julho 21, 2016

[RESENHA] A MAMÃE É ROCK

bn

Conheci as crônicas do Piangers há pouco tempo, mais precisamente no episódio em que ele e as suas filhas, Anita e Aurora, estiveram no programa Encontro com Fátima Bernardes. Na ocasião, a pequena feminista Anita falou sobre o machismo que é não ter fraldário nos banheiros masculinos, em locais como shoppings, por exemplo. Infelizmente, é bem verdade que poucos estabelecimentos possuem uma área “neutra” para que não só as mães executem a tarefa de trocar as fraldas dos pequenos. Os donos desses estabelecimentos não consideram a possibilidade de os pais saírem sozinhos com seus bebês. Enfim, a fala da menina repercutiu na internet e eu quis saber mais sobre a família. Que bela descoberta! Li O Papai é Pop e, em breve, lerei O Papai é Pop 2. Mas quando soube que a esposa do Piangers, a Ana Cardoso, ia lançar o A Mamãe é Rock, fiquei super empolgada! Comprei o e-book na pré-venda e o li rapidamente, madrugada a dentro, enquanto a minha bebê dormia.

 

O livro já começa com uma ótima frase da Malala Yousafzai:

“Como de hábito, meu pai não ajuda na cozinha. Eu o provoco: ‘Aba, você fala em direito das mulheres, mas é a minha mãe que cuida de tudo! Você nem ajuda a lavar a louça do chá!’”

 

Ana Cardoso se propõe a falar sobre o lado in-tenso da criação, mas faz isso de uma forma bem leve e divertida. No meu caso, sendo mãe há pouco tempo, mesmo assim, me identifiquei com algumas situações, vislumbrei outras e reconheci um pouco da minha mãe em várias das crônicas da autora. Essa é uma leitura também para avós, tias, irmãs mais velhas, enfim, para todas as mulheres que desempenham esse maravilhoso, porém árduo, papel de mãe. E também para os homens, por que não, para que saibam um pouco mais sobre nós e também entendam nossos momentos mais delicados.

 

 

Ana Cardoso e suas filhas, Aurora e Anita.

Ana Cardoso e suas filhas, Aurora e Anita.

 

Adoro O Papai é Pop! Piangers é um exemplo desse novo modelo de pai que nós tanto precisamos, amigo, companheiro e participativo. Mas, de agora em diante, virei fã da Ana Cardoso, a mamãe rock!

 

Abaixo, o trecho com o qual eu mais me identifiquei. Parece ter sido escrito para mim:

“Um dia você não toma banho, não consegue comer direito e não entende muito bem aquela criaturinha que não desgruda de você nem um segundo.

No outro, você sai só e, ao invés de se sentir livre, sente saudades da pessoinha e entende que suas emoções nunca mais serão claras depois de ter passado por um processo de multiplicação.”

 

 

 

Título: A Mamãe é Rock
Autora: Ana Cardoso
Editora: Belas Letras
Páginas: 112

 

Compre pela Amazon: A Mamãe É Rock

julho 21, 2016

[LETRAS] LATIM, PRA QUE TE QUERO

latin

Estou iniciando, neste segundo semestre, o estudo da disciplina que está dentre as mais importantes do curso de Letras, o Latim. Voltarei a falar mais sobre as aulas na medida em que eu for assimilando o conteúdo. Enquanto isso, compartilho aqui o texto abaixo, retirado do blog Quando Tudo é Importante, que foi disponibilizado no ambiente virtual de boas vindas da disciplina Latim Genérico, na Plataforma Cederj.

 

DAD SQUARISI: LATIM, PRA QUE TE QUERO?

 Expulsaram o latim da escola há meio século. Não adiantou. Teimosa, a “linguinha” bate à nossa porta sem cerimônia. Na televisão, o ministro diz que é demissível ad nutum. O jornal anuncia que o presidente recebeu o título de doutor honoris causa. O advogado afirma que vai entrar com pedido de habeas corpus em favor do cliente.

 

Mais: a placa do restaurante ostenta o nome Carpe Diem. O professor pede: “Escreva assim, ipsis litteris”. O repórter considera sui generis a reação do candidato. O diplomata foi tratado como persona non grata. Dura lex, sed lex, consola o juiz.

 

Criaturas tão íntimas merecem tratamento respeitoso. A reverência impõe duas condições. Uma: grafá-las como manda a norma culta. A outra: dominar-lhes o significado. Vamos lá?

 

Ad nutum quer dizer à vontade. O empregado sem estabilidade pode ser demitido segundo o humor do patrão — a qualquer momento.

 

Honoris causa significa pela honra. Para ostentar o título de doutor, a maioria dos mortais tem de ralar. Mas pessoas ilustres podem chegar lá sem exame. Tornam-se doutores honoris causa.

 

 Habeas corpus é o nome da lei inglesa que garante a liberdade individual. Em português claro: que tenhas o corpo livre para te apresentares ao tribunal.

 

 Carpe Diem dá o recado: aproveita o dia de hoje. A vida é curta; a morte, certa.

 

 Ipsis litteris tem a acepção de textualmente — sem tirar nem pôr.

 

 Sui generis: ímpar, sem igual.

 

 Persona non grata: usada em linguagem diplomática para dizer que a pessoa não é bem-aceita por um governo estrangeiro. Pessoa que não é bem-vinda.

 

 Dura lex sed lex? Está na cara, não? É isso mesmo. A lei é dura, mas é lei.

 

 Reparou? As expressões latinas não têm acento nem hífen. Se aparecer um ou outro, elas perdem a originalidade. Entram, então, na vala comum dos compostos. Ganham hífen. Compare: via crucis e via-crúcis, habeas corpus e hábeas-corpus, in octavo e in-oitavo.

 

julho 13, 2016

[RESENHA] CARTAS EXTRAORDINÁRIAS

IMG_20160711_111557

Quem é que não gosta de uma boa carta? No livro Cartas Extraordinárias: a correspondência inesquecível de pessoas notáveis, organizado por Shaun Usher e publicado pela Companhia das Letras, temos 125 missivas dos mais variados temas, o que nos proporciona ótimas histórias em um único livro.

 

Esta coletânea de 125 cartas oferece um olhar inédito sobre uma série de eventos e pessoas notáveis da história – não apenas personagens famosos, como também indivíduos ditos ‘comuns’ que viveram experiências extraordinárias. O livro reproduz a maioria dos fac-símiles das missivas, com sua transcrição traduzida e uma breve contextualização feita pelo organizador, além de ser fartamente ilustrado com fotografias e documentos.” (orelha do livro)

Abaixo, transcrevo a carta de número dez, sob o título Não consigo mais lutar, escrita por Virginia Woolf para o seu marido Leonard em março de 1941. Nela, a autora de romances como Mrs. Dalloway e Orlando, despede-se de seu companheiro pois não aguentava mais lutar contra a depressão.

 

Meu querido,

Tenho certeza de que vou enlouquecer de novo. Não podemos passar por mais uma daquelas crises terríveis. E, desta vez, não vou sarar. Começo a ouvir vozes e não consigo me concentrar. Por isso estou fazendo o que me parece a melhor coisa. Você me deu a maior felicidade possível. Você foi, sob todos os aspectos, tudo o que alguém poderia ser. Acho que não existiam duas pessoas mais felizes, antes de aparecer essa terrível doença. Não consigo mais lutar. Sei que estou estragando sua vida, que, sem mim, você poderia trabalhar. E eu sei que vai. Veja que nem consigo escrever direito. Não consigo ler. O que eu quero dizer é que devo a você toda a felicidade da minha vida. Você tem sido extremamente paciente comigo e incrivelmente bom para mim. Quero dizer que – todo mundo sabe disso. Se existisse alguém capaz de me salvar, seria você. Perdi tudo, menos a certeza de sua bondade. Não posso continuar estragando a sua vida.

Não creio que tenham existido duas pessoas mais felizes que nós.

V.”

IMG_20160711_113704

Ainda temos a receita de scones que a Rainha Elizabeth II enviou ao presidente dos EUA, Eisenhower; de um ex-escravo para o seu antigo dono que, aparentemente, desejava atraí-lo de volta ao trabalho escravo; de Emily Dickinson para Susan Gilbert, que foi amiga e, posteriormente, cunhada da autora, dentre outras histórias.

 

Cartas tristes, alegres, emocionantes e extraordinárias: esse é um livro para todos aqueles que gostam de uma boa história. Tanto faz se você lê de uma só vez ou ocasionalmente, ele é sempre uma ótima leitura.

 

 

Título: Cartas Extraordinárias: a correspondência inesquecível de pessoas notáveis.

Organização: Shaun Usher

Tradução: Hildegard Feist

Editora: Companhia das Letras

 

Compre pela Amazon: Cartas Extraordinárias

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2019 • powered by WordPressDesenvolvido por