janeiro 12, 2018

[RESENHA] VIDAS MUITO BOAS, DE J. K. ROWLING

Sinopse: “Como podemos aproveitar o fracasso?” “Como podemos usar nossa imaginação para melhorar a nós e os outros?”. J.K. Rowling responde essas e outras perguntas provocadoras em Vidas muito boas, versão em livro do famoso discurso de paraninfa da autora da série Harry Potter na Universidade de Harvard, que chega às livrarias brasileiras no dia 7 de outubro. Baseado em histórias de seus próprios anos como estudante universitária, a autora mundialmente famosa aborda algumas das mais importantes questões da vida com perspicácia, seriedade e força emocional. Um texto cheio de valor para os fãs da escritora e surpreendente para todos que buscam palavras inspiradoras.

 

Eu sempre digo que não gosto muito de livros de autoajuda. E não gosto mesmo. Mas antes de fazer essa afirmação categórica, passei anos lendo livros que visavam transformar a minha vida assim que eu terminasse de ler a última palavra e fechasse o volume. Desde casos reais que me colocariam no caminho da riqueza, até fábulas que me fariam bem sucedida. Alguns deles, indicados no curso de Administração que eu larguei faltando pouco menos que metade dos créditos para colocar as mãos em um fabuloso diploma que, eu percebi no decorrer do curso, não me levaria ao lugar que eu sonho para o meu futuro.  No geral, livros de autoajuda ajudam mesmo ao autor e as editoras, que efetivamente ganham com as inúmeras reimpressões desses livros. Muitos títulos não trazem uma mensagem consistente, apenas o pare o que está fazendo e faça o que eu digo.

Em Vidas Muito Boas, J. K. Rowling segue na contramão desses livros, e por isso a edição lindinha da editora Rocco torna-se um presente (ou um alerta) para ler ocasionalmente. O texto é, na verdade, o discurso para os formandos do ano de 2008 da Universidade de Harvard, e já foi amplamente divulgado na internet.

Talvez você esteja se perguntando por que uma pessoa que não gosta de livros de autoajuda comprou um livro justamente de autoajuda que já foi amplamente divulgado na internet. Compra compulsiva? Edição bonitinha? Para simplesmente escrever esse texto? A resposta é um pouco de tudo isso, e mais: palavras como essas de Vidas Muito Boas são necessárias em nossa vida, eventualmente. São para ouvir, ler, falar e também presentear. Aqui não temos fórmulas mágicas para amar, enriquecer ou ser o CEO magnífico top das galáxias. J. K. Rowling fala sobre suas experiências de fracasso e de como tudo o que ela passou refletiu e ainda reflete em sua vida. Não a toa que o subtítulo do livro é As vantagens do fracasso e a importância da imaginação. Ela não ensina a tirar leite de pedra, mas mostra que, se for necessário, nós conseguimos.

Recomendo muito a leitura desse discurso. Você pode começar a se inspirar assistindo ao vídeo abaixo. Particularmente, acredito que o destino do meu exemplar de Vidas Muito Boas será o mesmo que os vários que eu comprei de Faça Boa Arte, de Neil Gaiman: presentear pessoas especiais a fim de que elas lembrem, de tempos em tempos, que está tudo bem cair e levantar de vez em quando. O importante é não esquecer que podemos sempre erguer a cabeça e ir em frente.

 

 

“Existe um prazo de validade para culpar os pais por guiarem vocês para o lado errado; no momento em que vocês têm idade para assumir o controle, a responsabilidade é sua.” (p. 20)

 

 

Título: Vidas Muito Boas

Autora: J. K. Rowling

Tradução: Ryta Vinagre

Editora: Rocco

Páginas: 80

Compre na Amazon: Vidas Muito Boas

 

Inspire-se agora mesmo com o discurso de J. K. Rowling em Harvard (legendado em português):

setembro 20, 2017

[RESENHA] A FANTÁSTICA JORNADA DO ESCRITOR NO BRASIL, DE KÁTIA REGINA SOUZA

Sinopse: “A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil é resultado de entrevistas com 52 escritores de literatura fantástica brasileiros dispostos a compartilhar conselhos, dicas, dores e conquistas. Mais do que isso, Kátia Regina Souza, jornalista e escritora, soube reunir as entrevistas em um texto leve, divertido e prático.

Embora foque na literatura fantástica, aborda de forma franca e clara questões palpitantes do mercado editorial como um todo, como a dificuldade de encontrar uma editora, a publicação independente, as armadilhas a que o autor iniciante está sujeito, as desilusões e as pequenas conquistas, tornando-se um livro fundamental para quem deseja ser escritor ou está começando na carreira.” 

 

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil é um livro-reportagem de Kátia Regina Souza, publicado neste ano pela editora Metamorfose. Nele, encontramos um rico panorama sobre a atividade (remunerada ou não) de escritor no Brasil, sobretudo do gênero fantasia.

Conheci a autora, e este seu mais recente lançamento, pelo facebook da também escritora Jana Bianchi, que assina o prefácio do livro. De cara fiquei interessada, apesar de no momento ter pensado que o livro seria mais um manual sobre como ser um escritor de sucesso. Descobri com a leitura que eu estava bastante enganada sobre a publicação e A Jornada tornou-se, para mim e, acredito que se tornará para todos aqueles que o lerem, um livro de referência sobre a realidade nem sempre glamourosa do escritor no Brasil.

Como eu disse anteriormente, esse livro não é um manual. Ao contrário de outras obras do tipo, a Kátia e seus entrevistados não falam em momento algum que você vai publicar uma história qualquer hoje e daqui a um ano já estará milionário e vivendo só com os direitos autorais. Não há empreendedorismo gourmet na jornada do escritor. Há muito amor, dedicação, vontade de contar boas histórias, assim como também há muita frustração, investimentos financeiros sem retorno e gente disposta a lucrar aproveitando-se do sonho alheio.

A Jornada é um livro incrível porque é atual e realista. A autora conseguiu reunir muitas histórias em uma quantidade até pequena de páginas, tendo em vista que foram 52 entrevistados. Além disso, as entrevistas são todas bem amarradas, divididas em dez capítulos temáticos que abordam desde a escrita em si aos desafios da publicação por editora (tradicional ou paga) ou independente.

O livro é de leitura fácil e prazerosa, dá para ler quase em uma única sentada. Os assuntos são interessantes e os entrevistados não ficam atrás: a autora buscou depoimentos de quem fez e ainda faz, de quem edita e também trabalha em várias etapas do refinamento de um texto.

Agradeço, como blogueira, a oportunidade de ler esse livro já em seu lançamento, presente da autora. E como pretensa contadora de histórias, agradeço pela publicação, por suas dicas preciosas e por me mostrar que eu não estou mesmo sozinha nessa jornada.

 

Obs.: A insegurança que o escritor tem em seu ofício é tão grande que eu, ao me inscrever para parceria com a autora, já “entrei derrotada”, achando que não era boa o suficiente ou grande o suficiente. E “A Jornada” fala exatamente disso. E muito mais.

 

Autores, editores e pesquisadores entrevistados:

Ana Cristina Rodrigues • Ana Lúcia Merege • André C. S. Santos • André Vianco • Anna Fagundes Martino • Artur Vecchi • Bárbara Morais • Becca Mackenzie • Camila Fernandes • Camila Guerra • Carlos Orsi • Heidi Gisele (Celly) Borges • Cesar Silva • Christopher Kastensmidt • Cirilo Lemos • Clara Madrigano • Claudia Dugim • Clinton Davisson • Cristina Lasaitis • Duda Falcão • Eduardo Kasse • Eduardo Spohr • Eric M. Souza • Eric Novello • Erick Sama • Fábio M. Barreto • Felipe Castilho • FML Pepper • Gianpaolo Celli • Giulia Moon • Helena Gomes • Jana P. Bianchi • Jim Anotsu • Ju Lund • Karen Alvares • Lauro Kociuba • Marcella Rossetti • Marcelo Amado • Marcus Barcelos • Martha Argel • Nikelen Witter • Peterson Rodrigues • R. F. Lucchetti • Regina Drummond • Richard Diegues • Roberta Spindler • Roberto de Sousa Causo • Rodrigo van Kampen • Rosana Rios • Simone O. Marques • Simone Saueressig • Thais Lopes

 

SOBRE A AUTORA: Kátia Regina Souza é jornalista, revisora, tradutora e, há alguns anos, tenta ser escritora também. Gosta de contar boas histórias, sejam elas ficcionais ou não. Portanto, escreve livros-reportagem para adultos e literatura fantástica para crianças. A fantástica Jornada do Escritor no Brasil foi motivado por uma vontade específica: “mostrar para você, escritor iniciante ou inexperiente, que outra pessoa no mundo sofre com os mesmos dilemas egocêntricos provenientes da tentativa de colocar palavras em uma folha em branco”. Mais informações sobre a autora podem ser encontradas em seu site, katiareginasouza.com.

 

 

Título: A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil
Autora: Kátia Regina Souza
Editora: Metamorfose
Páginas: 178

 

Compre o livro no site da autora, no site da Editora Metamorfose, ou na Amazon.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2018 • powered by WordPressDesenvolvido por