setembro 20, 2017

[RESENHA] A FANTÁSTICA JORNADA DO ESCRITOR NO BRASIL, DE KÁTIA REGINA SOUZA

Sinopse: “A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil é resultado de entrevistas com 52 escritores de literatura fantástica brasileiros dispostos a compartilhar conselhos, dicas, dores e conquistas. Mais do que isso, Kátia Regina Souza, jornalista e escritora, soube reunir as entrevistas em um texto leve, divertido e prático.

Embora foque na literatura fantástica, aborda de forma franca e clara questões palpitantes do mercado editorial como um todo, como a dificuldade de encontrar uma editora, a publicação independente, as armadilhas a que o autor iniciante está sujeito, as desilusões e as pequenas conquistas, tornando-se um livro fundamental para quem deseja ser escritor ou está começando na carreira.” 

 

A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil é um livro-reportagem de Kátia Regina Souza, publicado neste ano pela editora Metamorfose. Nele, encontramos um rico panorama sobre a atividade (remunerada ou não) de escritor no Brasil, sobretudo do gênero fantasia.

Conheci a autora, e este seu mais recente lançamento, pelo facebook da também escritora Jana Bianchi, que assina o prefácio do livro. De cara fiquei interessada, apesar de no momento ter pensado que o livro seria mais um manual sobre como ser um escritor de sucesso. Descobri com a leitura que eu estava bastante enganada sobre a publicação e A Jornada tornou-se, para mim e, acredito que se tornará para todos aqueles que o lerem, um livro de referência sobre a realidade nem sempre glamourosa do escritor no Brasil.

Como eu disse anteriormente, esse livro não é um manual. Ao contrário de outras obras do tipo, a Kátia e seus entrevistados não falam em momento algum que você vai publicar uma história qualquer hoje e daqui a um ano já estará milionário e vivendo só com os direitos autorais. Não há empreendedorismo gourmet na jornada do escritor. Há muito amor, dedicação, vontade de contar boas histórias, assim como também há muita frustração, investimentos financeiros sem retorno e gente disposta a lucrar aproveitando-se do sonho alheio.

A Jornada é um livro incrível porque é atual e realista. A autora conseguiu reunir muitas histórias em uma quantidade até pequena de páginas, tendo em vista que foram 52 entrevistados. Além disso, as entrevistas são todas bem amarradas, divididas em dez capítulos temáticos que abordam desde a escrita em si aos desafios da publicação por editora (tradicional ou paga) ou independente.

O livro é de leitura fácil e prazerosa, dá para ler quase em uma única sentada. Os assuntos são interessantes e os entrevistados não ficam atrás: a autora buscou depoimentos de quem fez e ainda faz, de quem edita e também trabalha em várias etapas do refinamento de um texto.

Agradeço, como blogueira, a oportunidade de ler esse livro já em seu lançamento, presente da autora. E como pretensa contadora de histórias, agradeço pela publicação, por suas dicas preciosas e por me mostrar que eu não estou mesmo sozinha nessa jornada.

 

Obs.: A insegurança que o escritor tem em seu ofício é tão grande que eu, ao me inscrever para parceria com a autora, já “entrei derrotada”, achando que não era boa o suficiente ou grande o suficiente. E “A Jornada” fala exatamente disso. E muito mais.

 

Autores, editores e pesquisadores entrevistados:

Ana Cristina Rodrigues • Ana Lúcia Merege • André C. S. Santos • André Vianco • Anna Fagundes Martino • Artur Vecchi • Bárbara Morais • Becca Mackenzie • Camila Fernandes • Camila Guerra • Carlos Orsi • Heidi Gisele (Celly) Borges • Cesar Silva • Christopher Kastensmidt • Cirilo Lemos • Clara Madrigano • Claudia Dugim • Clinton Davisson • Cristina Lasaitis • Duda Falcão • Eduardo Kasse • Eduardo Spohr • Eric M. Souza • Eric Novello • Erick Sama • Fábio M. Barreto • Felipe Castilho • FML Pepper • Gianpaolo Celli • Giulia Moon • Helena Gomes • Jana P. Bianchi • Jim Anotsu • Ju Lund • Karen Alvares • Lauro Kociuba • Marcella Rossetti • Marcelo Amado • Marcus Barcelos • Martha Argel • Nikelen Witter • Peterson Rodrigues • R. F. Lucchetti • Regina Drummond • Richard Diegues • Roberta Spindler • Roberto de Sousa Causo • Rodrigo van Kampen • Rosana Rios • Simone O. Marques • Simone Saueressig • Thais Lopes

 

SOBRE A AUTORA: Kátia Regina Souza é jornalista, revisora, tradutora e, há alguns anos, tenta ser escritora também. Gosta de contar boas histórias, sejam elas ficcionais ou não. Portanto, escreve livros-reportagem para adultos e literatura fantástica para crianças. A fantástica Jornada do Escritor no Brasil foi motivado por uma vontade específica: “mostrar para você, escritor iniciante ou inexperiente, que outra pessoa no mundo sofre com os mesmos dilemas egocêntricos provenientes da tentativa de colocar palavras em uma folha em branco”. Mais informações sobre a autora podem ser encontradas em seu site, katiareginasouza.com.

 

 

Título: A Fantástica Jornada do Escritor no Brasil
Autora: Kátia Regina Souza
Editora: Metamorfose
Páginas: 178

 

Compre o livro no site da autora, no site da Editora Metamorfose, ou na Amazon.

setembro 18, 2017

[LANÇAMENTO] KURT SEYIT & SHURA, DE NERMIN BEZMEN

 

Já está em pré-venda o livro Kurt Seyit & Shura, da escritora turca Nermin Bezmen! A história tem feito muito sucesso aqui no Brasil pela série homônima disponível na Netflix. Veja abaixo a sinopse divulgada pela Pedrazul Editora:

O livro que inspirou uma fascinante série de TV, agora exibida pela Netflix, e que continua a encantar milhões de telespectadores no mundo todo.

Um best-seller instantâneo desde o seu lançamento em 1992, o romance Kurt Seyit & Shura, de Nermin Bezmen, é um clássico da literatura turca contemporânea, um drama romântico que tem como cenário a decadência do Império Russo e a Primeira Guerra Mundial. Bezmen nos conta a história de um casal que vive um amor proibido à medida foge da onda de devastação causada pela Revolução Bolchevique. Neta de Kurt Seyit, O Lobo, um dos amantes que procurou refúgio no já enfraquecido Império Otomano, a autora relata a história real até então traduzida para doze línguas.
Kurt Seyit é o filho de um nobre abastado da Criméia é um elegante primeiro tenente da Guarda Imperial. Ferido no front dos Cárpatos e, mais tarde, procurado pelos bolcheviques, ele faz uma fuga ousada através do Mar Negro. Orgulhoso para aceitar o pagamento por um carregamento de armas que ele entrega aos nacionalistas, Seyit enfrenta anos de luta para começar uma nova vida na República Turca que surge das cinzas do Império Otomano decadente. Tudo o que ele tem é a sua dignidade e o seu amor.
Shura é a linda e inocente menina, encantada pela música de Tchaikovsky e pelas luzes brilhantes de Moscou, que se apaixona por Seyit quando tem apenas quinze anos. Uma vítima em potencial na mira dos bolcheviques devido à riqueza e a posição social de sua família, ela está determinada a seguir seu coração e acompanhar Seyit na sua perigosa fuga pelo Mar Negro.

 

 

Ficha técnica:

Tradução: Feyza Howel e Maria Aparecida Mello Fontes
Peso: a definir
Largura: 16 cm
Altura: 23 cm
Profundidade: a definir
ISBN: 978-85-66549-53-9
Número de páginas: livro em fase de preparação. Ainda sem definição de paginação final em Português. Edição turca com 457 páginas.
Idioma: português
Acabamento: Brochura

 

setembro 14, 2017

[RESENHA] A ALEGRIA DE ENSINAR, DE RUBEM ALVES

 

A Alegria de Ensinar é um livro de crônicas do escritor Rubem Alves, publicado pela editora Papirus, voltado para a temática do ensino, aprendizagem e vida escolar. Neste livro aprendemos, de forma encantadora, o real papel de um educador.

Ensinar, na visão de Rubem Alves, torna os professores imortais. O educador é aquele que desperta a paixão e a vocação quando ela ainda está adormecida na mente dos alunos. Infelizmente, ele também tem o poder de matar os sonhos de seu educando, quando ao invés de guiá-lo no caminho da educação, resolve por si só o que é ou não adequado para o aluno, tendo em vista os pré-conceitos enraizados em nossa sociedade. Sendo assim, o professor, de uma forma ou de outra, viverá eternamente nos pensamentos daqueles a quem ensinou.

“O mestre nasce da exuberância da felicidade.”, diz a primeira crônica. O autor já começa pedindo, ainda que indiretamente, que esqueçamos as mazelas, as tristezas do ofício, que muitas vezes são mais evidenciadas que as alegrias. Ele compara a dor de ensinar à dor do parto: a mãe logo se esquece dela ao ver o lindo rosto de seu filho.

Educar, portanto, deve ser um exercício de alegria. Como aluna e aspirante a professora, entendo essa fala do autor como um clamor para que não nos deixemos contaminar pela burocracia, pela falta de reconhecimento do estado e da sociedade e por outras dificuldades diversas. Que consigamos não envenenar nossas aulas com o que há de ruim e que não permitamos que os muros da escola barrem a sede de conhecimento dos alunos e a nossa própria sede de ensinar.

E, falando sobre a escola, Rubem Alves fala dela como um obstáculo no processo de ensino-aprendizagem. Infelizmente, todos nós que a frequentamos por anos e anos a fio sabemos que essa é uma grande verdade. A escola às vezes aprisiona. Pior que isso: despeja inúmeros conteúdos nos cérebros dos alunos sem que eles consigam descobrir, em tempo hábil, para que serve tudo aquilo. Já ouviram por aí que os jovens aprendem bhaskara, mas não sabem noções básicas de trânsito ou vida em sociedade? Não sabem elaborar um currículo ou marcar e ir sozinhos a uma consulta médica? Pior ainda: não sabem ler e interpretar uma notícia de jornal? É verdade. A escola prepara para o vestibular, e muitas vezes apenas para o vestibular. É uma decoreba que será esquecida tão logo o aluno consiga (ou não) sua aprovação.

Desejo profundamente não esquecer as palavras de Rubem Alves, pois, olhando para trás, vejo que vários dos professores que tive não tinham alegria em ensinar ou em estar em sala de aula. Ainda quando aluna do ensino fundamental e médio eu percebia a diferença: alguns professores nos faziam crer que podíamos ir ao infinito e além, bastava um pouco de coragem e trabalhar duro em nosso propósito. Outros, simplesmente passavam o conteúdo previsto na matriz curricular e não permitiam questionamentos que fugissem da matéria do vestibular.

Finalizada a leitura, sonho com o dia em que as nossas crianças não sejam mais simples repetidoras de conteúdo, pois a educação não pode ser resumida em fazer o aluno passar em uma prova. É da vida e da sociedade que estamos falando. E que os professores tenham condições de sempre serem felizes, tendo alegria em ensinar.

 

 

Obs.: esta resenha foi parte de uma avaliação do curso de Letras (UFF/Cederj), disciplina Estágio Supervisionado I. A proposta era ler apenas metade do livro e fazer um comentário, mas não resisti: li as todas as crônicas do livro, algumas mais de uma vez!

 

 Título: A Alegria de Ensinar
Autor: Rubem Alves
Editora: Papirus
Páginas: 96

 

Compre na Amazon: A Alegria de Ensinar.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPressDesenvolvido por