dezembro 20, 2018

[DIÁRIO] NESTE NATAL (E EM TODAS AS DATAS) DÊ LIVROS DE PRESENTE!

Ilustração da Samanta Flôor

 

Eu sempre fecho o ano com um resumo das minhas melhores leituras como uma sugestão para a sua lista de leitura do ano seguinte. Neste fim de ano, no entanto, vou fazer um pouco diferente: além de sugerir algumas das minhas melhores leituras do ano para você, vou sugerir editoras e uma lista de ótimas opções para ler em e-book na Amazon, especialmente de livros que integram o Kindle Unlimited (a Netflix dos livros, para quem ainda não conhece). Tudo isso com um intuito simples, fazer com que você possa criar não só o hábito de ler mais, mas também de dar livros de presente! Não vou falar sobre a crise no mercado editorial, das milhares de livrarias que fecharam nos últimos tempos, porque além da questão de mercado e má administração que envolve o assunto, não podemos esquecer ou negar que o Brasil está longe de ser um país de leitores. Ainda somos poucos, mas com um pouco de empenho em incentivar a leitura, dia após dia, podemos reverter esse quadro. Livros precisam ser vendidos, comprados, mas principalmente, precisam ser lidos.

 

Livros impressos (ou não) que eu li e me apaixonei em 2018

Kurt Seyit e Shura, de Nermin Bezmen

Capitu vem para o jantar, da Denise Godinho

Amor & Orgulho, de Georges Ohnet

Mary Poppins, de P. L. Travers

O Maravilhoso Malabarista de Porcelana, de Juliana Scatolin

A Língua de Eulália, de Marcos Bagno (Aqui eu faço um alerta: esse livro além de maravilhoso é muito necessário, pois fala de um assunto ainda pouco discutido nas salas de aula, a sociolinguística. Sabe aquela pessoa que adora rir de quem “fala errado”? Esse livro é um ótimo presente para ela!)

Tempo de Migrar para o Norte, de Tayeb Salih

Sonetos de Amor, de Luís de Camões

A Leitora Incomum, de Virginia Woolf

Senhora, de José de Alencar (uma releitura que fiz em 2018 e só confirmou o que eu já sabia: esse livro sempre vai fazer meu coração disparar de amor e ansiedade!)

Poemas Escolhidos, de Mia Couto

100 dicas para amar o seu corpo (como ele é!), da Thati Machado

Entre Irmãs, da Frances de Pontes Peebles

Sobre a imortalidade de Rui de Leão, de Machado de Assis

As Últimas Testemunhas: Crianças na Segunda Guerra Mundial, de Svetlana Aleksiévitch

Poesia que transforma, do Bráulio Bessa (ótimo presente até para quem não tem hábito de leitura!)

Lazarillo de Tormes, de autoria desconhecida (tem pdf para ler aqui no blog).

Tente Outra Vez, do Fabiano Jucá

O que toca o coração, da Silvia Spadoni

Meu livro violeta, de Ian McEwan

Meninos sem pátria, do Luiz Puntel

Nada, de Carmen Laforet

A Casa da Alegria, de Edith Wharton

Adulta sim, madura nem sempre: fraldas, boletos e pouco colágeno, de Camila Fremder

Livro das donas e donzelasde Júlia Lopes de Almeida.

 

Livro “A Leitora Incomum”, de Virginia Woolf, na edição super caprichada da Editora Arte e Letra: capa dura de pano!

 

 

*** Algumas leituras que ainda estou fazendo, mas entram fácil na lista de ótimas leituras de 2018:

Coral e outros poemas, de Sophia de Mello Breyner Andresen

O retorno de Mary Poppins, de P. L. Travers

Úrsula e outras obras, de Maria Firmina dos Reis (tem pdf para ler aqui no blog)

Dois dedos de prosa: o cotidiano carioca por Julia Lopes de Almeida, organizado por Angela di Stasio, Anna Faedrich e Marcus Venicio Ribeiro.

Cinco imprestáveis e um velho rabugento, da Clara Caraciolo.

 

 

Editoras médias/pequenas para levar em consideração

Todo mundo conhece editoras como Companhia das Letras, Sextante, Record, pois são grandes grupos empresariais com um marketing que as coloca em todos os espaços possíveis. São ótimas editoras, com um catálogo maravilhoso, mas que tal dar uma olhada em editoras menores, que suam muito a camisa para oferecer literatura de qualidade, ótimas fontes de entretenimento, tudo isso com preço acessível? Abra um espaço na sua lista de leitura (e compre direto no site das editoras, quando possível) para a Pedrazul Editora, que publica com qualidade muitos clássicos da literatura (sobretudo inglesa) íneditos em português. A Pedrazul está publicando os romances da série canadense Anne de Green Gables, além de abrir espaço para autoras contemporâneas do gênero de romance de época. Falando em romance de época, a Portal Editora publicou muitos autores contemporâneos que começaram a carreira de forma independente. Os livros são de muita qualidade e com preço bastante acessível. A Qualis Editora também aposta muito nos autores nacionais, vale a pena dar uma olhada no catálogo dela. No formato digital, a Dame Blanche publica fantasia da melhor qualidade, e todos os e-books da editora são vendidos a menos que um cafezinho. A Plutão também tem bons títulos nessa linha. A nossa editora parceira mais recente, a EDUFF – Editora da Universidade Federal Fluminense tem livros a partir de cinco reais!

 

Eu apaixonada pelo livro “O que toca o coração”, da Silvia Spadoni, publicado pela Qualis Editora.

 

 

Já pensou em entrar para um clube do livro?

Em 2018 voltei a ser assinante da TAG Experiências Literárias e agora não largo por nada nessa vida! Adoro o clube Curadoria, tenho feito leituras extremamente importantes e fora da minha zona de conforto. A TAG tem duas opções de assinatura: a Curadoria, que entrega todo mês um livro em edição exclusiva indicado por um curador, marcador de páginas do livro, uma revista que amplia a experiência de leitura, e um mimo surpresa; e o Inéditos, que todo mês envia um livro que já é best-seller  no exterior, mas ainda não foi lançado no Brasil, e um pôster com infográfico sobre o livro. Além disso tudo, em várias cidades do Brasil assinantes se reúnem para discutir o livro do mês! Esses encontros são marcados pelo aplicativo da TAG, que também proporciona uma maior interação entre os assinantes, além dos grupos no facebook. Saiba mais sobre o clube clicando aqui!

 

Um dos melhores (e mais perturbadores) livros que eu li na vida, “As últimas testemunhas”, foi enviado pela TAG Curadoria em julho/2018.

 

Já pensou em ser assinante do Kindle Unlimited?

Eu fico roxa de nervoso (raiva mesmo) quando vejo alguém dizer que o Unlimited não vale a pena, porque só tem livro Hot (soa até como ofensa para os fãs do tema, eu sei). A verdade é que o programa Kindle Unlimited tem de tudo. TUDO MESMO! Eu tenho uma listinha de indicações com vários livros ótimos se você quiser indicações (atualizo constantemente) e posso te garantir: se você procurar vai achar Hot, romance de época, fantasia, humor, crônica, poesia, conto, romance contemporâneo, clássicos da literatura em ótimas edições (sim, tem livro da Editora Zahar no Kindle Unlimited!) e um montão de coisa boa! Eu assinei inicialmente para ler autores independentes, mas agora leio de tudo e mais um pouco! Para quem não conhece, o Kindle Unlimited é “a Netflix dos livros”, como eu disse lá em cima: por um valor mensal (R$ 19,90 mas tem várias promoções de um ou três meses grátis — sempre compartilho nas redes sociais, fique de olho) você tem acesso a milhares de e-books para ler no ser celular, tablet, computador (nessa opção nem precisa de aplicativo, dá para ler no navegador mesmo) ou no dispositivo de leitura da Amazon, o maravilhoso e incrível Kindle (maravilhoso e incrível porque quando você experimenta, não quer saber de ler e-book em outro lugar). Feita a assinatura, você pega os e-books emprestado, com o limite de ficar com dez de cada vez. Quem empresta, autor independente ou editora, recebe por cada página lida. Experimente clicando aqui. 

 

Uma ótima leitura que fiz nesse ano, “Tente Outra Vez”, do Fabiano Jucá, está no Kindle Unlimited.

 

 

Sabia que tem muita coisa para ler (legalmente) de graça via internet?

Aqui eu falo novamente da Amazon: todo dia tem um monte de e-book de graça para baixar por lá, de forma legal e sem comprometer o trabalho de ninguém! Eu mesma deixo ocasionalmente os meus e-books para serem baixados gratuitamente na Amazon. Apesar de algumas pessoas serem contra a gratuidade, essa é uma ótima troca, pois o leitor tem acesso a um conteúdo que nem sempre pode (ou quer no momento) pagar e o autor tem uma divulgação massiva da sua obra por algum tempo. Além disso, existem revistas como a Mafagafo e a Trasgo, que oferecem conteúdo de ótima qualidade com o custo de um único compartilhamento no facebook, por exemplo. Apesar de não ter de abrir a carteira e contar as moedinhas, lendo e compartilhando conteúdos desse tipo você ajuda muito quem escreve e publica.

 

***

 

Quero agradecer a todos que acompanharam as minhas leituras (e divagações) neste ano de 2018! Fechamos o ano com o blog tendo um bom número de visualizações, de forma constante e de vários países, estou publicando o meu primeiro livro impresso (com ISBN e tudo!), e recebi convites para participar de palestras e feiras literárias em Muriaé-MG e região. É um sonho que tem se realizado graças a você, que está lendo esse post agora mesmo. Muito obrigada, boas festas e até 2019!

 

Encerramento da I FELIMUR (Feira Literária de Muriaé), com o meu marido Anderson, nossa filha Olívia e muitos amigos que vivem entre os livros. Esse foi apenas um dos vários momentos especiais que a literatura me proporcionou em 2018.

 

outubro 05, 2018

[RESENHA] TENTE OUTRA VEZ, DE FABIANO JUCÁ

Sinopse: “E se uma música fosse a chave de comunicação entre dois mundos? Um convite para esta obra de gênero híbrido entre a ficção científica, o espiritual e o drama.

Tente Outra Vez é sobre a brevidade da vida. Sobre como a vida é breve e bela. Bela em sua brevidade e breve em sua beleza. Não espere por dias melhores. Faça de hoje o seu melhor dia.
Tente Outra Vez é sobre a aceitação do inevitável, é sobre a superação da dor. É sobre, principalmente, o amor. Sobre o amor e sobre amar. Ame incondicionalmente.

Uma história surpreendente. Uma grande reviravolta. Uma jornada de autoconhecimento e superação. Solomon, às voltas com problemas no casamento, se vê, em dado momento, num mundo onde sua esposa e sua filha… nunca existiram. É nesse ponto que começa sua batalha, com a ajuda de um velho tagarela e risonho chamado Amit, que mais atrapalha que ajuda.

Tente Outra Vez é nome de uma música de Raul Seixas, e a letra dela dá o tom da luta de Solomon.

Venha se encantar e se apaixonar por uma história verdadeiramente de amor!”

 

QUE. LIVRO. INCRÍVEL. Eu sei que essa é uma forma bastante estranha para se começar uma resenha, mas cá entre nós, minha intenção aqui é, quase sempre, fazer com que você parta o quanto antes para a leitura e não perca muito tempo comigo (é sério!). Tente Outra Vez, do escritor paranaense Fabiano Jucá foi uma das melhores leituras que eu fiz neste ano. É um livro curto, com uma trama muito envolvente e um enredo diferente. O leitor logo percebe que está diante de uma ótima ideia e que ela foi muito bem desenvolvida.

Solomon é uma pessoa que em determinado momento da vida sente-se cansado. A rotina, nós pobres mortais que somos casados e batemos ponto diariamente sabemos muito bem, pode ser bem estressante. Certo dia, em uma viagem com sua esposa e filha, ele estaciona o carro em uma lanchonete de beira de estrada para dar uma pausa após algum tempo de rusga com a esposa e sente uma coisa estranha, uma fraqueza. Passado o mal estar, qual não é a surpresa de Solomon ao perceber que sua família havia sumido! Não havia rastro da esposa ou da filha, sequer uma prova que elas realmente existiam.

A partir desse susto, Solomon embarca em uma jornada de autoconhecimento e nós viajamos com ele, afinal, temos dois pés para cruzar a ponte. Prepare-se para ter a voz de Raul Seixas ecoando em sua mente ao longo da leitura — e também depois dela — pois Tente Outra Vez (a música) é muito marcante nesta novela.

 

 

Tente Outra Vez é uma obra híbrida que une o melhor de todos os temas a que se propõe: é ficção científica, mas é acessível; é espiritual, mas não é doutrinadora; e é drama, mas tem pitadas muito assertivas de humor. Particularmente, incluiria também o gênero filosófico. Em dado momento percebi que a história de Solomon conversa muito com o livro Ei! Tem Alguém Aí?, de Jostein Gaarder. Aliás, Tente Outra Vez transmite tantas lições, de forma tão despretensiosa, que Gaarder ficaria confuso se pudesse ler um livro que parece dele, mas foi lindamente escrito por um brasileiro.

“O que é a loucura afinal? Viver coisas que não existiram é loucura? Os loucos realmente existem? Perceba: o mundo é feito de perguntas, muito mais que de respostas. Para cada resposta, podemos formular um número infinito de perguntas. Será mesmo que você quer respostas?”

 

Com a leitura, tive reforçada a convicção de que o amor é o que temos de mais belo e importante na vida e de que todo dia é dia de respirar fundo e pensar alguns segundos antes de ter uma discussão banal com alguém, pois cada minuto conta e pode ser definitivo. Temos mais facilidade para falar algo que magoa do que simplesmente fazer um elogio ou dizer um “eu te amo”, já percebeu?

Cada página de Tente Outra Vez foi uma descoberta. Garanto que vai ser assim quando você embarcar na estrada com Solomon.

 

“Cometemos muitos erros, o tempo todo. Não estamos livres. Não crescemos sem errar. E quem vive em função de não errar, já erra exatamente aí, pela covardia e omissão diante da vida.”

 

 

*** Não posso falar de Amit (ver sinopse) sem dar spoilers significativos sobre a obra. Mas estou sempre disponível nos inbox da vida para comentar algo que precisa ficar de fora da resenha pelo bem da sua leitura e do meu pescoço.

 

 

Título: Tente Outra Vez

Autor: Fabiano Jucá

Editora: Independente

Páginas: 113

Compre na Amazon (gratuito para assinantes Kindle Unlimited): Tente Outra Vez.

Disponível em formato físico para compra direto com o autor.

março 09, 2018

[RESENHA] ALÉTHEIA, DE SORAYA COELHO

Sinopse: “Quantas histórias cabem em um dia? O mendigo choroso segurando um fitilho vermelho. Irmãos malabaristas tirando seu troco no semáforo. Uma senhora dolorosamente comum sentada ao seu lado no metrô, repetindo um tique no cantinho dos lábios. Coisas fantásticas cabem na normalidade das nossas 24 horas. Eis aí uma Alétheia.”

 

Leia também: Duas histórias de Soraya Coelho para ler ainda hoje.

 

Primeiramente Fora Temer, vamos ao significado de Alétheia:

Alétheia (em grego antigo: λήθεια, «verdade», no sentido de desvelamento: de a-, negação; e lethe, «esquecimento»), para os antigos gregos, designava a verdade e a realidade, simultaneamente.

Em Sein und ZeitMartin Heidegger retomou o termo para definir a tentativa de compreensão da verdade. Realizou uma análise etimológica do termo a-letheia, atribuindo-lhe a significação de «desvelamento». Portanto, para Heidegger, alethéia é distinta do conceito comum de “verdade” – esta considerada como um estado descritivo objetivo.

Alétheia (em grego Ἀλήθεια), era uma Daemon que personificava a verdade, a honestidade e a sinceridade. Seus Daemones opostos eram Dolos, a trapaça, Apate, o engano, e Pseudea, a mentira, sua equivalente na mitologia romana era Veritas. Segundo uma fábula de Esopo foi criada por Prometeu em sua forja, com a ajuda de seu servo Dolos, a artimanha e as más artes:

“Dolus (trapaça) foi um dos aprendizes do astuto Prometheus, o Titan artífice. Quando este pretendia criar Veritas (Alétheia) para que regesse o comportamento dos homens, uma chamada de Iuppiter lhe obrigou a ausentar-se. Deixou Dolus custodiando a inacabada obra e este, inflamado de ambição, aproveitou a saída de seu mestre para fazer com suas próprias mãos uma figura exata em aparência a que estava fazendo Prometheus. Só lhe faltava terminar os pés quando ficou sem argila, e quando regressou com ela, encontrou o Titan que já havia regressado e, se divertindo pela semelhança das estátuas, havia metido as duas no forno para que terminasse de fazê-las, apesar de que a feita por Dolus não tinha pés. Uma vez terminada a obra lhes insuflou vida, e é por isso que Veritas (Alétheia), a verdade, caminhava graciosamente enquanto sua irmã gêmea, Mendacium (Pseudos), a mentira, segue seus passos cambaleando e quase sem sustentar-se. Por isso se diz que ainda que uma empresa feita com mentiras pareça começar com bom pé, no entanto sempre prevalecerá a verdade.”– Esopo, Fábula 530.

 

Fontes: Wikipedia: Alétheia e Wikipédia: Alétheia (Mitologia).

 

Alétheia foi um dos melhores livros que eu li em 2017. Em uma época a qual eu estava com o tempo curto para embarcar em leituras mais longas, fui surpreendida por dois livros de contos que me marcaram profundamente: este, de Soraya Coelho e Olhos D’água, de Conceição Evaristo.

Em Alétheia temos, de forma geral, uma antologia de verdades. Sobre o mundo, sobre a nossa própria vida. Verdades mesmo. É daqueles livros que você lê e, quando termina, volta e lê mais um pouquinho. É desconfortável se reconhecer em alguns pontos das histórias, mas ao mesmo tempo, é reconfortante saber que não estamos sozinhos.

A antologia é formada por dez contos, alguns bem curtinhos, mas com a qualidade de serem “precisos como uma picada de agulha”, como diria o escritor Dalton Trevisan. São todos muito bons, mas metade deles, na minha opinião, são ótimos. Lição de casa, Trabalho, João e Maria, Diante do espelho (que eu quase confundi com um dos contos de Conceição Evaristo ao fazer a resenha de Olhos D’água) e Peito queimado, são sensíveis e de impacto ao mesmo tempo. Acredito que quem não tenha lido nada de Soraya Coelho até hoje vai se render ao talento da autora só de ler esses contos.

 

“Existe uma diferença básica entre palpitar e pulsar. (…)

Palpitar sugere a possibilidade de nada ser feito. (…)

Já pulsar é impetuoso. Zune como uma lâmina de uma espada ou como uma flecha cortando o ar. Acerta o alvo. Faz o seu trabalho. O coração das mocinhas palpita, mas os das velhas senhoras pulsa.”

 

Alétheia tem prefácio de Jana Bianchi e é um livro que, absolutamente, faz o coração do leitor pulsar. Se eu fosse você, leria o quanto antes.

 

 

P.s.: Desculpem-me por não falar tintim por tintim sobre cada um dos contos. Quero que vocês recebam a picada sem muito aviso prévio. Acreditem: se eu contar demais, vou estragar a experiência de leitura de vocês e esse nunca foi o meu objetivo por aqui.

 

 

Título: Alétheia
Autora: Soraya Coelho
Editora: Publicação Independente
Páginas: 49

Compre na Amazon (disponível para assinantes Kindle Unlimited): Alétheia.

12

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por