maio 24, 2019

[DIÁRIO] OS MELHORES CONTOS DE FADAS NÓRDICOS: EDIÇÃO DE COLECIONADOR DA EDITORA WISH

Sinopse: Contos de fadas antigos e raros que vieram diretamente dos países Nórdicos

Cultura, tradições e criaturas traduzidas dos livros antigos, em uma edição linda com 320 páginas e histórias ilustradas!

Entre dezenas de livros encantadores do passado, datando dos séculos XVII e XVIII, foram selecionados os melhores contos de fadas Nórdicos, que descobrem a cultura da Dinamarca, Suécia, Noruega, Islândia e Finlândia. Com mais de dez autores diferentes como Peter Asbjørnsen, Jørgen Moe, Klara Stroebe, Hans Christian Andersen, Parker Fillmore, Svend Grundtvig, Mrs. Angus W. Hall, Marie Timme, G. Djurklou, Helena Nyblom, Anna Wahlenberg e Helge Kjellin.”

 

Outro dia mesmo eu postei aqui várias fotos do livro Contos de Fadas em suas versões originais, da Editora Wish. Como eu disse antes, essas histórias parecem já ter nascido junto com a gente, dentro da nossa cabeça, muito disso por estarmos expostos a essas narrativas e às variações delas desde a infância. Com os contos de fadas nórdicos a coisa já muda um pouco de figura, pelo menos no meu caso. Não conheço muita coisa além do que já li pelo Neil Gaiman, com seu livro Mitologia Nórdica. Mas conto de fada é conto de fada, para quem gosta é sempre uma viagem interessante ao passado, onde a literatura já tinha força antes mesmo da palavra impressa no papel, por meio da tradição oral. É muito bom poder conhecer outra cultura por meio de suas antigas histórias em uma edição tão caprichada como esta da Wish! Veja o livro em detalhes nas fotos abaixo:

 

 

 

 

 

 

 

Veja abaixo a lista de contos dessa edição:

Populares

A Leste do Sol e Oeste da Lua
Per Gynt (originou música homônima)
Por que o mar é salgado
A noiva da Floresta
Kari Capa Dura (versão nórdica de Cinderella)
A Criança Trocada
O Rei Dragão
O Castelo de Soria Moria
A giganta e o barco de granito
O gato em Dovrefjell
Poderoso Mikko
Rei Valemon, o Urso Branco

Raros

A flor da Islândia
Lindaura e o velho Rei
Lasse, meu vassalo! (Semelhante a Aladdin)
O anel
A noiva galhuda
O homem de neve
Heiemo e o Nokk
A saga do alce e da Princesa Tuvstarr
Perconauta e os Trolls
O monte élfico
O vizinho subterrâneo
Tempestade mágica
A última morada dos gigantes

 

 

 

 

 

Contos de Fadas em Versões Originais e Contos de Fadas Nórdicos, ambos da editora Wish.

 

Lombadas!

 

 

Compre a edição de colecionador do livro “Os melhores contos de fadas nórdicos” clicando aqui!

Para comprar os dois livros de uma só vez com um precinho mais camarada, clique aqui!

Acompanhe as novidades da editora Wish pelo Facebook e Instagram.

maio 24, 2019

[RESENHA] OS FILHOS DO PÔR-DO-SOL (AS ESTAÇÕES, LIVRO 3) DE ANNA FAGUNDES MARTINO

Sinopse: “Em 1947, Éamonn Delaney se vê em uma posição complicada. Ele herdou uma residência com fama de assombrada e está cuidando sozinho de um grupo de ex-prisioneiros de guerra traumatizados. Para conseguir dar conta de tudo, Éamonn apela para as forças do Outro Lado, que salvaram sua vida anos antes. No entanto, a batalha também causou muitos danos aos misteriosos jardineiros que auxiliam Éamonn, e talvez magia e plantas não sejam suficientes para consertar todos os problemas…”

 

ATENÇÃO: A resenha abaixo pode conter spoilers dos dois livros anteriores desta série. Mas não muito, prometo!

Leia a resenha de A Casa de Vidro (As Estações, Livro I)

Leia a resenha de Um Berço de Heras (As Estações, Livro II)

 

Eu tinha alguns meses de blog quando li A Casa de Vidro, primeiro livro da série As Estações, da escritora e editora Anna Fagundes Martino. Lembro-me bem, até hoje, passados quase três anos dessa publicação, o quão fascinada eu fiquei pela escrita suave da Anna e também por aquele universo que eu não entendi tão bem logo de cara, confesso, mas, ao mesmo tempo, fez sentido para mim, me encantou completamente. No ano seguinte, Um berço de heras, a continuação dA Casa de vidro, furou a fila e foi lido logo no lançamento. Deixou saudades no final, com a promessa de que voltaria com Os filhos do pôr-do-sol, com lançamento previsto para o dia 25 de maio, mas que eu tive o prazer e o privilégio de ler antecipadamente, com a cortesia da autora.

Os filhos do pôr-do-sol, assim como os livros anteriores, é uma leitura delicada, perfeita para ser feita em uma única sentada. Digo isso porque é impossível largar o e-book até ler a última linha. Um capítulo vai puxando o outro e o outro até terminar.

O livro começa com o que seria o presente (em 1982) da propriedade Amaranthe Hall com sua casa de vidro. Uma famosa escritora, Marjorie Claire, teria se inspirado no local e escrito uma série de livros de fantasia, adaptados com sucesso pela BBC. São histórias sobre plantas e seres de outro mundo, um tipo bem particular de fadas que fazem crescer flores de onde menos se possa imaginar. Os lindos jardins de Amaranthe Hall, inspiração para esses livros, antes foi residência de Eleanor, depois de Mark e também de Stella, além de lar refúgio para Éamonn Delaney, seus filhos e vários sobreviventes dos conflitos da Segunda Guerra Mundial.

Voltando ao passado, em 1947, vemos que Amaranthe Hall torna-se uma casa de repouso para ex-combatentes atormentados pelos horrores nos campos de batalha. Éamonn Dalaney é o responsável pelo lugar, tendo como ajudantes seus filhos Stíofan e Seaghán, seres híbridos, como a mãe deles, Stella. Além deles, temos duas outras personagens que movimentam bastante a trama: Millie e Margaret. A primeira, uma jovem simples, mas bastante encantada pelo mundo das plantas e aberta ao inexplicável. Já Margaret, é uma noviça profundamente conhecedora das leis de Deus e se surpreende com as pessoas e todas aquelas flores que ela encontra no peculiar sanatório.

 

“A casa era dominada por flores de todos os tipos: em vasos de cristal e de porcelana em cada uma das salas, em canteiros especiais pendurados nas janelas e em todo e qualquer espaço arável do lado de fora. Onde antes havia plantações de batatas, cenouras ou beterrabas para alimentar o esforço de guerra, agora nasciam, aparentemente sem esforço, rosas e cravos, margaridas e papoulas, crisântemos e narcisos em tons que não se encontravam em floriculturas, ou em nenhum outro jardim naquele cruel fim de inverno. Não havia muita organização nos canteiros, apenas cor: onde houvesse espaço, cresciam plantas.”

 

“Meu avô dizia que as pessoas por aqui tinham regras demais. — Seaghán se afastou um pouco do vaso, pensativo. — Quão pouco mudou, apesar de tudo.”

 

Sem dar muito mais revelações do enredo, Os filhos do pôr-do-sol é uma novela emocionante sobre um período histórico sempre doloroso de tratar, o pós-guerra e seus efeitos, mas sem o peso e o horror que encontramos em livros com essa temática. Aqui o foco são as pessoas e as maravilhas que podem ser criadas por elas ou a partir delas. Na verdade, essa série mostra com muita sensibilidade como as pessoas podem se reconstruir através do amor, da entrega e da cumplicidade. As fadas e as plantas, além de todas as flores que a gente tenta imaginar, são o toque especial que o gênero de fantasia tem para levar brilho aos nossos olhos. Foi o toque que a Anna encontrou para nos cativar com os seu universo botânico que se despede agora com esse livro. Queria não falar novamente em saudade, já que nós sempre podemos reler os livros. Mas eu estaria mentindo ou omitindo esse sentimento, pois leria com prazer ainda sobre uma infinidade de descendentes de Eleanor e Sebastian, híbridos de feéricos e humanos.

 

“Os jardins de Amaranthe Hall pareciam tanto com um paraíso terreno que ele precisou se sentar para recuperar o fôlego.

— Como isso aconteceu? — O funcionário olhou para Éamonn.

— Magia. — O jardineiro deu de ombros. — Magia e amor.

O funcionário franziu a testa, achando que estava lidando com mais um irlandês metido a poeta. Éamonn, porém, olhou para seus filhos e piscou um olho. Ele tinha dito a verdade. Uma pena que ninguém acreditaria.”

 

 

 

Título: Os filhos do pôr-do-sol (As Estações, Livro 3)

Autora: Anna Fagundes Martino

Editora: Dame Blanche

Páginas: 86

Compre na Amazon: Os filhos do pôr-do-sol (As Estações, Livro 3)

maio 22, 2019

[RESENHA] UM BERÇO DE HERAS (AS ESTAÇÕES, LIVRO II), DE ANNA FAGUNDES MARTINO

Sinopse: “Belfast, 1924. Um homem acusado de assassinato põe um presídio inteiro em pânico: como é possível que nasçam flores e plantas de dentro de uma fria cela de concreto? Na tentativa de investigar o caso, um capitão do Exército vai se deparar com um mundo desconhecido – e com fantasmas que ele desejava ter esquecido.”

 

Por razões diversas, apesar de ter lido logo no lançamento — e gostado muito de — Um berço de heras, segundo livro da série As Estações, de Anna Fagundes Martino, publicado pela Dame Blanche, acabei não fazendo resenha desta noveleta. MAS, como nunca é tarde para indicar uma boa leitura, e com o lançamento do terceiro e último livro da série, Os filhos do pôr-do-sol, resolvi reler A Casa de Vidro e Um berço de heras, para relembrar os detalhes das histórias e matar as saudades dos personagens. O primeiro livro já tem resenha por aqui, então seguem abaixo as minhas impressões sobre o livro dois da série As Estações.

Um berço de heras é uma leitura deliciosa, é importante dizer logo de cara. Consegue ser um livro ainda melhor que o primeiro, pois já estamos habituados aos personagens e ao universo botânico dos seres feéricos criados pela Anna. É como ler uma fábula com toques de poesia e romance, uma narrativa que prende até leitores não habituados aos livros de fantasia.

O ano é 1914, e um oficial da Guarda Irlandesa chamado Éamonn Delaney ressuscita de forma bastante estranha — se é que existe uma forma comum de ressuscitar, — assustando a todos que presenciaram o fato em Mons, na Bélgica. Simplesmente, como quem acorda depois de algumas horas de sono, Éamonn foi encontrado sentado em seu caixão, seus olhos arregalados e sem foco, segurando o rosário de contas verdes que haviam colocado nas mãos dele. Um fato tão incomum quanto este, obviamente, logo espalhou-se como um milagre, além de boatos sobre a santidade de Delaney.

Dez anos depois, Stella, que nós conhecemos no primeiro livro, fica extremamente preocupada com uma notícia que vê no jornal: o ex-oficial da Guarda Irlandesa Éamonn Delaney, preso acusado pelo assassinato de um policial e conhecido pela alcunha de Jardineiro de Crumlin Gaol, está envolvido em mais um caso de mistério e magia. Sem explicação alguma, o presídio foi invadido por ramos de heras e flores de vários tipos, como uma floresta selvagem — e linda — que pouco a pouco vai tomando conta de todo lugar.

 

“Era o equivalente a um jardim botânico transferido para dentro de um armário de vassouras. O carcereiro se persignou outra vez, mãos trêmulas; Nigel Hastings deu um passo para trás, tão pálido que Mark quase ergueu o braço para apoiá-lo. O perfume vindo da cela derrubaria uma pessoa mais fraca: era mais forte que dez estufas, do que mil florestas.”

 

Mesmo um humano que tivesse tido contato com os seres do outro mundo não seria capaz de tal coisa, com tanta intensidade. Mas, como nem sempre os caminhos seguem linha reta — na verdade, nunca seguem, — fatos e personagens se misturam como se fossem, verdadeiramente, um emaranhado de heras. Uma ótima leitura!

 

“Sua gente sentia-se atraída pelo que lhe faltava e os humanos, por sua vez, se atraíam pelo que havia de sobra neles.”

 

 

 

Título: Um berço de heras (As Estações, livro 2)

Autora: Anna Fagundes Martino

Editora: Dame Blanche

Páginas: 84

Compre na Amazon (disponível para assinantes Kindle Unlimited): Um berço de heras.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por