junho 14, 2019

[DIÁRIO] Cultura negra – v. 2 – Trajetórias e lutas de intelectuais negros

Abrangente recorte temporal e espacial, com 27 estudos que conferem visibilidade às vozes “esquecidas” e às trajetórias políticas silenciadas, revelando as múltiplas experiências socioculturais de homens e mulheres negros em seus dilemas, desafios, alegrias e dissabores cotidianos.

Em dois volumes, mostra formas variadas de viver, denunciar e enfrentar a opressão e as desigualdades raciais e de forjar laços de pertencimento e identidades ou estratégias para afirmar direitos e ampliar a cidadania antes e, sobretudo, após a abolição da escravidão. Obra que atende à reivindicação dos movimentos sociais negros do Brasil em prol do direito à memória, à história, à preservação e à valorização de seus bens culturais produzidos no contexto da diáspora.

Desde a lei 10.639, de 2003, que obriga o ensino de História e Cultura Afro-Brasileira, acompanha-se a revisão nos currículos escolares da valorização da história de luta dos negros no país. “Cultura negra” contribui com subsídios aos que desejam trabalhar com o tema na história e na escola. Oferece caminhos por meio de festas, carnavais, músicas, perfomances, patrimônios e trajetórias de artistas e intelectuais negros para se pensar cultura(s) negra(s) como arena de conflitos e transformação de relações de dominação, como canal de combate ao racismo e fortalecimento das identidades.

Por muitos anos estudiosos acionaram a ideia de cultura popular referindo-se às manifestações culturais e folclóricas que constituiriam a nacionalidade brasileira, quase sempre associando-a à valorização da miscigenação e à afirmação da democracia racial.

Para os autores, essas narrativas trazem armadilhas e efeitos nefastos, principalmente na negação do racismo e à invisibilização do protagonismo de pessoas negras na formação do Brasil. Este livro vai em sentido oposto: desvincula-se da ideia de cultura popular e assume a de cultura negra, como conceito dinâmico e inscrito nas práticas e experiências plurais de seus personagens.

No primeiro volume, a festa negra emerge em expressões que transformam, no tempo presente, a memória do cativeiro e a canção escrava em espetáculo, patrimônio cultural, local de conflito, de luta e afirmação da negritude.

No segundo volume, contribuindo de forma inovadora para a abertura de novos campos de investigação, as atenções são dirigidas para sujeitos sociais que, na prática, criaram novos sentidos de cultura e festas negras. Homens e mulheres, em geral esquecidos até pouco tempo, demonstram, por suas trajetórias e ação intelectual, como o campo cultural está repleto de iniciativas de combate ao racismo e de contraposições às relações de dominação, reconstruídas no pós-Abolição. Sob a ação desses sujeitos, definidos como intelectuais, os campos musical, teatral e educacional tornam-se importantes canais de afirmação de direitos e discussão das identidades negras. Mais ainda contribuem para o entendimento de uma outra história do Brasil republicano e suas lutas pela cidadania.

 

 

A Eduff me presenteou com os dois volumes da coletânea de artigos Cultura Negra, um importante apanhado histórico para que possamos repensar e atualizar as nossas leituras e também, no caso dos professores, a forma de ensinar história do Brasil,  especificamente no que concerne à valorização da luta e da cultura afro-brasileira. Falei sobre o primeiro volume com mais detalhes em outra postagem, confira clicando aqui!  Como eu já disse anteriormente e não é demais repetir, apesar da lei 10.639/2003 e dos resultados que estamos tendo com as ações afirmativas, que contribuíram para o ingresso de um contingente maior de negros nas universidades brasileiras, muito do que se reproduz no dia a dia das escolas sobre o negro no Brasil continua restrito à escravidão e/ou à abolição. Tudo o mais fica esquecido, injustamente. Mesmo no dia da consciência negra, uma data que deveria fomentar discussões sobre a cultura negra e ampliar os horizontes sobre essa temática, vemos reproduzidos os mesmos discursos sobre escravidão e abolição, ignorando o protagonismo e a luta dos negros ao longo dos séculos no nosso país.

O volume 2 centra-se nas lutas dos intelectuais negros e é dividido em 3 partes:

No segundo volume, contribuindo de forma inovadora para a abertura de novos campos de investigação, as atenções são dirigidas para sujeitos sociais que, na prática, criaram novos sentidos de cultura e festas negras. Homens e mulheres, em geral esquecidos até pouco tempo, demonstram, por suas trajetórias e ação intelectual, como o campo cultural está repleto de iniciativas de combate ao racismo e de contraposições às relações de dominação, reconstruídas no pós-Abolição. Sob a ação destes sujeitos, definidos como intelectuais, os campos musical, teatral e educacional tornam-se importantes canais de afirmação de direitos e discussão das identidades negras. Mais ainda, contribuem para o entendimento de uma outra história do Brasil republicano e suas lutas pela cidadania.

Na Parte I, Entre músicas e festas negras, os textos de Manuela Areias Costa, Rodrigo de Azevedo Weimer, Caroline Moreira Vieira, Silvia Brügger, Gabriela Busccio e Alexandre Reis reconstituem trajetórias de intelectuais que registraram no campo musical suas histórias, memórias e lutas políticas.

Na Parte II, Política negra no teatro, os textos de Rebeca Natacha de Oliveira Pinto, Júlio Cláudio da Silva e Maria do Carmo Gregório demonstram de forma contundente o quanto o teatro, território hegemonicamente branco, se tornou palco para o combate ao racismo através da valorização de atrizes e atores negros e sua cultura escrita.

Na Parte III, Lideranças negras e mobilização racial, tomamos conhecimento da trajetória de três homens negros que, através da atuação em associações civis, imprensa e produção acadêmica, conferiram visibilidade à mobilização racial e à afirmação de direitos, nos artigos de Luara dos Santos Silva, Eric Brasil e Ana Carolina Carvalho de Almeida Nascimento.

 

Cultura Negra: Volumes 1 e 2.

 

Sobre os organizadores

Robério S. Souza – Professor titular de História do Brasil da Universidade do Estado da Bahia.

Martha Abreu – Professora do Instituto de História da Universidade Federal Fluminense. Autora de diversos trabalhos sobre cultura negra, patrimônio cultural e pós-abolição.

Giovana Xavier – Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro, blogueira, coordenadora do Grupo Intelectuais Negras.

Eric Brasil – Professor da Unilab. Autor de “A Corte em festa: experiências negras em carnavais do Rio de Janeiro (1879-1888)”. Pesquisa experiências negras em perspectiva transacional.

Livia Monteiro – Professora no Centro Universitário Celso Lisboa. Autora de tese sobre as festas de Congada em Minas Gerais. Produtora e roteirista do documentário “Dos grilhões aos guizos: festa de maio e as narrativas do passado”.

 

Cultura negra – v. 2 – Trajetórias e lutas de intelectuais negros
Série Pesquisas, v. 6b
Autores: Martha Abreu, Giovana Xavier, Lívia Monteiro e Eric Brasil (Orgs.)
Páginas: 356
Formato: 14 x 21 cm
ISBN: 978-85-228-1313-1
Ano de publicação: 2018
Idioma: Português

 

Leia o sumário e a apresentação clicando aqui.

Compre o livro clicando aqui.

Veja também: Cultura negra – v. 1 – Festas, carnavais e patrimônios negros.

junho 10, 2019

[ETC.] GRANDES PERSONAGENS FEMININAS DA LITERATURA BRASILEIRA: EPISÓDIO CAPITU

Baixe agora, inteiramente grátis, o primeiro e-book da nova série do Hiperliteratura!

Durante o mês de junho, semanalmente, o Hiperliteratura distribuirá, inteiramente grátis, a série grandes personagens femininos da literatura brasileira, composta por 4 e-books exclusivos, contendo os perfis de 4 das principais protagonistas da nossa literatura. No primeiro volume, você desvendará os enigmas de Capitu.

 

Já baixei o meu, clique aqui e baixe você também!

 

junho 06, 2019

[RESENHA] A METAMORFOSE, DE FRANZ KAFKA

Sinopse: Um dos maiores clássicos da literatura mundial, agora em nova tradução do alemão e com mais de 90 ilustrações do artista Lourenço Mutarelli.

Quando Gregor Samsa, certa manhã, acordou de sonhos intranquilos, tudo mudou. Não só em sua vida, mas no mundo.

Ao se encontrar metamorfoseado em um inseto monstruoso, Gregor acompanha as reações de sua família ao perceberem o estranho ser em que ele se tornou. E, enquanto luta para se manter vivo e entender a sua nova realidade, reflete sobre o comportamento de seus pais, de sua irmã e de seu chefe, e de forma ainda mais angustiante, pensa na própria vida até então.

Essa pequena novela, lançada em 1915, revolucionou a literatura e as artes. De forma agressiva, acessível e inovadora, tornou-se um dos mais importantes e difundidos textos da história.

Além de tradução inédita feita por Petê Rissatti, essa nova edição traz 93 ilustrações exclusivas, por meio das quais o artista e escritor Lourenço Mutarelli interpreta o processo de transformação de Gregor. Inclui-se, por fim, um ensaio de Flavio Ricardo Vassoler, doutor em literatura comparada, sobre a contemporaneidade de Franz Kafka.”

 

A primeira vez que eu li A Metamorfose foi em 2015 (obrigada pela lembrança, Skoob!) por indicação do meu marido. Quando ele pega um livro na estante, olha nos meus olhos e diz “você PRECISA ler esse livro” geralmente eu leio de imediato, porque sei que vou gostar. E foi exatamente isso que aconteceu com esse livro.

Kafka é um autor que a gente já conhece mesmo antes de ler, por sua forte influência na cultura, coisa natural dos livros clássicos. Mas esse autor, sobretudo esse livro, é uma narrativa que você não pode passar pela vida sem conhecer por si próprio, da fonte original. A Metamorfose é um livro poderoso, que mexe com a cabeça da gente. Não por acaso a Antofágica o escolheu para iniciar os seus trabalhos editoriais.

 

Sobre clássicos e suas influências na cultura, veja/ouça a música Uma Barata chamada Kafka, dos Inimigos do Rei:

 

Veja também, As influências de Kafka na cultura pop, do canal da Antofágica:

 

Imagine um homem que, certo dia, ao despertar de sonhos intranquilos vê-se transformado em algo diferente, algo inexplicável: um inseto monstruoso! A partir daí, as relações dele com o trabalho e a família sofrem profundas mudanças e Gregor Samsa — o metamorfoseado — precisa lidar com elas. Não vou dizer muito mais do que essa premissa da novela porque essa é uma leitura que você faz tranquilamente em um dia, ou dois.

A minha experiência de releitura, agora na edição da Antofágica, foi tão prazerosa quanto a primeira vez. A diferença se dá — além de alguns quilômetros de rodagem na minha bagagem de leitura — no prazer de uma edição muito bem preparada, lindamente ilustrada e traduzida diretamente da língua original, o alemão. Além disso, A Metamorfose tem textos de apoio do tradutor Petê Rissati e do ilustrador, Lourenço Mutarelli; apresentação de Otávio Albuquerque e um ensaio de Flavio Ricardo Vassoler, doutor em literatura comparada.

Cada leitor interpreta A Metamorfose a seu modo, dependendo do momento e de suas experiências. Para mim, tanto antes quanto agora, essa história é como uma fábula sobre rejeição. Sobre o incômodo de ser quem se é, ou se transforma, e não pertencer ou se adequar ao espaço familiar. Kafka, com este livro, incomoda porque ou estamos na pele de Gregor Samsa, ou podemos fatalmente nos reconhecer em um dos membros de sua família. Lourenço Mutarelli diz algo nesse sentido sobre o livro e indica o texto O parasita da família, de Modesto Carone, que analisa a metamorfose em Kafka como algo singular, perturbador em relação a outras narrativas em que existem transformações, pois com Gregor o caso é irreversível.

A Metamorfose, de Franz Kafka, publicado pela Editora Antofógica, é uma das melhores edições dessa novela (perturbadoramente humana) que você encontra atualmente no mercado brasileiro de livros clássicos. Vale a pena acompanhar o trabalho dessa jovem editora que já chegou fazendo muito barulho, com um belíssimo trabalho.

 

 

 

 

 

 

Título: A Metamorfose

Autor: Franz Kafka

Tradução: Petê Rissati

Ilustrações: Lourenço Mutarelli

Editora: Antofágica

Páginas: 232

Compre na Amazon: A Metamorfose

 

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por