carlos Drummond de Andrade.

 

 

Sonetos de amor, de Luís de Camões

Sinopse: Os amantes da melhor literatura têm um motivo a mais para celebrar: esta belíssima edição, com uma seleção dos melhores sonetos camonianos sobre o amor. Líricos, eletrizantes e insuperáveis, textos do autor de Os Lusíadas auscultam, a partir da forma poética difundida por Francesco Petrarca (o italiano reputado como o inventor do soneto), o coração de leitores apaixonados. “Luís de Camões amou muito, sofreu muito, teve gozo no seu sofrimento e escreveu dezenas de sonetos (e canções, elegias, odes etc.) numa repetida tentativa de entender o que era essa coisa simultaneamente terrível e sublime”, escreve Richard Zenith na esclarecedora introdução ao volume.

Encontre na Amazon: Sonetos de Amor, de Luís de Camões.

 

 

 

Poemas escolhidos, de Mia Couto

Sinopse: O escritor moçambicano Mia Couto tem grande incursão na prosa, com livros de contos, crônicas e romances premiados, mas a poesia sempre fez parte de seu universo criativo e segue como uma de suas formas de expressão favoritas. Para esta antologia poética, o autor selecionou poemas de seus livros Idades cidades divindades, Raiz de orvalho e outros poemas e Tradutor de chuvas. Nas palavras de José Castello, autor da apresentação, “Os poemas de Mia Couto são, antes de tudo, reflexivos e filosóficos. […] Abordam o ser e a incompreensível dor de existir. Inspecionam as dificuldades de viver. Trata-se de uma poesia que, sem se pretender didática, entra em sincronia com as perguntas que nos fazemos desde o nascimento”.

Encontre na Amazon: Poemas Escolhidos, de Mia Couto.

 

 

 

O vento da noite, de Emily Brontë

Sinopse: Único livro no país que reúne exclusivamente a poesia de Emily Brontë, autora de O morro dos ventos uivantes, este volume traz 33 poemas da escritora inglesa Publicado no Brasil originalmente em 1944, como parte da primorosa Coleção Rubáiyát, da editora José Olympio, O vento da noite, traduzido por Lúcio Cardoso, retorna em edição bilíngue pela Civilização Brasileira. É uma bela oportunidade de reviver o encontro entre dois grandes nomes na literatura e de observar as especificidades que permeiam os processos de criação do autor e do tradutor – uma relação marcada pela sensibilidade, intimidade, escuta e delicadeza. A edição é organizada e apresentada por Ésio Macedo Ribeiro, organizador dos Diários, de Lúcio Cardoso. A prestigiada tradutora Denise Bottman assina o texto de orelha.

Encontre na Amazon: O vento da noite, de Emily Brontë.

 

 

Escritos em verbal de ave, de Manoel de Barros

Sinopse: As palavras inocentes e o lirismo doce de Manoel de Barros retornam às livrarias. E trazem de volta Bernardo, personagem importante de diversos poemas de Manoel, como “O guardador de águas”, “Livro de pré-coisas” e o mais recente, “Menino do mato”. “Em Escritos em verbal de ave”, o poeta retrata a morte de Bernardo com a sutileza intrínseca à sua poesia. Manoel de Barros não só homenageia Bernardo em seu novo livro, como presenteia os leitores com mais uma obra delicada, uma mistura de sonhos, invenções e palavras que só o poeta consegue combinar.

Encontre na Amazon: Escritos em verbal de ave, de Manoel de Barros.

 

 

 

 

Poesia que transforma, de Bráulio Bessa

Sinopse: Bráulio Bessa conquistou o Brasil com seus cordéis no programa Encontro com Fátima Bernardes. O livro inclui o poema Recomece e ilustrações do artista baiano Elano Passos. “O Bráulio mexe com nossas memórias, nossos sentimentos, faz aflorar o melhor da gente. É poesia que sai do coração. Que alegria tê-lo toda semana no meu programa!” – Fátima Bernardes “Cada palavra que sai da boca do Bráulio Bessa toca minha alma de uma forma raríssima.” – Milton Nascimento “Bráulio Bessa é um hipnotizador de palavras. Tem o coração rimado. Quando fala, o verbo venta verso.” – Fabrício Carpinejar “Gosto de comparar a poesia a um abraço, que consegue fazer um carinho na alma sem nem saber qual é a dor que você está sentindo. A poesia se adapta à sua dor. É um abraço cego e despretensioso, como quem diz: ‘Venha! Tá doendo? Pois deixe eu dar um arrocho, que vai lhe fazer bem.’” – Bráulio Bessa Este livro é uma homenagem à poesia e a tudo o que ela é capaz de proporcionar. Com mais de 30 de seus emocionantes poemas, alguns deles inéditos, Bráulio Bessa nos conta um pouco das histórias do menino de Alto Santo, no interior do Ceará, que se tornou poeta e ativista cultural. Desde o primeiro encontro com a obra de Patativa do Assaré, aos 14 anos, até a fama na televisão, ele mostra como a poesia transformou sua vida. Com ilustrações do artista baiano Elano Passos, o livro traz ainda depoimentos de fãs de todos os cantos do Brasil, revelando como as palavras de Bráulio são capazes de inspirar pequenas e grandes mudanças.

Encontre na Amazon: Poesia que transforma, de Braulio Bessa.

 

junho 27, 2017

[RESENHA] O MORRO DOS VENTOS UIVANTES, ITV 2009

 

O Morro dos Ventos Uivantes (Wuthering Heights) é uma adaptação do romance homônimo de Emily brontë, em dois episódios para a televisão, exibida em 2009 pelo canal ITV. Com roteiro de Peter Bowker, a série é estrelada por Tom Hardy e Charlotte Riley, como Heathcliff e Cathy Earnshaw.

 

Diferente do livro e da adaptação mais ilustre, com Ralph Fiennes e Juliette Binoche (1992), aqui não temos a figura de Nelly como narradora da história, apenas como personagem. Para quem não se lembra ou ainda não leu o romance, Nelly conta toda a história dos personagens de O Morro dos Ventos Uivantes  para um inquilino de Heathcliff.

 

Após o falecimento da mãe Isabela, Linton passa a morar com o pai, Heathcliff. De saúde frágil e caráter duvidoso, o jovem vai ajudar o pai a atrair Catherine para a sua vingança. Heathcliff planeja unir Catherine Linton ao seu filho, para que o seu domínio sobre todos seja completo. No começo pode parecer um pouco complicado, pois os jovens não fizeram nada para merecerem que tamanho plano de vingança recaia sobre eles. Um pouco mais tarde, entretanto, a história fica mais clara.

 

 

Atormentado pelo fantasma de seu amor, Heathcliff comete uma loucura: profana o túmulo de Cathy, pois a cada dia é mais difícil viver sem ela. Após passar a noite com o cadáver e ao ver Catherine na janela do quarto que fora de sua mãe, ele se recorda de sua história com os Earnshaws, de quando foi acolhido pela família.

 

Em uma viagem, Sr. Earnshaw promete trazer um violino para o seu filho Hindley e um chicote para Cathy. Ao invés dos presentes, ele traz um novo membro para a família, o jovem Heathcliff, órfão e possivelmente de origem cigana. Hindley odeia o garoto desde o primeiro momento, mas Cathy não. Sr. Earnshaw queria transformar Heathcliff em um homem de bem, honrado e, de certa forma, seu relacionamento com o pobre órfão tinha mais afeto do que ele jamais conseguira ter com o próprio filho.

 

Cathy e Heathcliff eram uma só pessoa, desde o começo. Uma amizade sincera que transforma-se, mais tarde, em um amor avassalador. Eles viviam livres como o vento, correndo pelos morros de Wuthering Heighs. Até que um dia o Sr. Earnshaw morre e Hindley, que havia passado muito tempo em um colégio para rapazes, retorna já casado e disposto a tomar o seu lugar de direito em Heights.

 

 

A partir daí as coisas começam a mudar. Hindley expulsa Heathcliff de casa e relega ao rapaz o espaço dos estábulos, junto aos cavalos, tratando-o pior que a um criado. O cigano, então, passa a nutrir um forte desejo de vingança contra o irmão.

 

Um dia me vingarei de Hindley com dor e agonia.” (Heathcliff)

 

Muitos pensam em Heathcliff como um personagem detestável, que só tem ódio e rancor em seu coração. Aqui preciso sair em defesa dele: uma criança que fora abandonada, não sabia de suas origens, fora resgatada, mas ainda era subjugada. Perde o pai que o acolheu e não lhe é permitido que viva o seu amor, por razões diversas. Heathcliff era todo sentimento, para o bem ou para o mal. Seu amor por Cathy o inflamava, assim como o seu desejo de vingança por todos aqueles que  roubaram-lhe o direito de ser feliz. Sua trajetória pode não justificar os seus atos, mas nos permite entender melhor o personagem.

 

 

Cathy jamais poderia esquecer Heathcliff, mas acaba se envolvendo com Edgar Linton, que conhecia desde a infância. Mimada e de temperamento forte, ela vê em Edgar a segurança emocional e também financeira que ela não teria com Heathcliff. Linton era, inicialmente, uma alternativa mais fácil.

 

 

-Você ama o Sr. Edgar? – pergunta Nelly

– Claro que amo – responde Cathy.

– Por que você o ama?

– Eu o amo. Não é o suficiente?

– De jeito nenhum. Deve dizer o motivo.

– Por que ele é bonito e uma companhia agradável.

– Isso é ruim.

– Serei rica. Serei a mulher mais importante dos arredores.

– Continua ruim. Mas acho que o seu irmão ficará feliz. Edgar Linton é um homem bom e irá protegê-la. Não é conveniente nem desejável que você se case com Heathcliff. E, se você ama Edgar e ele também a ama… onde está o obstáculo?

– Nelly, meu amor por Edgar é como a folhagem da mata. O tempo há de mudá-lo, estou certa disso. Meu amor por Heathcliff é como as rochas eternas por baixo. Minhas maiores tristezas no mundo têm sido as de Heathcliff. Se tudo desaparecesse e ele ficasse, eu continuaria a existir. Nelly, eu sou Heathcliff! Não como um prazer, mas como meu próprio ser! Não posso pensar em nossa separação. Nunca mais falarei sobre a nossa separação de novo.”

(O Morro dos Ventos Uivantes, 2009)

 

 

O elenco inclui nomes como Andrew Lincoln (Edgar Linton), Kevin McNally (Sr. Earnshaw), Burn Gorman (Hindley Earnshaw), Sarah Lancashire (Nelly), Rosalinda Halstead (Isabela Linton), dentre outros. Grandes atuações e um casal de protagonistas que exalam paixão, assim é O Morro dos Ventos Uivantes de 2009. Estou certa de que até quem não gostou do livro vai gostar desta adaptação!

 

 

REFERÊNCIAS:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Wuthering_Heights_(2009)

 

Resenha em colaboração com o blog Escritoras Inglesas.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por