dezembro 09, 2019

[RESENHA] LAÇOS, DE DOMENICO STARNONE

Sinopse: Laços é um romance provocativo e de leitura irresistível sobre os vínculos familiares e as amarras do casamento. Uma obra vulcânica e marcante escrita por um dos principais autores italianos da atualidade.

Vanda e Aldo estão casados há mais de cinco décadas. Ao voltarem de uma agradável semana de férias na praia, eles encontram seu apartamento completamente revirado. Reorganizando seus papeis, Aldo se vê forçado a encarar lembranças de décadas atrás: os anos que abandonara Vanda e os filhos para viver com outra mulher. As fissuras causadas por esse trauma familiar permanecem latentes no presente.”

 

Laços, do escritor italiano Domenico Starnone (Todavia, 2017), foi um dos livros mais intensos que eu li neste ano de 2019. Fiquei profundamente mexida, a ponto de ter que engolir o choro — meu marido e minha filha de três anos talvez não entendessem tamanho descontrole (e eu não conseguiria explicar). Foi impressionante perceber que um homem do outro lado do oceano tenha escrito algo que poderia ser sobre o casamento dos meus própios pais.

O título desse livro reverbera: pode ser interpretado como os laços familiares, consanguíneos, sentimentais ou mesmo uma passagem sensível como uma lembrança da infância dos filhos, a forma estranha de amarrar os sapatos, herdada do pai. Os laços, sobretudo, amarram esse romance dividido em três partes relativamente independentes, mas que juntas traçam, de forma muito precisa, a falência de uma família.

 

“Laços é um romance cheio de recipientes, de coisas que contêm outras, tanto no sentido literal quanto no simbólico. Apesar desses recipientes, há coisas que se perdem.” (Introdução, por Jhumpa Lahiri)

 

A primeira parte é formada por cartas. A narrativa é feita por Vanda, a esposa abandonada pelo marido que, de uma hora para outra, resolve deixá-la — e também aos filhos —, para viver com uma mulher bem mais jovem que ele. Mesmo que por relatos esparsos, percebemos toda a dificuldade e ressentimento desta mulher que há pouco mais de uma década vive em função de uma família que, sem que ela possa fazer nada, deixa de existir em sua forma original.

A segunda parte é uma narrativa em primeira pessoa feita a partir da visão de Aldo, um homem de setenta e quatro anos, casado há cinquenta dois, segundo ele em uma relação que é “um longo fio de tempo enovelado”. Aldo, obviamente, é o marido de Vanda, que nesta parte tem setenta e seis anos e vive a paz doméstica de um casamento maduro. Esta última frase pode não ser exatamente verdade e aos poucos vamos percebendo os motivos. Embora Aldo em algum momento tenha voltado para casa, as feridas do período em que ele esteve com outra pessoa, do período em que ele traiu a esposa, estão falsamente cicatrizadas. Afinal, em quanto tempo uma família consegue esquecer algo desse tipo? Quanto tempo demora para que as coisas voltem ao seu devido lugar? Nossos laços, quaisquer que sejam eles, são o suficiente para algo desse tipo seja superado? Esses questionamentos e lembranças voltam para assombrar o casal quando eles retornam de uma pequena viagem de férias e encontram seu apartamento completamente revirado. Aldo, em especial, acaba revendo algumas lembranças do passado ao reorganizar o escritório de casa.

 

“Da crise de tantos anos atrás ambos aprendemos que, para viver juntos, é preciso dizer bem menos do que calamos.”

 

A terceira e última parte parece vir para (tentar) desembolar antigos nós. O foco da narrativa recai sobre os filhos de Aldo e Vanda, Sandro e Anna, que ficam responsáveis por cuidar da casa e do gato, Labes, durante a viagem de férias dos pais. Essa última parte amarra tão bem o romance que não admira que o autor tenha sido o vencedor do Prêmio Strega (2011) — o mais importante em seu país —, com este livro.

 

“Mas o que é que a gente pode fazer, não se escapa dos cromossomos, não é culpa minha nem sua, herda-se tudo, até o modo de coçar a cabeça.”

 

Terminei sem ar, mas também grata pela oportunidade de ler algo tão poderoso!

 

 

 

P.s.: sobre a semelhança com Dias de abandono, de Elena Ferrante, não posso, ainda, opinar sobre. Até tentei pegar o livro dela para ler em seguida, mas achei melhor dar um tempo entre uma leitura e outra (leia-se: não consegui).

 

 

 

Título: Laços

Autor: Domenico Starnone

Tradução: Mauricio Santana Dias

Introdução de Jhumpa Lahiri

Editora: Todavia

Páginas: 144

 

Compre na Amazon: Laços



Comente pelo Facebook:

Ou comente por aqui:

Uma resposta para "[RESENHA] LAÇOS, DE DOMENICO STARNONE"

Tamires de Carvalho [RESENHA] SEGREDOS, DE DOMENICO STARNONE | Tamires de Carvalho - 21 junho 2020 às 16:25

[…] também: Resenha de Laços e um breve comentário sobre Assombrações, ambos de Domenico […]

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2020 • powered by WordPressDesenvolvido por