junho 16, 2017

[RESENHA] MITOLOGIA NÓRDICA, DE NEIL GAIMAN

Sinopse: “Quem, além de Neil Gaiman, poderia se tornar cúmplice dos deuses e usar de sua habilidade com as palavras para recontar as histórias dos mitos nórdicos? Fãs e leitores sabem que a mitologia nórdica sempre teve grande influência na obra do autor. Depois de servirem de inspiração para clássicos como Deuses americanos e Sandman, Gaiman agora investiga o universo dos mitos nórdicos. Em Mitologia nórdica, ele vai até a fonte dos mitos para criar sua própria versão, com o inconfundível estilo sagaz e inteligente que permeia toda a sua obra.

Fascinado por essa mitologia desde a infância, o autor compôs uma coletânea de quinze contos que começa com a narração da origem do mundo e mostra a relação conturbada entre deuses, gigantes e anões, indo até o Ragnarök, o assustador cenário do apocalipse que vai levar ao fim no mundo. Às vezes intensos e sombrios, outras vezes divertidos e heroicos, os contos retratam tempos longínquos em que os feitos dos deuses eram contados ao redor da fogueira em noites frias e estreladas.

Mitologia nórdica é o livro perfeito para quem quer descobrir mais sobre a mitologia escandinava e também para aqueles que desejam desvelar novas facetas dessas histórias.”

 

Não sou uma grande conhecedora de mitologia nórdica, mas tenho verdadeira fascinação pela história das religiões mundo afora e de como elas procuravam explicar os fenômenos da natureza e sempre moldaram o comportamento da sociedade. Para os já revelados segredos do universo temos a ciência, mas para entender a sociedade e perceber como as religiões se entrelaçam nada melhor do que ler uma boa história. Neste caso, quinze delas.

Em Mitologia Nórdica, Neil Gaiman resgata as histórias da tradição oral do povo nórdico, em pequenos contos, com sua tradicional habilidade narrativa e seus textos de linguagem acessível, que prendem o leitor até a última página. Para os leigos, é uma ótima oportunidade de conhecer a mitologia nórdica, desde o princípio até o destino final dos deuses, o Ragnarök.

Não tenho a menor vergonha em dizer que passei o livro inteiro com as imagens de Anthony Hopkins (Odin), Chris Hemsworth (Thor) e Tom Hiddleston (Loki) na minha mente. Só consegui imaginar os outros personagens que eu não conhecia, pois o único contato que tive com os mitos nórdicos foram breves passagens em alguns dos livros que li do Jostein Gaarder.

 

 

“Loki era bonito e tinha plena consciência disso. Todos queriam gostar dele, acreditar em sua conversa, mas o melhor que se podia dizer a seu respeito é que ele era irresponsável e autocentrado, e o pior, que era perverso e maligno.” (p. 89)

Tom Hiddleston como “Loki” (Marvel Studios).

 

 

“Thor sempre tomava as mesmas atitudes quando algo dava errado. A primeira era se perguntar se era culpa de Loki. Thor pensou. Achava que nem mesmo Loki ousaria roubar o seu martelo. Então fez o que sempre fazia quando alguma coisa dava errado e a primeira ideia não era a solução: foi se aconselhar com Loki.” (p. 106)

Chris Hemsworth como “Thor” (Marvel Studios).

 

 

Reiterando o que o mestre Gaiman disse no vídeo acima, um dos pontos fortes dos deuses nórdicos é o caráter falho que eles têm. Eles erram, são trapaceiros, nem sempre se dão bem naquilo que querem. Sabem ser amorosos e vingativos na mesma medida. Divertem e fazem pensar. Mitologia Nórdica, como já dito, é uma leitura que pode ser a porta de entrada para estudos mais aprofundados sobre o assunto, se assim o leitor desejar. Do contrário, é uma ótima fonte de entretenimento.

 

“Desde aquele tempo, sabemos que todos aqueles capazes de fazer magia com as palavras, de compor poemas e narrativas épicas, de tecer histórias, provaram do hidromel da poesia.

(…)

Eis o último detalhe, e é uma confissão vergonhosa. Quando o Pai de Todos, em sua forma de águia, estava quase chegando aos barris, com Suttung logo atrás, Odin expeliu um pouco do hidromel pelo traseiro, soltando um peido molhado que jorrou hidromel fedorento bem no rosto de Suttung, cegando o gigante e tirando-o de seu encalço.

Ninguém, nem naquela época nem agora, quis beber o hidromel que saiu do traseiro de Odin. Mas sempre que você ouvir poetas ruins declamando sua péssima poesia, cheios de sorrisos tolos e rimas feias, vai saber que hidromel eles provaram.” (p. 147)

 

 

Título: Mitologia Nórdica
Autor: Neil Gaiman
Tradução: Edmundo Barreiros
Páginas: 288
Editora: Intrínseca

 

 

Leia um trecho em PDF, clicando aqui.

 

Compre na Amazon: Mitologia Nórdica.

 

 

junho 13, 2017

[ETC.] DUAS HISTÓRIAS DE SORAYA COELHO PARA LER AINDA HOJE

Sinopse: “Não acreditar em Fadas é como não acreditar em histórias. E sempre que uma Fada morre, morre com ela uma Canção.”

 

Canções: A Diáspora das Fadas foi a primeira publicação de Soraya Coelho e participou do concurso Brasil em Prosa (2015) da Amazon. Aqui, temos o confronto final entre um general e a rainha das fadas. Armas, canções mágicas e muita sensibilidade. Pura prosa poética!

 

“Tão certo quanto a passagem das estações.”

 

Compre na Amazon (Grátis no Kindle Unlimited): Canções: A Diáspora das Fadas.

 

Sinopse: “Só há um caminho a seguir: pela estrada de tijolos vermelhos. E ao final dela, sempre aguardando, está Alice. Se você está diante dela, acredite, está prestes a receber seu julgamento.”

 

Alice No Fim do Mundo: Um Conto Sobre a Eternidade foi na verdade a minha primeira leitura da autora. A Jana Bianchi, autora de Sombras Lobo de Rua compartilhou a postagem da Soraya Coelho em que ela disponibilizava por alguns dias esse conto gratuitamente na Amazon. Baixei, li e me apaixonei pela história e pela escrita da Soraya! Alice certamente é uma das minhas melhores leituras de 2017! Novamente com sua prosa poética, a autora faz a eternidade parecer tão linda que a vontade que fica depois da leitura, além de ter mais páginas para ler, é de poder viver em um universo criado por ela.

 

Compre na Amazon (Grátis no Kindle Unlimited): Alice no Fim do Mundo: Um Conto Sobre a Eternidade.

 

SOBRE A AUTORA: Soraya Coelho escreve para os sites Leitor Cabuloso e Indievisível, além do próprio espaço, o Literatividade. Para seguir no Twitter: @soraya_coelho.

 

Minha recomendação para hoje é essa: pare agora o que está fazendo e leia essas histórias. Serão minutos valiosos no seu dia.

 

 

abril 24, 2017

[ETC.] CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO DE CONTOS: ANDROSS EDITORA

 

Se você tem um conto bacana, mas está escondendo-o no fundo da gaveta, com medo ou sem saber como publicar, a Andross Editora ainda está com edital aberto para publicação em suas antologias até o dia 30/04/2017  31/05/2017 (prorrogado)! No site da editora você encontra maiores informações e os temas das antologias. Os autores selecionados concorrerão a um prêmio literário, o Strix! Na imagem abaixo vocês podem conferir as capas dos livros, que serão publicados no segundo semestre deste ano, e logo abaixo transcrevi do site da editora uma espécie de passo a passo da publicação, para os escritores que nunca publicaram com a Andross ou qualquer outra casa editorial, saberem como funciona o processo desde a seleção do conto até a confecção do livro.

 

 

Como Publicar

Abaixo você encontrará todas as etapas pelas quais seu texto passará até que seja publicado. 

  • Na página principal do site, você escolhe pelo tema e pela capa a coletânea da qual gostaria de participar.
  • Clique no botão “+ detalhes” para ler a sinopse e o regulamento.
  • Então você preenche os dados solicitados e anexa o seu texto em formato “.doc”.
  • Ele será enviado imediatamente para o organizador avaliar se a temática da obra se adequa à coletânea, se a estrutura da trama está bem desenvolvida, se possui personagens convincentes…
  • O organizador entra em contato com você por e­mail e, se precisar, sugere melhorias.
  • Você e o organizador trocam e­mails ajustando o texto até que ambos estejam satisfeitos com o resultado.
  • Nesse momento, a editora redige um contrato de edição e você o assina.
  • O texto, então, é remetido para o preparador de originais, que propõe melhorias como clareza, paragrafação mais limpa, eliminação de palavras repetidas em um período curto…
  • Você e o preparador de originais trocam e­mails ajustando o texto até que ambos estejam satisfeitos com o resultado.
  • O texto vai para a diagramação, que é o formato digital do livro.
  • A diagramação em pdf vai para todos os autores do livro, que leem seu próprio texto e, muitas vezes, do colega também e avisa a editora sobre possíveis erros que passaram pelos processos anteriores. O diagramador corrige os apontamentos e envia novamente o arquivo em pdf até que não haja mais erros.
  • Por último, o arquivo passa por um revisor antes de ir para a gráfica.

Esse processo minucioso que envolve vários profissionais e os próprios autores garante um resultado primoroso, sem erros. Confira o DEPOIMENTO de vários autores que já publicaram conosco.

 

Sobre a Andross Editora:

Em agosto de 2004, a Andross Editora nasceu no campus da Universidade Cruzeiro do Sul, em São Paulo, para abrir espaço no mercado editorial aos alunos que não tinham condições de publicar seus primeiros textos. Iniciou as atividades com obras acadêmicas, mas cresceu e se mantém no mercado graças a um modelo de negócio diferenciado: a publicação de antologias.

 

Eu enviei dois contos, uma para a antologia Sem mais, o amor e outro para a Miríade. Estou na torcida!

 

[ATUALIZAÇÃO 02/05/2017] O prazo para o envio dos contos foi prorrogado até 31/05/2017. Saiba mais aqui.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPressDesenvolvido por