janeiro 30, 2019

[DIÁRIO] SOBRE FANTÁSTICOS LIVROS VOADORES E O AMOR PELA LEITURA

Sinopse: “Escritor e ilustrador, eleito uma das 100 personalidades de destaque do novo milênio pela revista Newsweek, William Joyce ganhou o Oscar 2012 pelo curta de animação The fantastic flying books of Mr. Morris Lessmore, que chega agora ao formato livro numa bem editada adaptação que mantém as ilustrações originais do filme. A obra, que alcançou o primeiro lugar na lista dos mais vendidos do The New York Times, é uma comovente declaração de amor à literatura e a seu poder transformador. “

 

Talvez eu seja um pouco desatualizada, a própria personificação do meme (injusto) do Rubinho Barrichello, mas só há pouco tempo tive conhecimento do curta-metragem “Os Fantásticos Livros Voadores do Sr. Morris Lessmore” e da posterior publicação em livro, com o título “Os fantásticos livros voadores de Modesto Máximo” (Rocco, 2012). Mas uma pérola como esta não ficará datada nunca e não importa a data que você conheça essa história pela primeira vez, desde que tenha a oportunidade de conhecê-la.

Já parou para pensar na sua relação com os livros e a literatura? O poder que os livros têm, a transformação que eles são capazes de promover em nossa vida? Toda vez que alguém me pergunta o que são os livros, o que é a literatura para mim, eu fatalmente me embolo com as palavras e não consigo expressar fielmente o que eu sinto. Eu simplesmente acredito nos livros. Tenho plena convicção de que eles mudam pessoas, e só as pessoas mudam o mundo (parafraseando Mário Quintana).

 

“Um feliz acaso, então aconteceu.

Em vez de olhar para baixo, como havia se habituado, Modesto Máximo olhou para o alto. Viajando pelo céu, bem acima dele, Modesto viu uma linda moça. Ela era levada por um festivo esquadrão de livros voadores.”

 

“A moça que voava sabia que Modesto só precisava de uma boa história. Logo, enviou para ele a que ela mais gostava. Esse livro, que era uma companhia agradável, convidou Modesto a segui-lo.”

 

Quando eu assisti “Os Fantásticos Livros Voadores do Sr. Morris Lessmore” pela primeira vez, foi como se tudo o que eu sentisse em relação aos livros finalmente tivesse sido traduzido. É uma pena que o livro esteja esgotado, consegui ler de empréstimo, mas a história é exatamente a mesma do curta-metragem, com a diferença de que no curta é você quem vai tecendo os parágrafos na sua memória a partir das imagens.

 

Sobre o curta-metragem:

“A obra, exibida no Anima Mundi 2013, foi inspirada no ator e diretor Buster Keaton, no furacão Katrina – que destruiu a cidade americana de Nova Orleans em 2005 – e no clássico O Mágico de Oz.

A partir de uma variedade de técnicas de animação (stop-motion, miniaturas, computação gráfica, animação 2D), o premiado ilustrador William Joyce nos presenteia com seu estilo híbrido. O resultado é um um delicioso e sensível uso de cores, sons, gestos e expressões.” (Fonte: Animamundi)

 

Assista no vídeo abaixo e emocione-se:

 

janeiro 17, 2019

[DIÁRIO] AS PRIMAVERAS E A CASA DE CASIMIRO DE ABREU

Sinopse: Casimiro de Abreu é o poeta do lirismo e da simplicidade. Os anseios da juventude, as saudades da infância e os compromissos com sua terra natal fazem da obra de Casimiro de Abreu, precoce e espontânea, uma das expressões mais legítimas da poesia do Romantismo brasileiro. Nostálgico, lírico e dono de uma poesia extremamente musical, o poeta carioca continua encantando e cativando leitores jovens e adultos, de ontem e de hoje. As Primaveras (1859) é o único livro do poeta publicado em vida. No prefácio desta obra, escreve: “Assim, as minhas Primaveras não passam de um ramalhete das flores próprias da estação — flores que o vento esfolhará amanhã, e que apenas valem como promessa dos frutos do outono”.

 

Iniciei o ano de 2019 da melhor forma possível: viajando! Fomos para Rio das Ostras-RJ logo no dia primeiro de janeiro e nesse dia a Olívia viu o mar pela primeira vez! Obviamente alguns livros foram comigo, guardados no fundinho da mala, mas lá acabaram ficando, pois a combinação criança-praia requer atenção redobrada. Além disso, eram nossas primeiras férias em família e eu poderia deixar as leituras para depois, certo?

No entanto, após um passeio programado pelo meu marido, aproveitei as noites pós-praia e a Olívia desmaiada de sono para conhecer a obra de um poeta que viveu bem pertinho de onde eu estava: Casimiro de Abreu (1839-1860). Não sabia muita coisa sobre ele, apenas que foi um autor da segunda geração do romantismo, que havia uma cidade no estado do Rio de Janeiro com o seu nome e que ele faleceu muito jovem, aos 21 anos.

Visitamos o museu Casa de Casimiro de Abreu e foi impossível não procurar as poesias desse escritor tão logo chegamos à pousada no final do dia. Em domínio público, li boa parte da obra dele antes de receber a edição de “As Primaveras” (Martin Claret, 2014), único livro lançado em vida por Casimiro de Abreu, primeiro livro comprado por mim neste ano de 2019.

 

“Casimiro José Marques de Abreu foi um grande representante da poesia romântica brasileira. Viveu em Portugal, onde escreveu a maior parte de suas obras, que contempla teatro e poesia, mas foi nessa última vertente artística que teve destaque. Com linguagem simples e tom ébrio, tornou-se um dos poetas mais populares da segunda geração do Romantismo nacional. ‘As Primaveras’, lançada em 1859, é sua obra de maior destaque.” (Fonte: orelha da edição Martin Claret, 2014)

 

“Flores e estrelas, murmúrios da terra e mistérios do céu, sonhos de virgem e risos de criança, tudo o que é belo e tudo o que é grande veio por seu turno debruçar-se sobre o espelho mágico da minha alma e aí estampar a sua imagem fugitiva. Se nessa coleção de imagens predomina o perfil gracioso duma virgem, facilmente se explica: era filha do céu que vinha vibrar o alaúde adormecido do pobre filho do sertão.

Rico ou pobre, contraditório ou não, este livro fez-se por si, naturalmente, sem esforço, e os cantos saíram conforme as circunstâncias e os lugares os iam despertando. Um dia a pasta, pejada de tanto papel, pedia que lhe desse um destino qualquer, e foi então que resolvi a publicação das ‘Primaveras’; depois separei muitos cantos sombrios, guardei outros que constituem o meu livro íntimo e, no fim de mudanças infinitas e caprichosas, pude ver o volume completo e o entrego hoje sem receios e pretensões.

(…)

Assim, as minhas ‘Primaveras’ não passam dum ramalhete de flores próprias da estação, flores que o vento esfolhará amanhã, e que apenas valem como promessa dos frutos do outono.” (Introdução de Casimiro de Abreu para a primeira edição, em 1859)

 

Embora eu seja leitora assídua de romances clássicos, confesso que tinha um pouco de resistência em relação à poesia de escritores mais antigos. Alguns poetas (de algumas escolas literárias) têm versos um pouco complicados, que exigem o uso de dicionário, e tem um nível de rebuscamento distante dos nossos dias. Com Casimiro de Abreu o leitor não tem esse problema! Seus versos são simples e, embora escritos no século XIX, ainda são muito próximos e podem ser lidos com facilidade pelo leitor do século XXI. A edição da Martin Claret, além da capa linda e delicada, vem com suporte pedagógico e prefácio de Jean Pierra Chauvin, que enriquecem bastante a leitura.

 

“Oh! que saudades que tenho

Da autora da minha vida,

Da minha infância querida

Que os anos não trazem mais!

Que amor, que sonhos, que flores,

Naquelas tardes fagueiras

À sombra das bananeiras,

Debaixo dos laranjais! (…)” (Retirado de “Meus Oito Anos”, p. 44)

 

Foi um ótimo passeio, como pode ser visto nas fotos abaixo. Não pagamos entrada e fomos muito bem recebidos pelos funcionários do museu que não se importaram muito com as bagunças da Olívia. Se você estiver passando pelo distrito de Barra de São João-RJ, dê uma paradinha e visite esse museu. Ah, também recomendamos a capela de São João Batista, na mesma cidade. Vale muito a pena!

 

Detalhe da entrada do museu Casa de Casimiro de Abreu, em Barra de São João-RJ.

 

Detalhe de uma das salas do museu Casa de Casimiro de Abreu.

 

Retrato do escritor Casimiro de Abreu.

 

Coroa de bronze que esteve no túmulo do autor. Certamente foi retirada do cemitério para previnir que fosse roubada.

 

Pombas de bronze que estavam no túmulo do autor. Certamente foram retiradas para previnir que fossem roubadas.

 

Pombas em argila que estavam no túmulo do autor. Certamente foram retiradas para previnir que fossem roubadas.

 

Placa comemorativa com uma mensagem de Carlos Drummond de Andrade para Casimiro de Abreu: “Casimiro é patrimônio emocional do país. Vamos acarinhá-lo na lembrança”.

 

Primeiras edições de “As Primaveras”, único livro lançado em vida pelo autor, com ajuda financeira de seu pai.

 

“Camões e o Jau”, peça teatral escrita por Casimiro de Abreu.

 

Minha filha Olívia “interagindo” com uma das peças do museu Casa de Casimiro de Abreu…

 

Vista da janela lateral do museu. Um encanto!

 

Na Casa de Casimiro de Abreu estão expostas algumas peças que eu não tenho certeza se tem mesmo relação com o escritor (e não tivemos tempo para perguntar, pois o museu estava quase fechando quando chegamos). Mesmo assim, são objetos bastante interessantes como o carro da foto acima.

 

Foto dos fundos da Casa de Casimiro de Abreu. A vista é lindíssima, como pode ser visto na foto a seguir.

 

Vista dos fundos do museu Casa de Casimiro de Abreu.

 

Meu marido Anderson, responsável pelo passeio, e a nossa filha Olívia.

 

Olívia encantada com a estátua de Casimiro de Abreu ainda jovem, na lateral do museu.

 

Por fim, esta blogueira que vos fala e Casimiro de Abreu, imortalizado nessa escultura ao lado de sua casa.

 

 

dezembro 20, 2018

[DIÁRIO] NESTE NATAL (E EM TODAS AS DATAS) DÊ LIVROS DE PRESENTE!

Ilustração da Samanta Flôor

 

Eu sempre fecho o ano com um resumo das minhas melhores leituras como uma sugestão para a sua lista de leitura do ano seguinte. Neste fim de ano, no entanto, vou fazer um pouco diferente: além de sugerir algumas das minhas melhores leituras do ano para você, vou sugerir editoras e uma lista de ótimas opções para ler em e-book na Amazon, especialmente de livros que integram o Kindle Unlimited (a Netflix dos livros, para quem ainda não conhece). Tudo isso com um intuito simples, fazer com que você possa criar não só o hábito de ler mais, mas também de dar livros de presente! Não vou falar sobre a crise no mercado editorial, das milhares de livrarias que fecharam nos últimos tempos, porque além da questão de mercado e má administração que envolve o assunto, não podemos esquecer ou negar que o Brasil está longe de ser um país de leitores. Ainda somos poucos, mas com um pouco de empenho em incentivar a leitura, dia após dia, podemos reverter esse quadro. Livros precisam ser vendidos, comprados, mas principalmente, precisam ser lidos.

 

Livros impressos (ou não) que eu li e me apaixonei em 2018

Kurt Seyit e Shura, de Nermin Bezmen

Capitu vem para o jantar, da Denise Godinho

Amor & Orgulho, de Georges Ohnet

Mary Poppins, de P. L. Travers

O Maravilhoso Malabarista de Porcelana, de Juliana Scatolin

A Língua de Eulália, de Marcos Bagno (Aqui eu faço um alerta: esse livro além de maravilhoso é muito necessário, pois fala de um assunto ainda pouco discutido nas salas de aula, a sociolinguística. Sabe aquela pessoa que adora rir de quem “fala errado”? Esse livro é um ótimo presente para ela!)

Tempo de Migrar para o Norte, de Tayeb Salih

Sonetos de Amor, de Luís de Camões

A Leitora Incomum, de Virginia Woolf

Senhora, de José de Alencar (uma releitura que fiz em 2018 e só confirmou o que eu já sabia: esse livro sempre vai fazer meu coração disparar de amor e ansiedade!)

Poemas Escolhidos, de Mia Couto

100 dicas para amar o seu corpo (como ele é!), da Thati Machado

Entre Irmãs, da Frances de Pontes Peebles

Sobre a imortalidade de Rui de Leão, de Machado de Assis

As Últimas Testemunhas: Crianças na Segunda Guerra Mundial, de Svetlana Aleksiévitch

Poesia que transforma, do Bráulio Bessa (ótimo presente até para quem não tem hábito de leitura!)

Lazarillo de Tormes, de autoria desconhecida (tem pdf para ler aqui no blog).

Tente Outra Vez, do Fabiano Jucá

O que toca o coração, da Silvia Spadoni

Meu livro violeta, de Ian McEwan

Meninos sem pátria, do Luiz Puntel

Nada, de Carmen Laforet

A Casa da Alegria, de Edith Wharton

Adulta sim, madura nem sempre: fraldas, boletos e pouco colágeno, de Camila Fremder

Livro das donas e donzelasde Júlia Lopes de Almeida.

 

Livro “A Leitora Incomum”, de Virginia Woolf, na edição super caprichada da Editora Arte e Letra: capa dura de pano!

 

 

*** Algumas leituras que ainda estou fazendo, mas entram fácil na lista de ótimas leituras de 2018:

Coral e outros poemas, de Sophia de Mello Breyner Andresen

O retorno de Mary Poppins, de P. L. Travers

Úrsula e outras obras, de Maria Firmina dos Reis (tem pdf para ler aqui no blog)

Dois dedos de prosa: o cotidiano carioca por Julia Lopes de Almeida, organizado por Angela di Stasio, Anna Faedrich e Marcus Venicio Ribeiro.

Cinco imprestáveis e um velho rabugento, da Clara Caraciolo.

 

 

Editoras médias/pequenas para levar em consideração

Todo mundo conhece editoras como Companhia das Letras, Sextante, Record, pois são grandes grupos empresariais com um marketing que as coloca em todos os espaços possíveis. São ótimas editoras, com um catálogo maravilhoso, mas que tal dar uma olhada em editoras menores, que suam muito a camisa para oferecer literatura de qualidade, ótimas fontes de entretenimento, tudo isso com preço acessível? Abra um espaço na sua lista de leitura (e compre direto no site das editoras, quando possível) para a Pedrazul Editora, que publica com qualidade muitos clássicos da literatura (sobretudo inglesa) íneditos em português. A Pedrazul está publicando os romances da série canadense Anne de Green Gables, além de abrir espaço para autoras contemporâneas do gênero de romance de época. Falando em romance de época, a Portal Editora publicou muitos autores contemporâneos que começaram a carreira de forma independente. Os livros são de muita qualidade e com preço bastante acessível. A Qualis Editora também aposta muito nos autores nacionais, vale a pena dar uma olhada no catálogo dela. No formato digital, a Dame Blanche publica fantasia da melhor qualidade, e todos os e-books da editora são vendidos a menos que um cafezinho. A Plutão também tem bons títulos nessa linha. A nossa editora parceira mais recente, a EDUFF – Editora da Universidade Federal Fluminense tem livros a partir de cinco reais!

 

Eu apaixonada pelo livro “O que toca o coração”, da Silvia Spadoni, publicado pela Qualis Editora.

 

 

Já pensou em entrar para um clube do livro?

Em 2018 voltei a ser assinante da TAG Experiências Literárias e agora não largo por nada nessa vida! Adoro o clube Curadoria, tenho feito leituras extremamente importantes e fora da minha zona de conforto. A TAG tem duas opções de assinatura: a Curadoria, que entrega todo mês um livro em edição exclusiva indicado por um curador, marcador de páginas do livro, uma revista que amplia a experiência de leitura, e um mimo surpresa; e o Inéditos, que todo mês envia um livro que já é best-seller  no exterior, mas ainda não foi lançado no Brasil, e um pôster com infográfico sobre o livro. Além disso tudo, em várias cidades do Brasil assinantes se reúnem para discutir o livro do mês! Esses encontros são marcados pelo aplicativo da TAG, que também proporciona uma maior interação entre os assinantes, além dos grupos no facebook. Saiba mais sobre o clube clicando aqui!

 

Um dos melhores (e mais perturbadores) livros que eu li na vida, “As últimas testemunhas”, foi enviado pela TAG Curadoria em julho/2018.

 

Já pensou em ser assinante do Kindle Unlimited?

Eu fico roxa de nervoso (raiva mesmo) quando vejo alguém dizer que o Unlimited não vale a pena, porque só tem livro Hot (soa até como ofensa para os fãs do tema, eu sei). A verdade é que o programa Kindle Unlimited tem de tudo. TUDO MESMO! Eu tenho uma listinha de indicações com vários livros ótimos se você quiser indicações (atualizo constantemente) e posso te garantir: se você procurar vai achar Hot, romance de época, fantasia, humor, crônica, poesia, conto, romance contemporâneo, clássicos da literatura em ótimas edições (sim, tem livro da Editora Zahar no Kindle Unlimited!) e um montão de coisa boa! Eu assinei inicialmente para ler autores independentes, mas agora leio de tudo e mais um pouco! Para quem não conhece, o Kindle Unlimited é “a Netflix dos livros”, como eu disse lá em cima: por um valor mensal (R$ 19,90 mas tem várias promoções de um ou três meses grátis — sempre compartilho nas redes sociais, fique de olho) você tem acesso a milhares de e-books para ler no ser celular, tablet, computador (nessa opção nem precisa de aplicativo, dá para ler no navegador mesmo) ou no dispositivo de leitura da Amazon, o maravilhoso e incrível Kindle (maravilhoso e incrível porque quando você experimenta, não quer saber de ler e-book em outro lugar). Feita a assinatura, você pega os e-books emprestado, com o limite de ficar com dez de cada vez. Quem empresta, autor independente ou editora, recebe por cada página lida. Experimente clicando aqui. 

 

Uma ótima leitura que fiz nesse ano, “Tente Outra Vez”, do Fabiano Jucá, está no Kindle Unlimited.

 

 

Sabia que tem muita coisa para ler (legalmente) de graça via internet?

Aqui eu falo novamente da Amazon: todo dia tem um monte de e-book de graça para baixar por lá, de forma legal e sem comprometer o trabalho de ninguém! Eu mesma deixo ocasionalmente os meus e-books para serem baixados gratuitamente na Amazon. Apesar de algumas pessoas serem contra a gratuidade, essa é uma ótima troca, pois o leitor tem acesso a um conteúdo que nem sempre pode (ou quer no momento) pagar e o autor tem uma divulgação massiva da sua obra por algum tempo. Além disso, existem revistas como a Mafagafo e a Trasgo, que oferecem conteúdo de ótima qualidade com o custo de um único compartilhamento no facebook, por exemplo. Apesar de não ter de abrir a carteira e contar as moedinhas, lendo e compartilhando conteúdos desse tipo você ajuda muito quem escreve e publica.

 

***

 

Quero agradecer a todos que acompanharam as minhas leituras (e divagações) neste ano de 2018! Fechamos o ano com o blog tendo um bom número de visualizações, de forma constante e de vários países, estou publicando o meu primeiro livro impresso (com ISBN e tudo!), e recebi convites para participar de palestras e feiras literárias em Muriaé-MG e região. É um sonho que tem se realizado graças a você, que está lendo esse post agora mesmo. Muito obrigada, boas festas e até 2019!

 

Encerramento da I FELIMUR (Feira Literária de Muriaé), com o meu marido Anderson, nossa filha Olívia e muitos amigos que vivem entre os livros. Esse foi apenas um dos vários momentos especiais que a literatura me proporcionou em 2018.

 

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por