OI, PSIU! VOCÊ JÁ LEU ALGUM LIVRO DO AILTON KRENAK?

OI, PSIU! VOCÊ JÁ LEU ALGUM LIVRO DO AILTON KRENAK?

Ailton Krenak é um líder indígena, ambientalista e escritor. Considerado uma das maiores lideranças do movimento indígena brasileiro, tendo reconhecimento internacional, inclusive. É de uma verdade e de uma lucidez absurdas neste mundo louco em que estamos vivendo. Você já leu algum livro dele? Não?! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! LEIA TODOS! Saiba mais abaixo:

 

 Sinopse: As reflexões de um de nossos maiores pensadores indígenas sobre a pandemia que parou o mundo.
Há vários séculos que os povos indígenas do Brasil enfrentam bravamente ameaças que podem levá-los à aniquilação total e, diante de condições extremamente adversas, reinventam seu cotidiano e suas comunidades. Quando a pandemia da Covid-19 obriga o mundo a reconsiderar seu estilo de vida, o pensamento de Ailton Krenak emerge com lucidez e pertinência ainda mais impactantes.
Em páginas de impressionante força e beleza, Krenak questiona a ideia de “volta à normalidade”, uma “normalidade” em que a humanidade quer se divorciar da natureza, devastar o planeta e cavar um fosso gigantesco de desigualdade entre povos e sociedades. Depois da terrível experiência pela qual o mundo está passando, será preciso trabalhar para que haja mudanças profundas e significativas no modo como vivemos.
“Tem muita gente que suspendeu projetos e atividades. As pessoas acham que basta mudar o calendário. Quem está apenas adiando compromisso, como se tudo fosse voltar ao normal, está vivendo no passado […]. Temos de parar de ser convencidos. Não sabemos se estaremos vivos amanhã. Temos de parar de vender o amanhã.”

Você pode baixar o e-book AGORA MESMO, GRATUITAMENTE, neste link!(sempre bom conferir a gratuidade ANTES de baixar, tudo bem?)

 

 

 Sinopse: “Uma parábola sobre os tempos atuais, por um de nossos maiores pensadores indígenas.

Ailton Krenak nasceu na região do vale do rio Doce, um lugar cuja ecologia se encontra profundamente afetada pela atividade de extração mineira. Neste livro, o líder indígena critica a ideia de humanidade como algo separado da natureza, uma “humanidade que não reconhece que aquele rio que está em coma é também o nosso avô”.
Essa premissa estaria na origem do desastre socioambiental de nossa era, o chamado Antropoceno. Daí que a resistência indígena se dê pela não aceitação da ideia de que somos todos iguais. Somente o reconhecimento da diversidade e a recusa da ideia do humano como superior aos demais seres podem ressignificar nossas existências e refrear nossa marcha insensata em direção ao abismo.
“Nosso tempo é especialista em produzir ausências: do sentido de viver em sociedade, do próprio sentido da experiência da vida. Isso gera uma intolerância muito grande com relação a quem ainda é capaz de experimentar o prazer de estar vivo, de dançar e de cantar. E está cheio de pequenas constelações de gente espalhada pelo mundo que dança, canta e faz chover. […] Minha provocação sobre adiar o fim do mundo é exatamente sempre poder contar mais uma história.”
Desde seu inesquecível discurso na Assembleia Constituinte, em 1987, quando pintou o rosto com a tinta preta do jenipapo para protestar contra o retrocesso na luta pelos direitos indígenas, Krenak se destaca como um dos mais originais e importantes pensadores brasileiros. Ouvi-lo é mais urgente do que nunca. Ideias para adiar o fim do mundo é uma adaptação de duas conferências e uma entrevista realizadas em Portugal, entre 2017 e 2019.”

Adiquira o e-book (ou compre a edição impressa) clicando aqui.

 

 

Sinopse:Em reflexões provocadas pela pandemia de covid-19, o pensador e líder indígena Ailton Krenak volta a apontar as tendências destrutivas da chamada “civilização”: consumismo desenfreado, devastação ambiental e uma visão estreita e excludente do que é a humanidade.

Um dos mais influentes pensadores da atualidade, Ailton Krenak vem trazendo contribuições fundamentais para lidarmos com os principais desafios que se apresentam hoje no mundo: a terrível evolução de uma pandemia, a ascensão de governos de extrema-direita e os danos causados pelo aquecimento global.
Crítico mordaz à ideia de que a economia não pode parar, Krenak provoca: “Nós poderíamos colocar todos os dirigentes do Banco Central em um cofre gigante e deixá-los vivendo lá, com a economia deles. Ninguém come dinheiro”. Para o líder indígena, “civilizar-se” não é um destino. Sua crítica se dirige aos “consumidores do planeta”, além de questionar a própria ideia de sustentabilidade, vista por alguns como panaceia.
Se, em meio à terrível pandemia de covid-19, sentimos que perdemos o chão sob nossos pés, as palavras de Krenak despontam como os “paraquedas coloridos” descritos em seu livro Ideias para adiar o fim do mundo, que já vendeu mais de 50 mil cópias no Brasil e está sendo traduzido para o inglês, francês, espanhol, italiano e alemão.
A vida não é útil reúne cinco textos adaptados de palestras, entrevistas e lives realizadas entre novembro de 2017 e junho de 2020.
Pesquisa e organização de Rita Carelli.

Adiquira o e-book (ou compre a edição impressa) clicando aqui.

 

 

Assista ao episódio da série Vozes da Floresta, do Le Monde Diplomatique Brasil, em que Ailton Krenak é entrevistado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *