novembro 23, 2016

[RESENHA] MOBILIDADE SOCIAL EM ORGULHO E PRECONCEITO, DE JANE AUSTEN, E SENHORA, DE JOSÉ DE ALENCAR

img_20161007_154410278

Mobilidade Social em Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, e Senhora, de José de Alencar, foi escrito por Márcio Azevedo e publicado pela editora Livrus neste ano. O texto é fruto da pesquisa de mestrado do autor, defendida em 2015 na Universidade Federal do Amazonas (UFAM).

 

Desde que eu soube do lançamento deste livro, me peguei pensando nas possíveis semelhanças entre os romances e seus autores, tão distintos: Jane Austen, da Inglaterra, tendo seu livro publicado originalmente em 1813 e, José de Alencar, brasileiro, tendo publicado Senhora em 1875. Márcio Azevedo nos mostra que há sim, muitas semelhanças além do romance conturbado entre os protagonistas dos dois livros.

 

Quem não está inserido neste meio acadêmico pode desconfiar de uma indicação minha, sendo eu uma estudante (apaixonada) de Letras, para a leitura de um livro de Literatura Comparada. É natural que exista o medo de que seja uma leitura densa, maçante. Felizmente, inclusive para mim, o livro de Márcio Azevedo é uma ótima leitura, leve e precisa, com todo o embasamento teórico apresentado de forma simples e pertinente. É uma leitura rápida por seu conteúdo interessante e, certamente, será bem avaliada por todos os seus leitores, sobretudo os fãs de Austen e Alencar.

 

O livro foi dividido em três capítulos: Contexto histórico e apresentação dos autores; Análise comparativa: contrastes e semelhanças em Orgulho e Preconceito e Senhora e, Literatura e Cinema. Neste último, o autor destrincha a adaptação de Orgulho e Preconceito, produzida em 2005, com direção de Joe Wright e também a adaptação de Senhora, do diretor e roteirista Geraldo Vietri, do ano de 1976. Aqui, além de comparações sobre livro e filme, Azevedo fala sobre limitações e liberdades criativas em relação às histórias contadas através do cinema. Nós leitores muitas vezes criticamos os roteiristas e diretores por não transcreverem o livro integralmente para as telas, quando na realidade as adaptações são releituras e podem seguir caminhos diferentes para contar a história.

 

img_20161007_154536889

 

Foi muito interessante descobrir, em cada página, detalhes que uma leitura mais superficial dos livros em questão não nos permite perceber. Já li Orgulho e Preconceito algumas vezes; Senhora, preciso reler, e agora terei o cuidado de observar um ponto importante sobre o personagem Seixas, muito bem fundamentado pelo autor que eu, a contragosto, percebo ter sua verdade: Fernando Seixas seria, na visão de Azevedo, o verdadeiro protagonista do livro de Alencar.

“Fernando Seixas é o homem por quem Aurélia se apaixona. Apesar de o romance se chamar Senhora e ter grande parte dos estudos acadêmicos voltados para a imagem feminina, supostamente tendo Aurélia como sua protagonista, Fernando é o desencadeador de diversas ações, quando precisa se redimir moralmente e descobrir o verdadeiro amor. Não é Aurélia que sofre todo esse processo de mudança durante o romance todo. Em Orgulho e Preconceito, o foco narrativo estabelece Elizabeth Bennet como epicentro das ações, portanto não há dúvidas de que ela é a protagonista, tendo em vista que é a responsável por promover várias mudanças no Sr. Darcy.” (p. 103)

 

Para adquirir um exemplar do livro, basta entrar em contato com o autor, via mensagem direta, em sua página no facebook. Garanto, é leitura mais que recomendada!

 

 

Sobre o autor: Márcio Azevedo da Silva nasceu em 21 de novembro de 1980, em Parintins, Amazonas. Graduado em Letras, Língua e Literatura de Língua Portuguesa (UEA-2005), Letras – Língua e Literatura de Língua Inglesa (UFAM-2012), Especialização em Metodologias de Língua Inglesa (UEA-2007), Mestrado em Letras, com ênfase em estudos literários (UFAM-2015).

Compositor de oito toadas publicadas na história centenária do Boi-bumbá Garantido. Publicou os contos Desromantizando (2013), Predestinação (2013) e Prisão sem Muro (2015).

É professor de Língua Inglesa do quadro efetivo da Secretaria de Estado de Educação do Amazonas (Seduc). (orelha do livro)

 

 

Título: Mobilidade Social em Orgulho e Preconceito, de Jane Austen, e Senhora, de José de Alencar
Autor: Márcio Azevedo
Editora: Livrus
Páginas: 168

 

 

Leia também: Leituras de Jane Austen no Século XXI.

 

Conheça o filme Senhora, de 1976:



Comente pelo Facebook:

Ou comente por aqui:

Uma resposta para "[RESENHA] MOBILIDADE SOCIAL EM ORGULHO E PRECONCEITO, DE JANE AUSTEN, E SENHORA, DE JOSÉ DE ALENCAR"

Tamires de Carvalho [RESENHA] PARA CELEBRAR JANE AUSTEN: DIÁLOGOS ENTRE LITERATURA E CINEMA, DE GENILDA AZERÊDO | Tamires de Carvalho - 05 outubro 2017 às 10:26

[…] Mobilidade Social em Orgulho e Preconceito, de Jane Austen e Senhora, de José de Alencar […]

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPressDesenvolvido por