fevereiro 01, 2016

[RESENHA] AS RELAÇÕES PERIGOSAS, DE CHODERLOS DE LACLOS

Sinopse: “Durante alguns meses, um grupo peculiar da nobreza francesa troca cartas secretamente. No centro da intriga está o libertino visconde de Valmont, que tenta conquistar a presidenta de Tourvel, e a dissimulada marquesa de Merteuil, suposta confidente da jovem Cécile, a quem ela tenta convencer a se entregar a outro homem antes de se casar. Lançado com grande sucesso na época, As relações perigosas teve vinte edições esgotadas apenas no primeiro ano de sua publicação. O livro ficou ainda mais popular depois de várias adaptações para o cinema, protagonizadas por estrelas hollywoodianas como Jeanne Moreau, Glenn Close e John Malkovich. E também boa parte do sucesso do romance deve-se ao fato de a história explorar com muita inteligência os caminhos obscuros do desejo. Esta edição, com tradução de Dorothée de Bruchard, traz uma introdução da editora inglesa Helen Constantine.”

 

Como muitas pessoas Brasil afora, conheci o romance epistolar de Choderlos de Laclos através da minissérie da Rede Globo, depois da repercussão da cena em que Cecília é estuprada por Augusto (no livro, Cécile e visconde de Valmont). Fiquei curiosa a respeito do livro e o consegui de presente do maridão! Acabei não assistindo a série completa, embora tenha gostado do pouco que vi.

As relações perigosas, adaptada como Ligações perigosas, é uma trama que fala de sedução e poder. Uma parcela da aristocracia francesa que investe todo o seu tempo em manipular e destruir reputações de pessoas consideradas mais fracas. Dentre eles, destacam-se a marquesa de Merteuil e o visconde de Valmont, que não pouparão esforços para conseguir se divertir e provar o seu poder em relação a outros três personagens: a Presidenta de Tourvel e os jovens Danceny e Cécile.

O libertino visconde de Valmont ao mesmo tempo em que tenta conquistar a presidenta de Tourvel, uma mulher casada e devota, seduz a jovem e inexperiente Cécile a pedido de sua amiga e antiga amante, a marquesa de Merteuil. Já a marquesa de Merteuil, que se faz de confidente de Cécile, orienta a jovem a não resistir ao sedutor Valmont, mas sua real intenção é que Cécile se perca antes de um casamento arranjado com um antigo desafeto seu. Neste meio tempo, o cavalheiro Danceny e Cécile, apaixonados, tentam viver um romance, apesar de todos os empecilhos e manipulações. Parece complicado, mas é apenas um retrato da nobreza da frança do ano de 1782.

A narrativa é feita em 175 cartas, divididas em quatro partes bem estruturadas. Embora muitos romances epistolares tenham um ritmo arrastado, em As relações perigosas a trama é bastante envolvente e Laclos muitas vezes expõe a mesma situação do ponto de vista de todos ou quase todos os personagens, de forma que apenas o leitor sabe o que realmente está acontecendo.  As maquinações da marquesa de Merteuil e os conteúdos de duplo sentido de Valmont, além das referências literárias de ambos são o que há de melhor na história.

 

“Preciso possuir essa mulher, para evitar o ridículo de apaixonar-me por ela: pois até onde não nos leva um desejo contrariado? Ó delicioso gozo! Imploro-lhe para a minha felicidade e, sobretudo, para o meu sossego. Que sorte a nossa as mulheres se defenderem tão mal! Ou não passaríamos, junto delas, de tímidos escravos”. (p.45 – Valmont sobre a presidenta de Tourvel)

 

Ainda que os personagens falem muito de amor, acredito que apenas a presidenta de Tourvel possa ter realmente se apaixonado. Embora Valmont tenha demonstrado que poderia estar apaixonado por ela, seus valores não permitiriam que ele mudasse tanto por amor a alguém. Valmont e Merteuil, sobretudo a marquesa, eram pessoas que desprezavam a fraqueza provinda do amor. Para eles, o amor era tal qual uma guerra, qualquer passo em falso poderia fazê-los cair. As Relações Perigosas é uma boa leitura, embora eu não tenha simpatizado com nenhum personagem em especial.

 

 

Título: As Relações Perigosas
Autor: Choderlos de Laclos
Tradução: Dorothée de Buchard
Introdução e Notas: Helen Constantine
Editora: Penguin Companhia
Páginas: 480

Compre pela Amazon: As Relações Perigosas

 

 

Leia também:

Ligações Perigosas: que nome você dá pra abuso?

Ligações Perigosas ganhou diferentes adaptações para o cinema

 

 

 



Comente pelo Facebook:

Ou comente por aqui:

Uma resposta para "[RESENHA] AS RELAÇÕES PERIGOSAS, DE CHODERLOS DE LACLOS"

Luciana - 01 fevereiro 2016 às 11:57

Ótima resenha, Tamires! Tive as mesmas impressões que você sobre o livro e sobre os personagens. Gosto bastante de romances epistolares (ao ponto de ter escrito um em formato de folhetim, lá no Coruja) e Relações Perigosas foi um dos melhores que li nesse estilo, justamente pela forma como temos vários pontos de vista dentro de uma mesma cena…

Boa sorte no resto do desafio!

Responder

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por