julho 01, 2019

[RESENHA] A RIDÍCULA IDEIA DE NUNCA MAIS TE VER, DE ROSA MONTERO

Sinopse: “Um livro sobre o luto e suas consequências, que navega com maestria entre a ficção e a memória. Quando Rosa Montero leu o impressionante diário (incluído como apêndice neste livro) que Marie Curie escreveu após a morte de seu marido, ela sentiu que a história dessa mulher fascinante guardava uma triste sintonia com a sua própria: Pablo Lizcano, seu companheiro durante 21 anos, morrera havia pouco depois de enfrentar um câncer. As consequências dessa perda geraram este livro vertiginoso e tocante a respeito da morte, mas sobretudo dos laços que nos unem ao extremo da vida.”

 

A ridícula ideia de nunca mais te ver, de Rosa Montero (Todavia, 2019) é um livro estupendo. Já conhecia a autora pelo A Louca da Casamas, mesmo se não conhecesse, ficaria tentada a ler esse livro apenas e justamente pelo título. Não é mesmo ridícula a ideia de nunca mais ver alguém que amamos?

Rosa Montero, que passou pelo luto com a perda de seu marido — se é que a gente pode guardar esse sentimento em uma caixinha e considerá-lo terminado depois de algum tempo, dizendo que passou — percebe, ao ler o breve diário escrito por Marie Curie durante o primeiro ano da perda de seu amado Pierre, que existe uma força estranha que nos reduz ao mesmo nível de dor, de selvageria, e de incompreensão quando o assunto é a morte de alguém com quem compartilhamos a vida.

 

“Sempre, nunca, palavras absolutas que não podemos compreender, sendo como somos: pequenas criaturas presas em nosso breve tempo. Você nunca brincou, na infância, de tentar imaginar a eternidade? O infinito que se desenrola à sua frente como uma vertiginosa e interminável fita azul? A primeira coisa que te derruba no luto: a incapacidade de pensar nele e admiti-lo. A ideia simplesmente não entra na sua cabeça. Como é possível que não esteja mais? Aquela pessoa que ocupava tanto espaço no mundo, onde foi que se meteu? O cérebro não consegue entender que tenha desaparecido para sempre. E que diabos é sempre? É um conceito anti-humano. Quero dizer, que foge à nossa possibilidade de entendimento. Como assim não vou vê-lo nunca mais? Nem hoje, nem amanhã, nem depois, nem daqui a um ano? É uma realidade inconcebível que a mente rejeita: não vou vê-lo nunca mais é uma piada sem graça, uma ideia ridícula.” (p. 23)

 

No trecho acima, Rosa Montero diz tudo o que eu já senti — e ainda sinto — com o luto. É um absurdo perder alguém, e é absurdo porque você nunca vai deixar de sentir essa perda. Geralmente, para quem está de fora, funciona da seguinte forma: acontece um falecimento, prestam-se os pêsames aos familiares e, depois de alguns dias é vida que segue. Mas te garanto e tenho experiência nesse assunto: quando a perda é sua, não funciona assim. A dor não passa, você só se acostuma a viver com ela e a não ter acessos frequentes de fúria (ou choro). Uma parte de você estará ausente pela eternidade do tempo que lhe resta de vida. As pessoas apenas superam a parte mais difícil do luto, seja mudando de casa, fazendo alguma atividade nova, escrevendo um livro ou gravando uma música, enfim, existem mil formas. Mas, ainda assim, é triste perceber que a imagem nítida do rosto daquela pessoa está se perdendo na sua mente, ou que as roupas rapidamente perdem o cheiro ou, ainda, perceber que não se fala com naturalidade de quem já se foi. Fica um buraco, que a gente cada dia precisa contornar.

Mas esse não é um livro exclusivamente sobre a morte, apesar de ser essa a sua essência. Esse é um livro que fala sobre a extraordinária vida de Marie Curie, mas não como uma biografia comum, e sim da forma intertextual, dinâmica e envolvente de Montero, que também dá detalhes de sua própria vida e de sua perda. A autora, que deu sua interpretação pessoal sobre vários dos fatos tratados no livro, mas também apresentou as fontes biográficas consultadas em seu processo de escrita, adicionou, inevitavelmente, alguns volumes a mais em minha lista de leitura. Achei bacana o trecho em que ela menciona outra grande escritora, Carmen Laforet. Adoro livros (e autores) que indicam outros livros!

 

 

A ridícula ideia de nunca mais te ver é uma leitura imperdível. É como ter uma conversa franca sobre a vida, as pessoas e sobre o funcionamento do mundo (leia-se sociedade). Isso, claro, de uma forma que ora faz rir, ora causa comoção. É leve, apesar de tudo. Achei muito interessante, também, as várias fotografias que ilustram os capítulos e as hashtags, tão incorporadas ao nosso dia a dia com as redes sociais, e que Rosa Montero distribuiu ao longo de todo o livro. O fim é angustiantemente belo com o diário de Marie Curie. “Ainda terei coragem para escrever?”, ela se pergunta. Aparentemente, não teve ou não precisou. Devia ter encontrado, naquele momento, seu modo de superar a parte mais difícil.

 

 

 

Título: A ridícula ideia de nunca mais te ver

Autora: Rosa Montero

Tradução: Mariana Sanchez

Editora: Todavia

Páginas: 208

Compre na Amazon: A ridícula ideia de nunca mais te ver.



Comente pelo Facebook:

Ou comente por aqui:

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por