julho 01, 2019

[RESENHA] A RIDÍCULA IDEIA DE NUNCA MAIS TE VER, DE ROSA MONTERO

Sinopse: “Um livro sobre o luto e suas consequências, que navega com maestria entre a ficção e a memória. Quando Rosa Montero leu o impressionante diário (incluído como apêndice neste livro) que Marie Curie escreveu após a morte de seu marido, ela sentiu que a história dessa mulher fascinante guardava uma triste sintonia com a sua própria: Pablo Lizcano, seu companheiro durante 21 anos, morrera havia pouco depois de enfrentar um câncer. As consequências dessa perda geraram este livro vertiginoso e tocante a respeito da morte, mas sobretudo dos laços que nos unem ao extremo da vida.”

 

A ridícula ideia de nunca mais te ver, de Rosa Montero (Todavia, 2019) é um livro estupendo. Já conhecia a autora pelo A Louca da Casamas, mesmo se não conhecesse, ficaria tentada a ler esse livro apenas e justamente pelo título. Não é mesmo ridícula a ideia de nunca mais ver alguém que amamos?

Rosa Montero, que passou pelo luto com a perda de seu marido — se é que a gente pode guardar esse sentimento em uma caixinha e considerá-lo terminado depois de algum tempo, dizendo que passou — percebe, ao ler o breve diário escrito por Marie Curie durante o primeiro ano da perda de seu amado Pierre, que existe uma força estranha que nos reduz ao mesmo nível de dor, de selvageria, e de incompreensão quando o assunto é a morte de alguém com quem compartilhamos a vida.

 

“Sempre, nunca, palavras absolutas que não podemos compreender, sendo como somos: pequenas criaturas presas em nosso breve tempo. Você nunca brincou, na infância, de tentar imaginar a eternidade? O infinito que se desenrola à sua frente como uma vertiginosa e interminável fita azul? A primeira coisa que te derruba no luto: a incapacidade de pensar nele e admiti-lo. A ideia simplesmente não entra na sua cabeça. Como é possível que não esteja mais? Aquela pessoa que ocupava tanto espaço no mundo, onde foi que se meteu? O cérebro não consegue entender que tenha desaparecido para sempre. E que diabos é sempre? É um conceito anti-humano. Quero dizer, que foge à nossa possibilidade de entendimento. Como assim não vou vê-lo nunca mais? Nem hoje, nem amanhã, nem depois, nem daqui a um ano? É uma realidade inconcebível que a mente rejeita: não vou vê-lo nunca mais é uma piada sem graça, uma ideia ridícula.” (p. 23)

 

No trecho acima, Rosa Montero diz tudo o que eu já senti — e ainda sinto — com o luto. É um absurdo perder alguém, e é absurdo porque você nunca vai deixar de sentir essa perda. Geralmente, para quem está de fora, funciona da seguinte forma: acontece um falecimento, prestam-se os pêsames aos familiares e, depois de alguns dias é vida que segue. Mas te garanto e tenho experiência nesse assunto: quando a perda é sua, não funciona assim. A dor não passa, você só se acostuma a viver com ela e a não ter acessos frequentes de fúria (ou choro). Uma parte de você estará ausente pela eternidade do tempo que lhe resta de vida. As pessoas apenas superam a parte mais difícil do luto, seja mudando de casa, fazendo alguma atividade nova, escrevendo um livro ou gravando uma música, enfim, existem mil formas. Mas, ainda assim, é triste perceber que a imagem nítida do rosto daquela pessoa está se perdendo na sua mente, ou que as roupas rapidamente perdem o cheiro ou, ainda, perceber que não se fala com naturalidade de quem já se foi. Fica um buraco, que a gente cada dia precisa contornar.

Mas esse não é um livro exclusivamente sobre a morte, apesar de ser essa a sua essência. Esse é um livro que fala sobre a extraordinária vida de Marie Curie, mas não como uma biografia comum, e sim da forma intertextual, dinâmica e envolvente de Montero, que também dá detalhes de sua própria vida e de sua perda. A autora, que deu sua interpretação pessoal sobre vários dos fatos tratados no livro, mas também apresentou as fontes biográficas consultadas em seu processo de escrita, adicionou, inevitavelmente, alguns volumes a mais em minha lista de leitura. Achei bacana o trecho em que ela menciona outra grande escritora, Carmen Laforet. Adoro livros (e autores) que indicam outros livros!

 

 

A ridícula ideia de nunca mais te ver é uma leitura imperdível. É como ter uma conversa franca sobre a vida, as pessoas e sobre o funcionamento do mundo (leia-se sociedade). Isso, claro, de uma forma que ora faz rir, ora causa comoção. É leve, apesar de tudo. Achei muito interessante, também, as várias fotografias que ilustram os capítulos e as hashtags, tão incorporadas ao nosso dia a dia com as redes sociais, e que Rosa Montero distribuiu ao longo de todo o livro. O fim é angustiantemente belo com o diário de Marie Curie. “Ainda terei coragem para escrever?”, ela se pergunta. Aparentemente, não teve ou não precisou. Devia ter encontrado, naquele momento, seu modo de superar a parte mais difícil.

 

 

 

Título: A ridícula ideia de nunca mais te ver

Autora: Rosa Montero

Tradução: Mariana Sanchez

Editora: Todavia

Páginas: 208

Compre na Amazon: A ridícula ideia de nunca mais te ver.

junho 27, 2019

[DIÁRIO] TECNOLOGIA E LEITURA: UMA COMBINAÇÃO QUE DÁ MATCH

 

Se você tem como hábito navegar nas redes sociais mais populares do momento, já deve ter percebido que, às quintas-feiras, acontece uma enxurrada de postagens com a hashtag #TBT. Para quem nunca viu, ou nem faz ideia do que se trata, #TBT é uma sigla para o inglês Throwback Thursday, algo como “traga de volta, quinta-feira!”, ou, ainda, de forma mais literal, “quinta-feira do retorno”. Trocando em miúdos: um saudosismo da e para a internet sobre eventos passados.

Por que eu estou falando sobre isso? Porque essa postagem é o meu super #TBT sobre dois eventos incríveis os quais eu tive a honra de ser convidada a participar e porque eu também sou extremamente saudosista.

 

 

O primeiro evento foi uma palestra que eu ministrei no IF Sudeste MG Campus Muriaé. Até hoje não acredito que uma coisa dessas aconteceu, mas, felizmente, tenho o banner acima e fotos (abaixo) para provar (inclusive, para mim!). Fui convidada pela equipe da Biblioteca do Campus Muriaé para conversar com os alunos sobre leitura aliada à tecnologia, ou seja, mostrar formas de aproveitar essas horas (sim, são HORAS!) que passamos online para criar um hábito de leitura, ou fortalecê-lo.

Até o dia deste evento eu tinha praticamente zero experiência em dar palestras e conversar (sozinha) com um público maior do que vinte ou trinta pessoas. Mas fui com a cara, a coragem, um roteiro todo colorido de marca texto e os slides que fiz pelo Canva (que, aliás, é o salvador de todo blogueiro-escritor-design-amador que eu conheço). Posso dizer, com humildade, que deu bastante certo!

Fiz um resumo abaixo com um pouco do que conversamos neste dia (incluindo links para saber mais) e se você que está lendo agora é professor de português ou mediador/incentivador de leitura, pode ficar à vontade para copiar as imagens, se quiser, e usar como achar melhor.

 

 

Esse primeiro slide, sobre a quantidade de livros que eles leram neste ano, não foi uma forma de exaltar a quantidade e sim agir como um lembrete sobre o hábito de leitura. Um pontapé inicial depois que eu me apresentei aos alunos, uma forma de conhecê-los enquanto leitores. Recebi boas respostas, a maioria disse ter lido entre dois e quatro livros, decorridos cinco meses do ano e tendo em vista que são jovens estudantes da rede pública tecnológica de ensino (a matriz curricular deles é imensa!).

 

 

Nesse slide, recebi várias indicações ótimas de leituras. É importante ouvir, ao invés de só falar (aprendi isso no Estágio do curso de Letras).

 

 

Com esses dados divulgados pela TAG Experiências Literárias nas redes sociais, aproveitei para falar um pouco sobre a falta de tempo para ler. Todo mundo tem, ou pode dispor de dez ou vinte minutos por dia, tirando, por exemplo, dez minutos daquela olhadinha no Facebook e dez do Instagram. Desta forma, já que cada pessoa lê, em média, duzentas palavras por minuto, dá para ler, tranquilo, Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, em um mês (por exemplo)!

 

 

Quem me acompanha no Instagram ou Facebook já deve ter visto alguma divulgação sobre esse projeto super bacana da TAG, o #Desafio1LivroPorMês. É simples e nem precisa ser assinante (mas, se quiser assinar, tá aqui o link). O desafio funciona como um incentivo para ler pelo menos um livro por mês, independente do tamanho ou gênero. Apenas criar ou fortalecer o hábito da leitura. Você faz um cadastro rápido e gratuito e recebe, da forma que achar melhor, conteúdos/lembretes no seu e-mail ou Whatsapp. Nesta última opção, tem grupos com ou sem interação.

 

 

A ideia da conversa foi justamente o que está escrito no slide acima: poder ficar na internet sem culpa, pois tem muita coisa boa para ler online!

 

 

Falei sobre o Skoob, pois não vivo sem! Não conhece? Monte a sua estante virtual clicando aqui (e me adiciona como amiga, clicando aqui).

 

 

Dá para ler milhares de e-books com o aplivativo do Kindle para o celular. Eu uso muito também o Kindle Cloud Reader para ler no computador. Não precisa baixar nada, só acessar direto no navegador usando o seu login da Amazon.

 

 

Falando em Amazon, e-books gratuitos: todo dia tem sempre tem um montão para baixar e ler no app do Kindle!

 

 

Tinha um bocado de gente interessado também em escrever, o que eu achei maravilhoso! Levei essas dicas do Wattpad e Sweek, que são os sites para ler (e postar o que se escreve) que eu conheço mais.

 

Veja também: Histórias ótimas e curtinhas para ler no Wattpad!

 

 

As revistas Trasgo e Mafagafo, são uma ótima opção para quem curte ficção científica e fantasia: leitura de muita qualidade com possibilidade de publicação com uma experência mais próxima do formato tradicional (com edição, revisão de texto, capa profissional etc.).

 

 

Uma newsletter que eu amo é a Contém um contoda Companhia das Letras. Eles enviam um conto de alguns de seus autores para o e-mail dos assinantes, sempre uma leitura rápida e prazerosa.

 

 

Momento jabá #1: no dia da palestra deixei todos os meus e-books grátis para baixar na Amazon!

 

 

Momento jabá #2: óbvio que eu indiquei o meu bloguinho porque tem muita coisa para ler aqui também!

 

 

O último slide é uma frase bacana da Cyana Leahy-Dios, que usei para terminar a conversa. A literatura, é importante ressaltar, é bem mais que só entretenimento. É uma forma de conhecer a si mesmo e também ao outro. É treinar nossas habilidades linguísticas e também conhecer o mundo. Queria ter dito isso ao invés de só ter lido esse slide no dia. Mas os meus ouvintes, que foram muito gentis e pacientes comigo, entenderam bem a mensagem.

 

 

Momento jabá #3: sigam-me nas redes sociais! Tô no Facebook, Instagram, Twitter e também no Skoob e Pinterest.

 

Agora dá uma olhada nas fotos:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Enfim, foi incrível! Toda a gratidão do mundo ao IF Campus Muriaé, especialmente ao pessoal da Biblioteca e ao professor Natalino, pelo convite!

 

***

 

Outra ocasião ímpar foi ter participado do Academia Cultural, programa semanal de rádio da Academia Muriaeense de Letras, transmitido pela Rádio Catedral às quintas-feiras (olha só, #TBT) por volta das 20 horas. No dia 25 de abril conversei com o querido Elias Muratori sobre os meus livros, leituras e as atividades que envolvem as publicações aqui do blog. Infelizmente o programa não fica gravado, mas foi muito legal e tenho as fotos abaixo como registro desta noite especial. Na ocasião, tive o apoio do maridão, que ficou do meu ladinho me lembrando de respirar e de não falar tão rápido (não necessariamente nessa ordem)!

 

 

 

Taí, esse é o meu #TBT de hoje! <3

 

junho 25, 2019

[RESENHA] NORTE: EM BUSCA DOS PAIS PERFEITOS, DE ALAN ZWEIBEL

Sinopse: “A história de um garoto que viaja o mundo em busca dos pais perfeitos.”

 

Certa vez, um projeto de incentivo à leitura passou pela escola em que eu estudava. Era um ônibus que deixava uma caixa com livros nas escolas e os alunos podiam pegar qualquer exemplar emprestado e devolver, mas sem o rigor de uma biblioteca. Você podia devolver outro livro em bom estado no lugar do que você pegou no ônibus, por exemplo. O controle era feito apenas em relação à quantidade de livros, para que o projeto não saísse prejudicado ao terminar a temporada em alguma das cidades percorridas.

Lembro que eu li muita coisa, talvez a caixa inteira, mas, estranhamente, apenas um título jamais se perdeu na minha memória: “Norte, a história do garoto que viaja o mundo em busca dos pais perfeitos”. Na época, eu não tinha livros para trocar, mas esperava um dia reencontrar essa história.

Dia desses, enfim, comprei Norte em um sebo pela Amazon. Não lembrava muitos detalhes e até tive receio de não curtir tanto a leitura, pois me encontro em um lugar bem distinto daquele com o qual tive o primeiro contato com a história, mas Norte ainda teve valor para mim, mesmo já adulta.

O livro é uma narrativa breve sobre um garoto que, insatisfeito com pais negligentes, resolve entrar na justiça e conseguir o direito a uma espécie de divórcio dos pais. Norte, que é um menino espetacular, ótimo candidato a filho para qualquer boa família, cansou de implorar pela atenção dos pais (leia-se fingir ataques cardíacos), que parecem interessados demais em qualquer coisa que não seja o filho.

Estranhamente — ou não — a justiça concede rapidamente o direito a Norte de sair em busca dos pais perfeitos e candidatos não faltam! Ele percorre os Estados Unidos experimentando pais e, longe de casa, começa a perceber que essa aventura e a decisão de escolher novos pais pode não ser tão fácil quanto ele pensava. Enquanto isso, o país fica de ponta cabeça, com o precedente legal aberto a partir do caso dele. As crianças, quem imaginaria (!), passaram a encurralar os próprios pais para terem tudo o que quiserem, ou então pediriam, também, o divórcio.

 

O livro tem ilustrações de Alex Tiani.

 

Para nós, adultos, é bem fácil entender que Norte chegou àquela fase da infância ou pré-adolescência em que começamos a perceber que os nossos pais têm falhas. Aquela revolta de querer mais, de achar que merece mais, atrelada ao distanciamento que muitas vezes ocorre nessa fase de bebê crescido talvez tenham sido, inclusive, o que me chamou tanto a atenção na época em que li pela primeira vez e que me fez guardar o nome desse livro por tantos anos.

 

“Era como Joey tinha ensinado: ‘Nada é novo. Pode ser mais, pode ser menos. Pode estar disfarçado. Mas não muda.’” (p. 102)

 

Para quem está forçando a memória dos tempos de Sessão da Tarde por causa da foto do ator Elijah Wood na capa do livro, a história foi adaptada para o cinema em 1994 com o mesmo nome do livro, North. Aqui no Brasil o filme teve o título traduzido para O Anjo da Guarda. Pelo o que eu pesquisei depois de ler, algumas mudanças parecem ter sido feitas para o roteiro, assinado pelo próprio Alan Zweibel e também por Andrew Scheinman.

 

“Uma nota para o leitor”.

 

Publicado originalmente em 1984 (no Brasil, dez anos depois), Norte é uma leitura rápida e bem divertida. O tom nonsense do poder infantil e a ironia fina de Alan Zweibel fazem com que o leitor devore as páginas dessa novela. Leitura recomendada para pais e filhos!

 

 

 

 

Título: Norte (A história de um garoto que viaja o mundo em busca dos pais perfeitos)

Autor: Alan Zweibel

Tradução: Leo Cunha

Ilustrações: Alex Tiani

Editora: 34

Páginas: 120

Compre na Amazon: Norte, em busca dos pais perfeitos.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por