novembro 12, 2018

[DIÁRIO DE LEITURA] POESIA: COMBUSTÍVEL PARA TODOS OS DIAS

 

Em 2018 eu aumentei consideravelmente o (meu já existente) hábito de leitura de poesia.  Como nem sempre consigo falar o necessário sobre esse gênero sublime, que é o meu combustível para todos os dias, compartilho abaixo uma lista com algumas das melhores leituras de poesia que eu fiz nos últimos meses. Espero que gostem!

 

Tudo nela brailha e queima, de Ryane Leão

Sinopse: Estreia em livro de Ryane Leão, criadora da página onde jazz meu coração, com mais de 150 mil seguidores nas redes
Livro de estreia de Ryane Leão, mulher negra, poeta e professora, criadora do projeto onde jazz meu coração, com mais de 150 mil seguidores nas redes. “a poesia é minha chance de ser eu mesma diante de um mundo que tanto me silencia. é minha vez de ser crua. minha arma de combate. nossa voz ecoada. nossa dor transformada. nela eu falo sobre amor, desapego, rotina, as cidades que nos atravessam, os socos no estômago que a vida dá, o coração desenfreado, a pulsação que guia as estradas, os recomeços, os dias, as noites, as madrugadas, os fins, os jeitos que a gente dá, as transições, os discos, os tropeços, as partidas, as contrapartidas, os pés firmes que insistem em voar, e tudo isso que é maluco e lindo e nos faz ser quem somos.”

Encontre na Amazon: Tudo nela brilha e queima, de Ryane Leão.

 

 

Da poesia, de Hilda Hilst

Sinopse: Pela primeira vez, a produção poética de Hilda Hilst, dispersa em mais de vinte livros, é reunida em um único volume.

Encontre na Amazon: Da poesia, de Hilda Hilst.

 

 

 

 

 

 

 

 

Cantos à beira mar, de Maria Firmina dos Reis

Livro de poemas disponível em Úrsula e outras obras, de Maria Firmina dos Reis, publicado e disponível gratuitamente ao público pela Edições Câmara. Publicado originalmente em 1871, é dedicado à memória da mãe de Maria Firmina dos Reis e conta com cinquenta e seis poesias.

Ver também: Memorial de Maria Firmina dos Reis.

 

 

 

 

 

 

 

Escrevi isso pra você, de Iain S. Thomas

Sinopse: Você sempre me diz que foi bom enquanto durou. Que as chamas mais intensas são as que queimam mais rápido. Ou seja, você via em nós uma vela. E eu via em nós o sol. Escrevi isso pra você é uma coletânea de poemas contemporâneos sobre os diversos momentos do amor: a paixão e o encantamento dos primeiros tempos, o lento afastamento, a solidão a dois, a dor do fim e a esperança de novos começos. Reunindo cerca de 200 textos divididos em quatro partes – Sol, Lua, Estrelas, Chuva –, o poeta sul-africano Iain S. Thomas combina palavras profundas e intensas com fotografias frias e impessoais. O resultado é um livro que provoca uma explosão de sentimentos perturbadores e conflitantes, mas totalmente familiares a qualquer pessoa que já tenha amado e sofrido pelo menos uma vez. Conhecido nas redes sociais pelo pseudônimo pleasefindthis, o autor começou sua trajetória na internet, publicando poemas e fotos em seu blog pessoal. Com o tempo, seu trabalho ganhou repercussão, se transformou em livro e encantou milhares de leitores ao redor do mundo. Com extrema delicadeza, Escrevi isso pra você expõe a natureza frágil das relações humanas e as nuances líricas e obscuras do amor.

Encontre na Amazon: Escrevi isso pra você, de Iain S. Thomas.

 

 

Daqui estou vendo o amor, de Carlos Drummond de Andrade

Sinopse: A poesia amorosa de Carlos Drummond de Andrade está entre os mais altos momentos da lírica do século XX. São poucos os poetas que conseguiram falar tanto e com tanta variedade sobre as relações amorosas, os afetos, as paixões. Ao longo de sua vasta carreira, o poeta mineiro reinventou a poesia amorosa nas mais diversas modalidades e com as mais variadas dicções: do poema modernista ao soneto, da elegia à meditação. Em toda essa produção, contudo, há uma identidade permanente: a profunda compreensão do autor para as relações amorosas. Este conjunto de poemas cujo mote é a manifestação amorosa atesta a força e a atualidade do autor. Em diversos poemas publicado ao longo de sua fecunda carreira, Drummond escreveu alguns dos mais penetrantes poemas amorosos da língua portuguesa. Examinou o nascimento do sentimento amoroso, as aproximações afetivas, a sensualidade e o fim dos relacionamentos. Sempre com inteligência aguda, ironia e a suave melancolia que lhe eram características. Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) é um dos mais importantes poetas brasileiros e um dos grandes nomes da poesia do século XX em qualquer idioma. Sua obra, publicada a partir de 1930 e apenas interrompida por sua morte quase sessenta anos depois, é um depoimento lírico, lúcido e poderoso sobre o amor, a política, os costumes, a família, a memória e o Brasil.

Encontre na Amazon: Daqui estou vendo o amor, de Carlos Drummond de Andrade.

 

 

Sonetos de amor, de Luís de Camões

Sinopse: Os amantes da melhor literatura têm um motivo a mais para celebrar: esta belíssima edição, com uma seleção dos melhores sonetos camonianos sobre o amor. Líricos, eletrizantes e insuperáveis, textos do autor de Os Lusíadas auscultam, a partir da forma poética difundida por Francesco Petrarca (o italiano reputado como o inventor do soneto), o coração de leitores apaixonados. “Luís de Camões amou muito, sofreu muito, teve gozo no seu sofrimento e escreveu dezenas de sonetos (e canções, elegias, odes etc.) numa repetida tentativa de entender o que era essa coisa simultaneamente terrível e sublime”, escreve Richard Zenith na esclarecedora introdução ao volume.

Encontre na Amazon: Sonetos de Amor, de Luís de Camões.

 

 

 

Poemas escolhidos, de Mia Couto

Sinopse: O escritor moçambicano Mia Couto tem grande incursão na prosa, com livros de contos, crônicas e romances premiados, mas a poesia sempre fez parte de seu universo criativo e segue como uma de suas formas de expressão favoritas. Para esta antologia poética, o autor selecionou poemas de seus livros Idades cidades divindades, Raiz de orvalho e outros poemas e Tradutor de chuvas. Nas palavras de José Castello, autor da apresentação, “Os poemas de Mia Couto são, antes de tudo, reflexivos e filosóficos. […] Abordam o ser e a incompreensível dor de existir. Inspecionam as dificuldades de viver. Trata-se de uma poesia que, sem se pretender didática, entra em sincronia com as perguntas que nos fazemos desde o nascimento”.

Encontre na Amazon: Poemas Escolhidos, de Mia Couto.

 

 

 

O vento da noite, de Emily Brontë

Sinopse: Único livro no país que reúne exclusivamente a poesia de Emily Brontë, autora de O morro dos ventos uivantes, este volume traz 33 poemas da escritora inglesa Publicado no Brasil originalmente em 1944, como parte da primorosa Coleção Rubáiyát, da editora José Olympio, O vento da noite, traduzido por Lúcio Cardoso, retorna em edição bilíngue pela Civilização Brasileira. É uma bela oportunidade de reviver o encontro entre dois grandes nomes na literatura e de observar as especificidades que permeiam os processos de criação do autor e do tradutor – uma relação marcada pela sensibilidade, intimidade, escuta e delicadeza. A edição é organizada e apresentada por Ésio Macedo Ribeiro, organizador dos Diários, de Lúcio Cardoso. A prestigiada tradutora Denise Bottman assina o texto de orelha.

Encontre na Amazon: O vento da noite, de Emily Brontë.

 

 

Escritos em verbal de ave, de Manoel de Barros

Sinopse: As palavras inocentes e o lirismo doce de Manoel de Barros retornam às livrarias. E trazem de volta Bernardo, personagem importante de diversos poemas de Manoel, como “O guardador de águas”, “Livro de pré-coisas” e o mais recente, “Menino do mato”. “Em Escritos em verbal de ave”, o poeta retrata a morte de Bernardo com a sutileza intrínseca à sua poesia. Manoel de Barros não só homenageia Bernardo em seu novo livro, como presenteia os leitores com mais uma obra delicada, uma mistura de sonhos, invenções e palavras que só o poeta consegue combinar.

Encontre na Amazon: Escritos em verbal de ave, de Manoel de Barros.

 

 

 

 

Poesia que transforma, de Bráulio Bessa

Sinopse: Bráulio Bessa conquistou o Brasil com seus cordéis no programa Encontro com Fátima Bernardes. O livro inclui o poema Recomece e ilustrações do artista baiano Elano Passos. “O Bráulio mexe com nossas memórias, nossos sentimentos, faz aflorar o melhor da gente. É poesia que sai do coração. Que alegria tê-lo toda semana no meu programa!” – Fátima Bernardes “Cada palavra que sai da boca do Bráulio Bessa toca minha alma de uma forma raríssima.” – Milton Nascimento “Bráulio Bessa é um hipnotizador de palavras. Tem o coração rimado. Quando fala, o verbo venta verso.” – Fabrício Carpinejar “Gosto de comparar a poesia a um abraço, que consegue fazer um carinho na alma sem nem saber qual é a dor que você está sentindo. A poesia se adapta à sua dor. É um abraço cego e despretensioso, como quem diz: ‘Venha! Tá doendo? Pois deixe eu dar um arrocho, que vai lhe fazer bem.’” – Bráulio Bessa Este livro é uma homenagem à poesia e a tudo o que ela é capaz de proporcionar. Com mais de 30 de seus emocionantes poemas, alguns deles inéditos, Bráulio Bessa nos conta um pouco das histórias do menino de Alto Santo, no interior do Ceará, que se tornou poeta e ativista cultural. Desde o primeiro encontro com a obra de Patativa do Assaré, aos 14 anos, até a fama na televisão, ele mostra como a poesia transformou sua vida. Com ilustrações do artista baiano Elano Passos, o livro traz ainda depoimentos de fãs de todos os cantos do Brasil, revelando como as palavras de Bráulio são capazes de inspirar pequenas e grandes mudanças.

Encontre na Amazon: Poesia que transforma, de Braulio Bessa.

 

dezembro 21, 2017

[ETC.] AS MELHORES LEITURAS DE 2017

 

Dois mil e dezessete foi, para mim, um dos melhores anos em termos de leitura dos últimos, sei lá, dez anos. Em minha vida adulta de leitora e compradora compulsiva de livros, não me lembro de um ano que eu tenha lido mais que este. Só lia tanto assim na época da escola, quando a minha fonte de livros era a biblioteca. Apesar da faculdade e das minhas outras atividades, foram setenta e cinco livros concluídos até o momento da publicação desta postagem! Seriam setenta e seis se eu acelerasse a leitura de Kurt Seyit & Shura, mas estou me deliciando (leia-se economizando a leitura, lendo bem devagar) com as palavras de Nermin Bezmen via e-book e com os episódios da série da Netflix enquanto o meu livro impresso não chega.

Além de ótimas leituras, 2017 também foi um marco para mim em termos de escrita. Fecho o ano com dois e-books publicados na Amazon, Anne e O dia em que conheci meu pai pela segunda vez, vários contos no Wattpad, além de ter participado de duas coletâneas literárias na Andross Editora.

Espero que entre os meus favoritos de 2017, você encontre ótimas leituras para o ano de 2018!

 

 

Janeiro

Em janeiro eu li três livros e todos eles foram leituras maravilhosas, portanto, estão entre as melhores do ano! Vasto Mar de Sargaços foi uma leitura muito especial e eu recomendo a todos que conheçam (e amem) o romance Jane Eyre, de Charlotte Brontë. O foco narrativo aqui é a esposa louca do Sr. Rochester, Bertha Mason. O texto é brilhante, e o livro, inesquecível.

Depois foi a vez de Os Oito Primos, de Louisa May Alcott. Lançada apenas em e-book pela Pedrazul Editora, essa é uma história muito delicada, que ressalta valores familiares e de amizade. Um romance infantojuvenil, que eu recomendo a todas as idades!

Finalizando o primeiro mês de 2017, e embarcando na onda da adaptação feita pela Rede Globo, li o romance Dois Irmãos, de Milton Hatoum. Foi o primeiro livro que eu li do autor e eu simplesmente AMEI! Hatoum consegue nos transportar para a Manaus de meados da década de 1940 e o texto é tão envolvente que a leitura é bem rápida. Nos dividimos entre os conflitos dos gêmeos idênticos Yaqub e Omar, suas tragédias familiares e sua família convencional até certo ponto.

 

Livro “Vasto Mar de Sargaços”, de Jean Rhys.

 

Fevereiro

Em fevereiro eu li Simplesmente o Paraíso e me rendi às maravilhosas histórias românticas de Julia Quinn. Recomendo os romances de Julia Quinn para quem quer uma leitura confortavelmente prazerosa, tipo filme de seção da tarde. Espero ler mais da autora em 2018, pois amei o Quarteto Smythe-Smith!

 

Box “Quarteto Smythe-Smith”.

 

Março

Os melhores do mês de março foram, sem dúvidas, o delicado Os Darcys de Derbshire, de Abigail Reynolds, e o misterioso Uma Noite Escura, de Elizabeth Gaskell. O primeiro é uma variação lindíssima de Orgulho e Preconceito, de Jane Austen. O último, eu confesso que a leitura demorou um pouco a deslanchar, mas o acontecimento da tal noite escura (que eu não revelo na resenha) deu uma virada inesperada na história e a partir daí eu não consegui largar o livro de jeito nenhum. Os amantes dos clássicos certamente irão gostar.

 

Abril

Em abril eu li, por meio de parceria, dois livros da autora Thati Machado: Com Outros Olhos e Contando Estrelas. Foram leituras ótimas, que me fizeram sair da minha zona de conforto e despertaram em mim aquele sentimento tão lindo e tão em falta ao mesmo tempo em nosso mundo, a empatia.

 

Maio

Maio eu tive a alma tocada pelo Outros Jeitos de Usar a Boca, de Rupi Kaur, e dei muitos suspiros com Um Amor Conquistado, da Silvia Spadoni, e Alina, da Emilia Lima. Os dois últimos, literatura brasileira contemporânea da melhor qualidade!

 

“Alina”, de Emilia Lima: livro e marcadores com ilustrações de Mara Sop.

 

Junho

Junho foi o mês Chirlei Wandekoken: li e amei o romance A Estrangeira e me perdi com as novelas independentes que a autora escreveu sobre personagens secundários do romance, A Ama Inglesa, Um Cocheiro em Paris e, o meu favorito Fronteira da Paz. São histórias intensas e muito envolventes, dica especial para quem gosta de se perder com um nobre inglês em todos os lugares possíveis.

 

“A Estrangeira”, de Chirlei Wandekoken.

 

Julho

Em julho o livro Querida Jane Austen ganhou meu coração. Antologia organizada pela talentosa Katherine Salles, o livro é leitura obrigatória para todos os amantes de Jane Austen. Vários contos e dois artigos bem bacanas compõem o livro. Neste mês também me apaixonei pelo A Rosa e o Espinho, uma belíssima história (na verdade, duas) ambientada na maravilhosa Cornualha. A Alegria de Ensinar foi um livro que eu tive de resenhar como parte das atividades do meu Estágio Supervisionado I e eu fiquei tão encantada com as crônicas do livro, que postei a resenha aqui no blog assim que a atividade foi avaliada. Além desses, em julho também li Um Amor Inesperado, da Silvia Spadoni, e o meu favorito do Quarteto Smythe-Smith, da Julia Quinn, A Soma de Todos os Beijos.

 

Cards dos contos do livro “Querida Jane Austen”, gentilmente enviados pela autora Moira Bianchi.

 

Agosto

Dos três favoritos do mês de agosto, apenas um tem resenha já postada aqui no blog: Um Amor Apaixonado, da Silvia Spadoni. Esse livro, que eu tive o privilégio de ganhar um exemplar autografado pela autora, é o meu favorito entre os três da série amores. Se você gosta do estilo da Julia Quinn, de romances de época de aquecer o coração, precisa conhecer os livros da Silvia Spadoni!

Vozes Anoitecidas é um livro de contos do moçambicano Mia Couto, os quais ele se inspirou na tradição oral do seu país reproduzindo histórias conhecidas por lá, com um toque mágico de lirismo que conquista desde a primeira linha. Lembro do começo de um dos contos, impossível de abandonar a leitura: “de repente, o boi explodiu”. Já tenho uma lista imensa do autor para ler (e estudar também), e esse título será uma das primeiras resenhas aqui do blog para 2018. Outro título marcante a ser resenhado é A Festa de Babette, de Karen Blixen. Gostei tanto desse conto que passei uns dois ou três dias sem conseguir ler nada. Só remoendo a história de uma mulher que decide oferecer um mágico e delicioso jantar àquelas pessoas que a acolheram em sua dificuldade. Em breve conversaremos mais sobre esses livros.

 

 

Setembro

Setembro foi o mês que eu conheci um detetive super engraçado: Mort. Ed Mort. Tá escrito na capa do livro. Você lê os contos e fica com essa mania louca de falar como ele. Leitura leve, rápida e muito bem humorada, marca registrada de Luis Fernando Veríssimo.

Através, também, de parceria, li o maravilhoso A Fantástica Jornada do Escritor no Brasilde Kátia Regina Souza. Um livro para conhecer as engrenagens que envolvem o processo de escrita e reconhecer alguns erros e inseguranças em outros colegas, há mais tempo na estrada. Ótima leitura.

Destaque também para a leitura de Invisível, conto da querida Clara Taveira e para o primeiro volume dos Contos de fadas em suas versões originais, da Editora Wish, ambos sem resenha no blog. Em setembro lancei Anne na Amazon.

 

Outubro

Em outubro, fiquei boquiaberta (mais uma vez) com a qualidade do texto do Ian McEwan em Enclausurado. Um suspense inspirado em Hamlet, de Shakespeare, para ninguém botar defeito, especialmente porque, aqui, a história é narrada por um bebê que ainda não nasceu.

Outubro também foi o mês que eu descobri um dos melhores poetas brasileiros que já existiu: Manoel de Barros. Li o livro Meu quintal é maior que o mundo e fiquei tão encantada que prometi a mim mesma reler as poesias do autor pelo menos uma vez ao ano. Não tem resenha do livro aqui no blog, mas tem um texto que eu escrevi para um trabalho da faculdade (Letras, eu te amo!) com link de um documentário maravilhoso feito sobre a vida do autor. Clique aqui e confira!

Também neste mês aconteceu lá em São Paulo o lançamento das duas coletâneas literárias que participei na Andross Editora. Foi uma experiência muito bacana, que eu contei os detalhes há poucos dias aqui no blog.

 

Livro “Sem mais, o amor”, o qual participei com o conto “Querido Paulo”.

 

Novembro

Novembro eu li dois livros incríveis de duas escritoras completamente diferentes, mas igualmente maravilhosas: Olhos D’água, de Conceição Evaristo; e, Alétheia, de Soraya Coelho. Ambos livros de contos. Ambos emocionantes. A resenha de Alétheia também será postada no comecinho do ano que vem.

 

Dezembro

O mês ainda não acabou, eu sei, mas vou deixar duas recomendações de leitura que eu fiz e gostei muito, pois daqui a alguns dias eu vou ativar o modo mamãe-dona-de-casa-cozinheira e ficar só na companhia de Kurt Seyit & Shura, que talvez eu termine de ler até o dia 31 (vai rolar muita Netflix e Discovery Kids também, certeza).

De A a Z: dicas para escritores foi um livro bem legal, lançado recentemente pelo Fábio Fernandes. Ele foi leitor crítico do meu O dia em que conheci meu pai pela segunda vez e a primeira opinião profissional que eu recebi sobre o livro. O Fábio foi incrivelmente paciente e bondoso comigo. E nas dicas ele passa um pouquinho da experiência dele para pessoas que gostam e querem escrever cada vez melhor. E as dicas não se restringem apenas  à ficção, que fique claro.

Mais um da Chirlei Wandekoken para a conta: Sob os acordes dos anjos talvez (talvez!) seja o meu favorito dela deste ano de 2017. Uma história envolvente e com toques pontuais de erotismo. Li de um dia para o outro de tão viciante!

 

Dois mil e dezessete foi um ano incrível. Li muito e escrevi bastante. Fui até entrevistada no Anime Uai em Muriaé! O melhor de tudo é que através da literatura consegui estabelecer e fortalecer laços de amizade com pessoas de todo canto do Brasil (e do mundo!), além de aprender muito. Foi incrível. E 2018 também será. Até lá!

 

Euzinha participando do Anime Uai em Muriaé.

 

Ps1.: Não terminei o desafio #12mesesdePoe, embora eu tenha conseguido ler mais do autor este ano que em 2016. Para 2018, não tenho nenhum desafio em vista, nem planos mirabolantes de não comprar nenhum livro o ano inteiro (onde eu estava com a cabeça?)! Apenas, sem data limite, resolvi aderir ao Projeto Agatha Christie, do blog Randomicidades. É só clicar no banner na lateral aqui do blog para saber mais e baixar o planner que a Tábata fez para organizar a leitura dos romances da Rainha do Crime em ordem cronológica.

 

Ps2.: Para ver todos os livros que eu li em 2017, basta clicar aqui para ver a minha estante no Skoob. Aproveita e me adiciona por lá também!

março 23, 2017

[ETC.] AS MELHORES CITAÇÕES DE “LONGE DESTE INSENSATO MUNDO”, DE THOMAS HARDY

 

Pelo o que eu pude perceber desde que li Longe Deste Insensato Mundo, de Thomas Hardy, é que essa é uma história do tipo que as pessoas amam ou odeiam. A protagonista, Bathsheba Everdene, seria a responsável por sentimentos tão calorosos em torno do romance. Sendo eu do time das pessoas que amaram a história de Hardy, compartilho abaixo as melhores citações de Longe Deste Insensato Mundo, pois nem todas puderam ser postas na resenha que fiz do livro. Para ilustrar, as fotos são da adaptação cinematográfica de 2015, do diretor Thomas Vinterberg, que contou com nomes como Carey MulliganMatthias SchoenaertsMichael Sheen e Tom Sturridge no elenco.

 

Sinopse do livro: Bathsheba Everdene é espirituosa e expansiva demais para uma dama inglesa do século XIX. Antes uma simples camponesa, agora é herdeira de uma vasta propriedade rural em Weatherbury, mas seu temperamento independente e enigmático causa falatórios entre seus próprios empregados. Gabriel Oak, um fazendeiro que sofrera grandes perdas, é apaixonado por ela, mas a jovem tem outros pretendentes, o sedutor sargento Troy e o respeitável fazendeiro de meia-idade Boldwood. Ao mesmo tempo em que os destinos destes três homens dependem da escolha de Bathsheba, ela descobre as terríveis consequências do seu coração inconstante. Um romance de paixão, com descrições da vida rural e paisagens idílicas, apresenta ao leitor uma obra-prima com extrema honestidade sobre as relações sexuais.” Fonte: Pedrazul Editora.

 

ATENÇÃO: O conteúdo abaixo pode conter spoiler do livro ou filme.

 

“O guarda observou o veículo que passava.

‘É uma moça muito bonita’, disse ele a Oak.

‘Mas tem seus defeitos’, comentou Gabriel.

‘É verdade, fazendeiro.’

‘E o maior deles é – bem, o de sempre.’

Regatear? Sim, é mesmo.’

‘Ah, não.’

‘O que, então?’

Gabriel, talvez, um pouco ressentido pela indiferença da viajante, olhou para onde havia testemunhado a atuação dela pela cerca e disse:

‘Vaidade.’” (p. 10)

 

Farei uma única coisa nesta vida, uma coisa certa, que é amá-la e esperá-la, e continuar a desejá-la até morrer.” (p. 28)

Gabriel Oak, interpretado por Matthias Schoenaerts.

 

“‘Parece assustadoramente errado não aceitá-lo quando você tem tanto sentimento!’, disse ela com um pouco de angústia, olhando ao redor sem esperanças de escapar de seu dilema moral. ‘Como gostaria de não ter corrido atrás de você!’ No entanto, ela parecia encontrar um atalho para reencontrar a alegria e ajustou seu rosto para parecer brejeira. ‘Não seria possível, Mr. Oak. Quero alguém que me dome. Sou independente demais. Você nunca conseguiria, sei disso.’” (p. 29)

 

“‘Agora prestem atenção, vocês têm uma patroa em vez de um patrão. Ainda não conheço o meu poder e meus talentos para a agricultura, mas devo fazer o meu melhor e se me servirem, servirei a vocês. Se houver alguém desleal entre vocês (se houver alguém, mas espero que não) achando que por eu ser uma mulher não entendo a diferença entre mau e bom comportamento.’

‘Não, dona’, disseram todos.

‘Muitíssimo bem observado’, disse Liddy.

‘Acordarei antes de vocês; estarei nos campos antes que cheguem e tomarei o meu desjejum antes que estejam nos campos. Resumindo, surpreenderei todos vocês.’”

 (p. 68)

 

Bathsheba Everdene, interpretada por Carey Mulligan.

 

“‘Oh, o fazendeiro Boldwood’, murmurou Bathsheba e olhou para ele enquanto este ia ainda mais rápido. O fazendeiro não virou a cabeça em nenhuma vez, seus olhos estavam fixos num ponto mais distante da estrada, que passou tão inconscientemente e distraidamente como se Bathsheba e seus encantos fossem o mais diluído ar.’” 

(p. 76)

 

“‘Sofro – muito – ao pensar’, declarou ele com simplicidade solene. ‘Venho conversar com você pela primeira vez. Minha vida não me pertence mais desde que a vi, Miss Everdene. Venho para pedir-lhe em casamento.’” (p. 103)

 

Bathsheba e Mr. Boldwood, interpredado por Michael Sheen.

 

“Uma mulher pode ser tratada com a amargura que lhe é doce e com a rispidez que não lhe é ofensiva.” (p. 109)

 

“‘Gabriel, ficará aqui comigo?’, perguntou ela, sorrindo de maneira cativante, sem se preocupar em fechar os lábios, pois logo sorriria novamente.

‘Ficarei’, respondeu Gabriel.

E ela sorriu outra vez.” (p. 115)

 

Bathsheba e Gabriel Oak.

 

“‘Bathsheba amou Troy da maneira que somente as mulheres autoconfiantes amam quando abandonam sua autoconfiança. Quando uma mulher forte de forma imprudente joga fora sua força é pior do que uma mulher fraca que nunca teve força para jogar para fora. Uma fonte de sua inadequação é a novidade da ocasião. Ela nunca teve prática em fazer o melhor de tal condição. A fraqueza é duplamente fraca por ser nova.’” (p. 152)

 

“‘E os defeitos de Troy ficavam completamente distantes da visão de uma mulher, enquanto seus encantos estavam bem na superfície, contrastando assim com o humilde Oak, cujos defeitos eram evidentes a um cego e cujas virtudes eram como metais em uma mina.’” (p. 153)

 

Bathsheba e Sargento Troy, interpretado por Tom Sturridge.

 

“‘A senhora sabe que eu a amo e sempre amarei. (…) ‘Você é tudo o que há de mais importante para mim, até mais que a minha vida!’” (p. 156)

 

“Há expressões no olhar que não estão na língua e há mais contos em lábios pálidos do que entram pela audição.” (p. 163)

 

Bathsheba e Gabriel Oak.

 

“É difícil para uma mulher definir seus sentimentos na linguagem que é, principalmente, feita para os homens se expressarem.” (p. 287)

 

“‘Bathsheba’, disse ele, com ternura e com surpresa, aproximando-se: ‘se ao menos eu soubesse de uma coisa; que me permitiria amá-la e ganhá-la, e me casar com você depois de tudo… se ao menos eu soubesse disso!’

‘Mas você nunca saberá’, murmurou ela.

‘Por quê?’

‘Porque nunca pergunta.’

‘Oh… Oh!’, disse Gabriel, com uma risada baixa de alegria. ‘Minha querida…’” (p. 323)

 

Gabriel Oak e Bathsheba.

 

“Eu correria atrás de você, minha linda Bathsheba, por muitas milhas e muitos dias e é difícil me invejar essa visita.” (p. 323)

 

“Quem observava precisava estar muito próximo para descobrir que as siluetas, sob os guarda-chuvas, eram Oak e Bathsheba, de braços dados pela primeira vez em suas vidas. Oak num casaco que se estendia até os joelhos e Bathsheba com uma capa que chegava até seus tamancos. No entanto, apesar de estar vestida de uma forma tão simles, havia uma certa aparência rejuvenescida sobre ela: como se uma rosa pudesse fechar-se e voltar a ser um botão.” (p. 326)

 

Gabriel Oak e Bathsheba.

 

 

Sobre o livro:

Título: Longe Deste Insensato Mundo
Autor: Thomas Hardy
Tradução: Ellen Bussaglia
Editora: Pedrazul
Páginas: 328

 

Compre no site da Pedrazul Editora e ganhe lindos marcadores.

 

 

Veja o trailer do filme (em inglês):

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por