fevereiro 09, 2016

[RESENHA] DESAFIO #12MESESDEPOE FEVEREIRO: O DEMÔNIO DA PERVERSIDADE

foto-de-edgar-allan-poe-2

O conto deste mês no desafio 12 meses de Poe foi O demônio da perversidade. Ele inicia-se como um ensaio, narrando o fato de que a frenologia, tendo ignorado inicialmente um “princípio inato e primeiro do ser humano”, passou a reconhecê-lo posteriormente. Tal princípio seria a perversidade.

 

‘Sob sua influência agimos sem objetivo compreensível, ou se isto for entendido como uma contradição nos termos, podemos modificar a tal ponto a proposição que digamos que sob sua influência nós agimos pelo motivo que não devíamos agir.”

 

Mais ao final do ensaio o autor nos confessa que é “uma das incontáveis vítimas do demônio da perversidade”. Ele nos conta o seu ato perverso e as consequências provindas dele.

 

O demônio da perversidade foi publicado pela primeira vez em 1845. Pode haver um estranhamento inicial pelo tipo de narrativa escolhido pelo autor, mas depois tudo fica bastante claro e envolvente. Gostei um pouco mais deste conto, em relação ao Metzengerstein, selecionado para o mês de janeiro. Aqui, não temos apenas uma suposta presença do sobrenatural, mas sim a velha mania do ser humano de fugir de suas responsabilidades ao atribuir seus atos a outrem. Genial!

 

fevereiro 03, 2016

[RESENHA] O CHALÉ DE MOORLAND E LIZZIE LEIGH

A Pedrazul Editora publicou O Chalé de Moorland em uma edição lindíssima que também traz o conto Lizzie Leigh. As histórias foram publicadas originalmente em 1850 e 1855, respectivamente, e são de autoria de Elizabeth Gaskell.

 

O Chalé de Moorland conta a história dos irmãos Maggie e Eduard Browne, que vivem com a mãe, viúva do pároco auxiliar de Combehust. Maggie é negligenciada pela mãe em favor de seu irmão, que desde muito jovem demonstra ser de caráter duvidoso.

 

O falecido Sr. Browne foi amigo de longa data do Sr. Buxton. Pela amizade e memória do velho amigo, ele oferece a Eduard a possibilidade de se instruir em uma escola. A partir daí as famílias ficam ainda mais próximas e os Browne passam a ser visita habitual na residência dos Buxton.

 

O Sr. Buxton tem um filho, Frank, e cuida de sua sobrinha Ermínia, que são mais ou menos da mesma idade de Eduard e Maggie. Eduard não consegue estabelecer laços de amizade com Frank ou Ermínia, muito por conta de seu caráter egocêntrico, mas também por estar sempre destratando a irmã. Já Maggie, com sua doçura, torna-se grande amiga de Ermínia e conquista a simpatia de Frank.

“Frank e Eduard pareciam ter certa antipatia um pelo outro, e a frieza entre eles mais crescia do que diminuía com os esforços do Sr. Buxton para aproximá-los. ‘Frank, meu rapaz’, disse ele. ‘Não seja tão duro com Ned. Seu pai era um amigo querido, e meu coração está determinado a vê-los amigos. Você terá o poder de ajudá-lo no mundo.’ Mas Frank respondeu: ‘Ele não é muito honrado, senhor. Não posso suportar um menino que não é honrado.’” (p. 41)

 

Maggie também conquista a afeição da Sra. Buxton, que vive reclusa por motivo de doença. A menina transforma-se em uma agradável companhia e distração para ela.

 “Verões e invernos começaram e terminaram com pouco para marcá-los, exceto o crescimento das árvores e o progresso silencioso de jovens criaturas.” (p. 42)

 

Algum tempo se passa, todos tiveram a oportunidade de se instruir em algum outro lugar, menos Maggie. Ainda assim ela transforma-se em uma bela moça. Suas qualidades permanecem as mesmas, apesar de tão dura vida.

 

Ela e Frank se apaixonam. Um amor que para ser vivido terá que superar muitas adversidades. Maggie terá de escolher entre o amor e a família, numa história de muito drama e reviravoltas.

“Não era a brusquidão de sua vinda – era a brusquidão de seu próprio coração, que saltava com os sentimentos despertados provocados pelas palavras dele.”

“A água transbordava pelo jarro esquecido. Finalmente ela lembrou de suas tarefas, levantou o pote e teria corrido para casa, mas Frank, de forma decidida, tirou-o dela. ‘De hoje em diante’, disse ele, ‘tenho o direito de carregar seus fardos’”. (p.57)

 

O Chalé de Moorland é uma história pequena em páginas, mas grande em conteúdo. Maggie tem uma retidão de pensamento tão grande que até incomoda! É difícil encontrar uma pessoa assim, com tamanha doçura e amor incondicional a família. Recomendo a leitura!

 

IMG_20160205_113808118 (1)

 

Lizzie Leigh

Na mesma edição de O Chalé de Moorland, temos o conto Lizzie Leigh. A história é curtinha, apenas 40 páginas, mas não se engane: ela pode lhe fazer derramar muitas lágrimas.

A história começa em um momento delicado, com a morte de James Leigh na manhã de Natal. Suas últimas palavras, foram em desabafo para a esposa:

“Eu a perdoo, Annie! E que Deus também me perdoe!” (p. 139)

 

A partir destas palavras um sentimento e uma vontade que há muito estavam contidos no coração da Sra. Leigh vêm a tona. A família se muda para Manchester para que Anne Leigh possa encontrar a sua filha, Lizzie, de quem há muito tempo não tem notícias. Na cidade, a família terá lições de amor, amizade perdão e caridade.

“Mas aquelas últimas palavras abençoadas colocaram-no de volta em seu trono no coração da esposa e despertaram uma agonia penitente por toda a amarga desavença dos últimos anos. Foi isso que a fez recusar todos os apelos de seus filhos para que fosse ver os gentis vizinhos que a chamavam ao voltarem da igreja para compadecer-se e dar-lhe os pêsames. Não! Ela ficaria com o marido morto que, depois de três anos de silêncio, havia finalmente lhe falado carinhosamente – quem sabe, se ela houvesse sido mais gentil e menos irritadiça e reservada, ele teria cedido antes e a tempo?”(p. 40)

 

Lizzie Leigh é uma linda história e vai lhe emocionar! Em poucas páginas Gaskell transmite um mundo de sentimentos. Recomendo a leitura!

 

 

Título: O Chalé de Moorland / Lizzie Leigh
Autora: Elizabeth Gaskell
Tradução: Andrea Carvalho
Editora: Pedrazul
Páginas: 179

 

Resenha em colaboração com o blog Escritoras Inglesas.

 

fevereiro 01, 2016

[RESENHA] AS RELAÇÕES PERIGOSAS

85066_gg

“Com sua feroz sátira da aristocracia, ‘As relações perigosas’ conquistou um sucesso escandaloso em 1782, quando foi publicado. Vinte reedições esgotadas apenas naquele ano e uma condenação à destruição pela corte real de Paris atestam o burburinho em torno do romance, que se consagrou, já no século XIX, como uma das causas desencadeadoras da Revolução Francesa”. (Contracapa)

Como muitas pessoas Brasil afora, conheci o romance epistolar de Choderlos de Laclos através da minissérie da Rede Globo, depois da repercussão da cena em que Cecília é estuprada por Augusto (no livro, Cécile e visconde de Valmont). Fiquei curiosa a respeito do livro e o consegui de presente do maridão! Acabei não assistindo a série completa, embora tenha gostado do pouco que vi.

 

As relações perigosas, adaptada como Ligações perigosas, é uma trama que fala de sedução e poder. Uma parcela da aristocracia francesa que investe todo o seu tempo em manipular e destruir reputações de pessoas consideradas mais fracas. Dentre eles, destacam-se a marquesa de Merteuil e o visconde de Valmont, que não pouparão esforços para conseguir se divertir e provar o seu poder em relação a outros três personagens: a Presidenta de Tourvel e os jovens Danceny e Cécile.

 

O libertino visconde de Valmont ao mesmo tempo em que tenta conquistar a presidenta de Tourvel, uma mulher casada e devota, seduz a jovem e inexperiente Cécile a pedido de sua amiga e antiga amante, a marquesa de Merteuil. Já a marquesa de Merteuil, que se faz de confidente de Cécile, orienta a jovem a não resistir ao sedutor Valmont, mas sua real intenção é que Cécile se perca antes de um casamento arranjado com um antigo desafeto seu. Neste meio tempo, o cavalheiro Danceny e Cécile, apaixonados, tentam viver um romance, apesar de todos os empecilhos e manipulações. Parece complicado, mas é apenas um retrato da nobreza da frança do ano de 1782.

 

A narrativa é feita em 175 cartas, divididas em quatro partes bem estruturadas. Embora muitos romances epistolares tenham um ritmo arrastado, em As relações perigosas a trama é bastante envolvente e Laclos muitas vezes expõe a mesma situação do ponto de vista de todos ou quase todos os personagens, de forma que apenas o leitor sabe o que realmente está acontecendo.  As maquinações da marquesa de Merteuil e os conteúdos de duplo sentido de Valmont, além das referências literárias de ambos são o que há de melhor na história.

“Preciso possuir essa mulher, para evitar o ridículo de apaixonar-me por ela: pois até onde não nos leva um desejo contrariado? Ó delicioso gozo! Imploro-lhe para a minha felicidade e, sobretudo, para o meu sossego. Que sorte a nossa as mulheres se defenderem tão mal! Ou não passaríamos, junto delas, de tímidos escravos”. (p.45 – Valmont sobre a presidenta de Tourvel)

 

Ainda que os personagens falem muito de amor, acredito que apenas a presidenta de Tourvel possa ter realmente se apaixonado. Embora Valmont tenha demonstrado que poderia estar apaixonado por ela, seus valores não permitiriam que ele mudasse tanto por amor a alguém. Valmont e Merteuil, sobretudo a marquesa, eram pessoas que desprezavam a fraqueza provinda do amor. Para eles, o amor era tal qual uma guerra, qualquer passo em falso poderia fazê-los cair. As Relações Perigosas é uma boa leitura, embora eu não tenha simpatizado com nenhum personagem em especial. Recomendo!

 

 

 

Título: As Relações Perigosas
Autor: Choderlos de Laclos
Tradução: Dorothée de Buchard
Introdução e Notas: Helen Constantine
Editora: Penguin Companhia
Páginas: 480

 

Compre pela Amazon: As Relações Perigosas

 

 

Leia também:

Ligações Perigosas: que nome você dá pra abuso?

Ligações Perigosas ganhou diferentes adaptações para o cinema

 

 

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPressDesenvolvido por