fevereiro 15, 2017

[LETRAS] FONÉTICA FORENSE: O PROFISSIONAL DE LETRAS COMO INVESTIGADOR CRIMINAL

Fonte da imagem: IBP Peritos.

 

Ao estudar o conteúdo da semana, de acordo com o cronograma da disciplina Português V do meu curso de Letras (UFF/Cederj), deparei-me com uma área da fonética muito interessante e resolvi investigar: a fonética forense.

Antes de tudo, vamos ver o que é fonética:

“À fonética tem-se atribuído o papel de estudar os sons da linguagem humana do ponto de vista material ou físico, descrevendo detalhadamente como eles são produzidos e quais são os seus efeitos acústicos.”

“A fonética, como disciplina que estuda o som linguístico em seu aspecto material, pode ser subdividida em três áreas bem definidas: a fonética articulatória, a fonética acústica e a fonética auditiva. A primeira descreve e classifica os sons da fala de acordo com sua articulação no aparelho fonador. À segunda cabe o estudo das propriedades físicas dos sons linguísticos e do percurso que as ondas sonoras trilham para chegar aos ouvidos do ouvinte. Já a terceira ocupa-se da maneira como os sons da fala são captados pelo aparelho auditivo e interpretados pelo cérebro humano.”

PEREIRA, Marli Hermenegilda. ROBERTO, Mikaela. CAVALIERE, Ricardo Stavola. Português V: volume 1, p. 11 e 23. Rio de Janeiro. Fundação CECIERJ, 2015.

 

Sendo assim, a fonética forense é uma ciência forense e também um procedimento de perícia, que atua na transcrição de áudios e conversas telefônicas para a identificação de traços característicos da fala de determinado indivíduo. Com o procedimento podem ser verificadas a região e a condição social do falante, seu estado emocional no momento da fala e outras informações diversas. É um tipo de perícia que exige bastante tempo de trabalho, pois nem sempre o material – áudio – está em boas condições.

 

Veja os procedimentos periciais realizados pelo setor de fonética do IGP, Instituto Geral de Perícias da Secretaria de Estado da Segurança Pública de Santa Catarina:

Transcrição de dados de áudio: Trata-se de procedimento pericial denominado popularmente de “transcrição de conversas telefônicas”. O processamento dos dados de áudio inicia-se na digitalização dos mesmos para a posterior transcrição com o auxílio de softwares como o Sound Forge e o Col Edit. Este tipo de perícia exige muito tempo de trabalho, principalmente quando os dados a serem transcritos são de baixa qualidade. Como parâmetro temos que o tempo médio necessário para transcrever 01 hora de conversa é de aproximadamente 20 horas, envolvendo a transcrição propriamente dita, a revisão e a formatação do laudo pericial.  Nesse processo, é fundamental que o Perito possa transcrever apenas os dados relacionados aos fatos investigados e a Autoridade Policial ou Judiciária,  ao requerem tais perícias, devem informar no requerimento os dados necessários para que o Perito possa estabelecer sua rotina de trabalho de forma objetiva e produtiva.

Tratamento de dados de áudio: Quando os dados de áudio a serem transcritos são de baixa qualidade, após o processo de digitalização dos mesmos, ocorre o tratamento dos dados com softwares específicos. Normalmente o processo de tratamento destes dados de baixa qualidade, demanda um longo tempo de trabalho até chegar ao nível mínimo de qualidade exigida para a transcrição. Os principais programas utilizados são os seguintes: Sound Forge, Col Edit e Adobe Audition.

Exames periciais em vídeos: No setor de Fonética, também são processados procedimentos periciais em vídeos. Durante assaltos em lojas, às vezes os sistemas de segurança gravam a ação dos criminosos. Para facilitar os procedimentos investigativos e de identificação dos autores, os vídeos de segurança são submetidos a tratamentos específicos com o auxílio de programas computacionais com a finalidade de melhorar a qualidade das imagens, extrair fotografias e facilitar a descrição da dinâmica do evento criminoso. Normalmente, o trabalho é realizado com o auxílio de dois programas, o Adobe Premier e o Vídeo Investigador.

 

Apesar de ser uma ramificação, por assim dizer, da Linguística, a maior parte dos profissionais que atuam na perícia fonética têm formação em outras áreas diferentes de Letras ou Linguística. Este fato pode ser verificado, inclusive, pelos concursos públicos para o cargo de perito. Tratando-se de uma área nova no Brasil, vamos torcer para que mais profissionais de Letras conheçam esse campo de atuação e possam contribuir para o desenvolvimento desta ciência, assim como para a resolução de crimes.

 

 

Saiba mais:

A fonética forense no Brasil: cenários e atores, trabalho de Maria Lúcia de Castro Gomes e Denise de Oliveira Carneiro, da UTFPR – Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

 

Fonética Forense, por Welton Pereira

 

Veja também:

O papel da Linguística Forense em uma investigação, artigo da fonoaudióloga Monica Azzariti.

 

Pós Graduação em Linguística Forense, pelo Instituto Paulista de Estudos Bioéticos e Jurídicos, IPEBJ.

julho 21, 2016

[LETRAS] LATIM, PRA QUE TE QUERO

latin

Estou iniciando, neste segundo semestre, o estudo da disciplina que está dentre as mais importantes do curso de Letras, o Latim. Voltarei a falar mais sobre as aulas na medida em que eu for assimilando o conteúdo. Enquanto isso, compartilho aqui o texto abaixo, retirado do blog Quando Tudo é Importante, que foi disponibilizado no ambiente virtual de boas vindas da disciplina Latim Genérico, na Plataforma Cederj.

 

DAD SQUARISI: LATIM, PRA QUE TE QUERO?

 Expulsaram o latim da escola há meio século. Não adiantou. Teimosa, a “linguinha” bate à nossa porta sem cerimônia. Na televisão, o ministro diz que é demissível ad nutum. O jornal anuncia que o presidente recebeu o título de doutor honoris causa. O advogado afirma que vai entrar com pedido de habeas corpus em favor do cliente.

 

Mais: a placa do restaurante ostenta o nome Carpe Diem. O professor pede: “Escreva assim, ipsis litteris”. O repórter considera sui generis a reação do candidato. O diplomata foi tratado como persona non grata. Dura lex, sed lex, consola o juiz.

 

Criaturas tão íntimas merecem tratamento respeitoso. A reverência impõe duas condições. Uma: grafá-las como manda a norma culta. A outra: dominar-lhes o significado. Vamos lá?

 

Ad nutum quer dizer à vontade. O empregado sem estabilidade pode ser demitido segundo o humor do patrão — a qualquer momento.

 

Honoris causa significa pela honra. Para ostentar o título de doutor, a maioria dos mortais tem de ralar. Mas pessoas ilustres podem chegar lá sem exame. Tornam-se doutores honoris causa.

 

 Habeas corpus é o nome da lei inglesa que garante a liberdade individual. Em português claro: que tenhas o corpo livre para te apresentares ao tribunal.

 

 Carpe Diem dá o recado: aproveita o dia de hoje. A vida é curta; a morte, certa.

 

 Ipsis litteris tem a acepção de textualmente — sem tirar nem pôr.

 

 Sui generis: ímpar, sem igual.

 

 Persona non grata: usada em linguagem diplomática para dizer que a pessoa não é bem-aceita por um governo estrangeiro. Pessoa que não é bem-vinda.

 

 Dura lex sed lex? Está na cara, não? É isso mesmo. A lei é dura, mas é lei.

 

 Reparou? As expressões latinas não têm acento nem hífen. Se aparecer um ou outro, elas perdem a originalidade. Entram, então, na vala comum dos compostos. Ganham hífen. Compare: via crucis e via-crúcis, habeas corpus e hábeas-corpus, in octavo e in-oitavo.

 

janeiro 06, 2016

[CONTO] O DIA EM QUE CONHECI MEU PAI PELA SEGUNDA VEZ

img159

Decidi conhecer meu pai. Já o vi há muitos anos, mas agora será diferente. Não sou mais um menino assustado, tampouco sua figura me deixará sem palavras. Sei o que ele foi e quem ele é. Agora é a minha vez de mostrar quem sou eu.

 

Perguntando aqui e ali, numas férias em que passei em casa, descobri onde ele se esconde. Ainda é policial, mas é sócio de um bar. Foi lá que escolhi aparecer. Não sei se aguentaria ficar com ele a sós.

 

Fui conhecê-lo pela primeira vez quando tinha oito anos. Ele mal havia me visto nascer e já nos abandonara. Minha mãe decidiu que eu já estava virando um rapazinho e devia conhecer o homem que contribuiu para que eu viesse ao mundo. Ele foi embora, mas nunca esteve muito longe. Morava a poucos quilômetros de nós, numa cidade vizinha, e estava lotado em um batalhão desta mesma cidade. A família dele nunca nos procurou. Minha mãe achou melhor ir até o batalhão, onde o encontro seria breve e teria testemunhas. Era medo. Eu sabia.

 

Ele era o tipo de homem que não esquentava a cama de mulher nenhuma, mas gostou da minha mãe. Ela, moça caseira, filha de pessoas honestas, jamais se envolveria com um homem como ele, mas se apaixonou. Casaram-se. Pouco tempo depois, esperavam por mim. Desde então, ele resolveu que não queria mais filhos, pois já tinha vários, em várias cidades… Também não queria ter uma família conosco. Na verdade, já tinha passado da hora de ele ir embora dali.

 

Eu nasci e tive a melhor família que uma pessoa poderia ter. Meus avós, minha mãe, minha tia… Todos estavam lá nos momentos em que precisei. Mas nunca tive o meu pai.

 

Certa vez perguntei a minha mãe por que eu não tinha pai. Ele havia morrido? Não sabia nada dele, só que o chamavam de nomes indizíveis e desprezavam-no. Mesmo assim, minha mãe disse que se eu quisesse, ela me levaria para conhecê-lo. Fomos.

 

O dia estava quente, e o batalhão era no fim de um longo caminho. Minha mãe segurava a minha mão com muita força. Eu também estava com medo. Ia conhecer o meu pai.

 

No batalhão, já éramos esperados. Fomos anunciados e um homem veio caminhando lentamente até nós. Era ele, eu tinha certeza. Aproximou-se, mas não falou nada. Olhou rapidamente para mim. Seus olhos logo encontraram os da minha mãe e lá repousaram.  Olharam-se por um, que pareceu uma eternidade. Havia anos que ela não o via. Desconfio que ela também não o conhecia, nunca deve tê-lo conhecido de fato. Mas há muito tempo perdera a vontade de conhecê-lo. Um simples e tímido cumprimento foi o breve diálogo entre eles. Mas aquele olhar, aquele, sim, disse muito mais do que qualquer palavra poderia dizer.

 

Não me lembro de nada que ele disse, e a minha mãe não esteve junto a nós para ouvir a conversa. Ela me esperou na porta do batalhão, enquanto eu era apresentado aos colegas de farda do meu pai, lá dentro. Achei aquele lugar incrível! Meu pai estava para ser promovido a Sargento e muitos já o respeitavam como tal. Muita gente quis me conhecer e falar comigo. Senti-me importante porque meu pai o era.

 

(…)

Depois daquele dia, nunca mais o vi. Pensei até que havia sonhado com esse encontro, mas a minha mãe garante que não foi sonho. Nós realmente estivemos lá.

 

(…)

Eu precisava vê-lo de novo. Não sei por que, mas precisava. Fui ao bar. Entrei, sentei, pedi uma cerveja. Já era adulto, mas estava nervoso. Ele estava no balcão, não me viu. Confirmei com o cara que me trouxe a cerveja. Era realmente o meu pai no balcão. Tive vontade de ir embora. Nesta altura da vida, o que eu esperava ter dele? Pensei muito, os segundos pareciam horas. Eu estava ali. Não podia ir embora antes de falar com ele.

 

Também sou policial agora. Não sei se aquela visita ao batalhão me influenciou (ou se foi uma inclinação natural e, neste caso, trágica de seguir a profissão do pai), mas entrei para a corporação na primeira oportunidade, há pouco tempo. Sou Soldado. Ele, pela idade, já deve ser Primeiro Tenente. Arranjei uma arma emprestada só para ir vê-lo.

 

Foi tudo muito rápido. Ainda hoje parece que das duas vezes eu sonhei ter conhecido o meu pai. Levantei-me da cadeira e fui caminhando lentamente até o balcão. Parei de frente para ele. Olhou-me e não me reconheceu. Confirmei uma vez mais se realmente era meu pai. Disse o meu nome. Então as coisas passaram a fazer sentido para ele. Em um movimento repentino, ele pulou o balcão e me abraçou. Não sei se eu consegui abraçá-lo de volta, mas ele ficou ali, abraçando-me.

 

Voltei para a mesa, agora com o meu pai. Conversamos sobre várias coisas. Falei para ele que eu também era policial, Cabo, quase Sargento; que tudo tinha dado certo para mim e que eu vivia muito bem. Ele me falou da família, dos muitos filhos e do arrependimento de não ter me procurado depois daquele dia no batalhão.

 

Perguntou-me pela minha mãe. Menti que ela havia se casado novamente, que era muito feliz e tinha mais três filhos. Ele não pareceu acreditar. Ele devia conhecer a mulher com quem se casara há muito tempo mais do que eu supunha.

 

Apresentou-me para todos como o seu filho, que também era policial. Simplesmente um orgulho! Aquilo irritou-me. Esforcei-me para não deixar transparecer. Ele em nada havia contribuído para que eu estivesse ali, homem feito, pessoa de bem. Por ele, eu nem teria nascido!

 

Prometi voltar sempre nas férias para visitá-lo, agora que nós tínhamos nos conhecido de verdade. Quinze anos depois, soube que ele morrera.

 

 

 

*** Este conto participou do Concurso de Contos DEZCONTOS (2015), do curso de Letras do Polo Cederj Itaperuna, ficando na oitava colocação. Ele narra uma história real; foi o meu pai quem decidiu conhecer o pai dele pela segunda vez. O que eu fiz foi unir as versões dele e da minha avó sobre o ocorrido, com uma pitada de imaginação. Contei com a revisão do meu marido, melhor amigo e companheiro da vida, Anderson Novais.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPressDesenvolvido por