dezembro 15, 2017

[CONTOS] Miríade e Sem mais, o amor: publicando pela primeira vez com a Andross Editora

 

Neste ano eu resolvi MESMO tirar os meus textos da gaveta. Além das publicações no Wattpad e na Amazon, tive a oportunidade de participar de duas coletâneas literárias pela Andross Editora. Miríade foi uma delas.

Sinopse: “Qual é o número ideal de capítulos para se produzir uma obra literária de sucesso? Quantas letras são necessárias em uma frase de impacto? Quanta criatividade cabe em um texto? Na literatura, como na vida, há coisas incontáveis, imensuráveis, como a miríade de ideias, formas e estilos contidos na produção dos contos e crônicas deste livro.”

 

O texto que eu enviei para esta coletânea, que é de temática livre e recebeu contos e crônicas, foi o Bichectomia. A história é um conto meio crônica sobre uma moça, Carolina, que resolve fazer uma bichectomia a partir do momento que vê esse nome escrito em um panfleto de uma clínica de bairro. Como eu trabalho no Conselho Regional de Odontologia de Minas Gerais — Regional Muriaé — essa temática (Odontologia, registro, legislação etc.) é frequente no meu dia a dia. Bichectomia é o último texto do livro Miríade, que pode ser comprado na minha lojinha de livros na Amazon, com os outros autores ou ainda na loja da Andross Editora. Sou suspeita, eu sei, mas recomendo a leitura mesmo assim, pois o livro ficou ótimo!

Participaram como autores do Miríade:

Airton Baquit * Alberto Franco Lacerda * Alice Castro * Amanda Vitória * Ashitaka * Carla Azevedo * Carolina C. Meulan * Carolina Coelho * Dadai dos Anjos * Daniel Constantini * Darlan Zurc * David Ramos * Eduardo Rodrigues * Fatima Romani * Francisco Oliveira * Gean Jeferson M. C. * Giovana Andrade * Gisele Honorato * Gisele Moura Queiroz * Guilherme Isler da Costa * Hugo Sales * Igos Luchese * Inajá Uira Meier Galliani * Isbela Teles Teixeira dos Santos * João Renato Weigert * Josiane Carvalho * Larissa Prado * Márcia Moura * Maria Anna Martins * Marina Franconeti * Marli de Oliveira Geraldo * Matheus Andrade * Matheus Zuca * Maurílio Alves Rocha Junior * Maurílio Ribeiro da Silva * Murilo Tavares Ferreira * Nathália Dalbianco * Patrick Álisson Sousa * Paula Maciel * Pedro Leal * Rafaela Manicka * Rosamares da Maia * Sérgio Motta * Sthefane Pinheiro * Tamires de Carvalho (!) * Thacio Fagundes Vissicchio * Thais Caldeira * Thaís Prado * Thiago Petrin * Trycia Mello * Vitória V. Lussari * Wallax Bat * Wanille Araujo J. Almeida * William Sene * Zuila Cruz.

 

 

A outra coletânea que participei foi a Sem mais, o amor.

Sinopse: “Fernando Pessoa já dizia que ‘todas as cartas de amor são ridículas’. E afirmava veementemente: ‘não seriam cartas de amor se não fossem ridículas’. Mesmo não vivendo o suficiente para conhecer novas tecnologias de comunicação, o poeta sabia bem que a interação verdadeira entre duas pessoas que se amam se despe de vaidades e apresenta a pureza de um sorriso. SEM MAIS, O AMOR é uma coletânea de contos românticos em forma de cartas, emails, páginas de diário e outras formas de registro escrito. E o mais importante: são histórias ridículas! Exatamente como o poeta disse que tinham de ser.”

 

Eu escrevi um conto especialmente para esta antologia, chamado Querido Paulo. Vocês podem imaginar, então, a minha alegria quando o organizador, Leandro Schulai, entrou em contato comigo! Ao conhecer a Andross Editora, como blogueira, vi que havia vários editais de coletâneas abertos e a capa de Sem mais, o amor, chamou muito a minha atenção. Fiquei em casa remoendo o tema e pensei: acho que consigo escrever alguma coisa para essa coletânea. Veja a sinopse de Querido Paulo abaixo:

“Prestes a se mudar para Londres, Lília encontra uma foto nas páginas de um livro que fora o seu favorito, presente de uma pessoa especial. Por lembrar-se demais de Paulo lendo os versos de Florbela Espanca, o belo exemplar, presente do namorado de seus tempos de juventude ficara guardado, intocado em sua estante, por quase trinta anos! Uma única foto desperta-lhe lembranças de um amor até então sufocado em seu peito. Não podia fugir, precisava escrever algumas linhas para seu querido Paulo antes de ir embora de vez.”

 

Recebi bons elogios sobre esse conto e o resultado final me agradou bastante. Embora não seja uma história real, dei os nomes dos meus pais aos protagonistas. Foi uma forma que encontrei de homenageá-los, ainda que postumamente.

 

 

Você encontra o livro Sem mais, o amor também na minha lojinha na Amazon, com os autores ou no site da Andross Editora. Se você gosta de boas histórias de amor, sejam elas trágicas ou docemente agradáveis como um filme de fim de tarde, vai amar esse livro.

Participaram como autores de Sem mais, o amor:

Ágabo Araújo * Agatha Andrade * Alana Miranda * Aline Bettú Bechi * Aline Duarte* Ana Carolina Dias * Ana Julia Ramos * Anne Alyne Mendes * Aracelly Lima * Ariane M. Costa * Beatriz Pedro * Bia Christov * Camyla Silva * Carlos Patricio * Carolina C. Meulam * Cassia S. Cardoso * Clara Fernandes * Flávia Filha * Francisco J. A. Martins * G. Isler * Gi Pezzolato * Heder Willian de Oliveira * Helena Mendonça * Ingrid Bacellos * Heder William de Oliveira * Helena Mendonça * Ingrid Barcellos * Janielle Batista Souza * Julia Teixeira Lourenço * Juliana de Castro * Kelly Amorim * Kêmely Gomes da Silva * Lacy Pires de Andrade * Lê Ferrera * Leandro Schulai * Lobo Alves * M. A. Thompson * Marcela Carvalho * Marcelo Luiz Coelho * Margarete Schiavette * Maria Jordânia de Oliveira * Marina Yamauchi Santos * Matheus R. Carreiro * Nicole Siebel * P. H. Young * Paola Campos * Patrick Álisson de Sousa * R. P. Carvalho * Renata Ribeiro * S. G. Martins * Selma Barbosa * Silvia Ligabue * Sthefane Pinheiro * Tamires de Carvalho (!) * Tay Gomes * Thacio Fagundes Vissicchio * Thaís Caldeira * Thaissa Araujo * Valmira Ferreira * Victoria Binaghi Gallagher * Vitória V. Lussari * Wanille Araujo J. Almeida.

 

 

Participar de uma coletânea literária em uma editora foi uma experiência bem bacana. Aprendi muito sobre o processo desde a submissão do texto até ter o livro em mãos e, mesmo desconfiando que não seria nada fácil, pude perceber na prática todo o trabalhoso processo que envolve uma publicação. Muitos autores não gostam do modelo de antologias feito pela maioria das editoras, pois elas estabelecem que o autor deve arcar com uma parte da publicação. Com a Andross, o processo é todo muito transparente e as condições são apresentadas na página de submissão dos textos. Eles não publicam todos os textos que recebem, e os que são aprovados passam por uma preparadora de textos, depois da peneira/orientação dos organizadores. Ou seja, o livro como produto final tem uma qualidade muito boa. Obviamente, todo escritor sonha em receber o produto do seu trabalho em dinheiro, entretanto sabemos que as editoras — que são empresas, antes de tudo — não apostam todas as suas fichas em autores iniciantes. O retorno é baixo, quase nulo. Acredito e pude ver na prática, que o modelo adotado pela Andross é bom para os dois lados. O valor que você paga, recebe em livros. Na verdade você está comprando uma parte da tiragem e pode vendê-la depois. Além disso, a Andross organiza um grande evento de lançamento das coletâneas, o Livros em Pauta, e no ano seguinte os melhores contos de cada coletânea concorrem ao Prêmio Strix.

Valeu muito pela experiência e eu certamente participarei de outras coletâneas no futuro.

 

dezembro 14, 2017

[RESENHA] SOB OS ACORDES DOS ANJOS, DE CHIRLEI WANDEKOKEN

Sinopse: “Joss Horsfield tem o curso de sua vida alterado quando, no leito de morte, o Marques de Lands End, seu pai, reconhece seu irmão bastardo como filho e revela a grande farsa em que suas vidas foram enredadas. Agora, ao lado de seu irmão, ele começa uma busca pela mãe biológica de ambos. Mas a procura pela verdade traz novas descobertas, como duas primas que sobreviveram a um incêndio criminoso que matou toda a família: Celestine, uma louca que passou a vida escondida num hospício – e a quem ele teria que suportar –, e Estell, que durante a fuga das chamas se perdeu da irmã, foi levada para França, e retorna a Londres para um ajuste de contas. Joss, agora, tem que lidar com as consequências de mexer no passado, mas o que ele não esperava era que a louca Celestine o ensinaria outro tipo de loucura: a de amar alucinadamente.

Um romance intenso, personagens apaixonantes e o tempo, provando que ele gira, mas nada lhe passa impune.”

 

Sob os acordes dos anjos é o mais novo lançamento da autora Chirlei Wandekoken, da Pedrazul Editora. Com um título marcante e uma capa lindíssima, tão logo o e-book foi anunciado nas redes sociais eu o peguei de empréstimo no Kindle Unlimited para dar uma olhadinha rápida. Pouco tempo depois, já tinha lido cinco capítulos. No dia seguinte, cheguei ao final. A história é tão intensa e viciante, que eu duvido que algum leitor — especialmente um aficionado por romances de época ou históricos — seja capaz de abandonar essa leitura.

O livro começa com revelações sobre um amargo passado, o qual o Marquês de Lands End resolve não levar para o túmulo: muitas mentiras e mortes entrelaçam as vidas de seu filho Joss Horsfield, do bastardo Ray, reconhecido pelo Marquês no leito de morte, e das primas Celestine e Estell, que tiveram suas infâncias roubadas quando um incêndio criminoso matou toda a sua família. Joss descobre que sua mãe biológica está viva, porém confinada em um hospício. Ela fora posta lá por vingança de Catherine, a falecida Marquesa, uma ambiciosa e cruel mulher que roubou um dos filhos de Josephine, Joss, e dera ordens de matar o outro, Ray. Ela decidiu se casar com o Marquês por prestígio, envolvendo-o em sua teia aproveitando-se das dificuldades financeiras que ele enfrentava.

Investigando o passado, Joss descobre que uma das primas, Celestine, viveu com Josephine no hospício, fingindo-se de louca para proteger a prima. Estell, que teve uma valiosa ajuda quando ocorreu o incêndio, acabou sendo adotada na França, voltando para Inglaterra muito tempo depois.

 

“— Meu Deus! Há quanto tempo eu não sinto o toque de uma flor em minhas mãos, o seu cheiro… Que coisa mais linda! Que perfume doce! Como é bom ser livre de novo!

Joss, surpreso, olhou para ela, pois a voz da pessoa que havia dito aquela frase era uma voz normal, sem a agudez gutural que ela sempre infligia, sem nem um quê de loucura, muito pelo contrário. Os olhos violeta de Celestine estavam marejados, e um sorriso — um lindo sorriso — surgia nos lábios rosados.

Joss ficou hipnotizado pelo brilho daquele instante.”

 

Neste romance vemos como o tempo é implacável: todos os personagens, direta ou indiretamente, herdaram os feitos de seus antepassados. As disputas, os crimes e os amores da geração anterior formam a rede de intrigas e segredos a ser desvendada pelos mais jovens. Assim o relógio caminha. Nas mãos de alguns está a possibilidade de justiça.

Sob o acorde dos anjos tem como foco (romântico) principal a relação entre Joss e Celestine, uma moça sem modos, com pouco equilíbrio mental, mas muito verdadeira em seus sentimentos. O título do romance faz referência a uma linda cena quando eles se conheceram. Entretanto, temos outros casais pelos quais suspirar, alguns deles terão suas histórias contadas em futuros lançamentos da autora. Em resumo, o que posso dizer sobre este livro é que o enredo é surpreendente, com toques pontuais de sensualidade e erotismo, um cenário belíssimo (a idílica Cornualha!) e personagens apaixonantes, cada um a seu modo. Leitura mais que recomendada!

 

 

 

Título: Sob os acordes dos anjos
Autora: Chirlei Wandekoken
Edirora: Pedrazul
Páginas: 191

Compre na Amazon (disponível também para assinantes Kindle Unlimited): Sob os acordes dos anjos.

 

O que vem por aí: Série Paixões

Paixão de Recomeço: “Rosamund Lydgate era uma jovem viúva e amante de um lorde na Cornualha. Sempre tinha sido apaixonada por ele, mesmo antes de se casar com um cavalheiro que tinha idade para ser seu avô. Mas Rosamund vê seu mundo ruir quando esse lorde a abandona por outra. Desconsolada, ela se deixa cuidar por Sam Brooke, um doce e belo cavalheiro que sempre tinha sido apaixonado por ela. Pode uma mulher aprender a amar? Pode um coração partido voltar a ter paz? É possível voltar a sorrir depois de uma desilusão? Neste inebriante romance sobre recomeço, os personagens descritos mostram que felicidade é um conceito e que a alegria está dentro de casa um, basta deixá-la fluir.”

 

Paixão de Reencontro: “Jannie Beechworth estava pronta para se casar com outro, quando lorde Saymon Stanbury a sequestra a caminho da igreja. Forçando sua amada a se casar com ele na Escócia, Saymon terá que provar que aquele reencontro é para valer. Mas quem foi ferida uma vez tem medo da entrega, e Jennie, a fermentada, como lorde Stanbury a chama, não facilitará as coisas. Determinado a reconquistá-la, Saymon jurou que a fará implorar por ele, e o lorde costuma cumprir suas promessas.”

 

Paixão Além dos Mares: “Roger Montgomery, de Arundel Castle, estende sua Grand Tour para a Grécia e chega a Rhodes, um lugarejo medieval, parado no tempo. Mas o que Montgomery não imaginava é que sua fascinação pela Grécia antiga ganharia um nome: Saphira. Em visita à residência do Grande Mestre, ele se apaixonou pela filha de um dos 14 Cavaleiros da Ordem de São João, uma tradição bizantina do século 7d.C., destinada a se casar com um dos novatos cavaleiros. Mas, completamente alucinado pela beleza exótica da moça, ele a rouba e a leva para a Inglaterra. Um romance tórrido sobre as águas do mediterrâneo.

 

 

SOBRE A AUTORA: Chirlei Wandekoken é jornalista e coordena a área editorial da Pedrazul Editora, da qual foi idealizadora, juntamente com seus sócios. É apaixonada pelos livros desde criança, e sua terapia é escrever. Como leitora, sua preferência literária, além dos clássicos ingleses, são os romances contemporâneos de época e os históricos. Como escritora, visita o passado, mas também escreve romances contextualizados nos tempos atuais.

São de sua autoria A Estrangeira, A Ama InglesaUm Cocheiro em Paris e Fronteira da Paz, que compõem a série independente O Quarteto do Norte, e escreveu também Sob os acordes dos anjos, Quando os céus conspiram e Comprada por um lorde.

A autora possui mais dois romances publicados, ambos contemporâneos, cujos enredos se passam no Brasil: Por Trás da Escuridão e O Vento de Piedade.

 

dezembro 08, 2017

[RESENHA] OLHOS D’ÁGUA, DE CONCEIÇÃO EVARISTO

Sinopse: “Em Olhos d’água Conceição Evaristo ajusta o foco de seu interesse na população afro-brasileira abordando, sem meias palavras, a pobreza e a violência urbana que a acometem. Sem sentimentalismos, mas sempre incorporando a tessitura poética à ficção, seus contos apresentam uma significativa galeria de mulheres: Ana Davenga, a mendiga Duzu-Querença, Natalina, Luamanda, Cida, a menina Zaíta. Ou serão todas a mesma mulher, captada e recriada no caleidoscópio da literatura em variados instantâneos da vida? Elas diferem em idade e em conjunturas de experiências, mas compartilham da mesma vida de ferro, equilibrando-se na “frágil vara” que, lemos no conto “O Cooper de Cida”, é a “corda bamba do tempo”. Em Olhos d’água estão presentes mães, muitas mães. E também filhas, avós, amantes, homens e mulheres – todos evocados em seus vínculos e dilemas sociais, sexuais, existenciais, numa pluralidade e vulnerabilidade que constituem a humana condição. Sem quaisquer idealizações, são aqui recriadas com firmeza e talento as duras condições enfrentadas pela comunidade afro-brasileira.”

 

Conceição Evaristo foi uma grata descoberta que fiz neste ano de 2017. Tendo lido apenas (até o momento) o livro Olhos d’água, já me tornei fã da autora. Para escrever essa resenha, reli todos os contos. E não foi nenhum sacrifício, posso garantir.

Olhos d’água, antologia de contos de Conceição Evaristo, publicada pela primeira vez pela Pallas Editora em 2014 e sendo reimpresso várias vezes desde então, é o tipo de livro que incomoda. Faz chorar, ter medo, desperta empatia. Quando terminei a leitura, prometi a mim mesma que, se um dia eu for professora, todos os meus alunos conhecerão esse livro. Caso eu não seja, ele fica mais que recomendado aqui no blog. A autora da voz e vez a uma parcela da população que historicamente é silenciada. E os contos são de uma escrita tão precisa e tão poética que é impossível não se emocionar.

 

“Vi só lágrimas e lágrimas. Entretanto, ela sorria feliz. Mas eram tantas lágrimas, que eu me perguntei se minha mãe tinha olhos ou rios caudalosos sobre a face. E só então compreendi. Minha mãe trazia, serenamente em si, águas correntezas. Por isso, prantos e prantos a enfeitar o seu rosto. A cor dos olhos de minha mãe era cor de olhos d’água. Águas de Mamãe Oxum! Rios calmos, mas profundos e enganosos para quem contempla a vida apenas pela superfície. Sim, águas de Mamãe Oxum.

(…)

Hoje, quando já alcancei a cor dos olhos de minha mãe, tento descobrir a cor dos olhos de minha filha. Faço a brincadeira que os olhos de uma se tornam o espelho para os olhos da outra.” (ps. 18 e 19)

 

“Ela é que não ia ficar ali assentada. Se as pernas não andam, é preciso ter asas para voar.” (p. 32)

 

As mulheres criadas por Conceição Evaristo, e os homens também, embora em menor número, falam de temas sociais e existenciais de uma forma que os personagens poderiam ser qualquer pessoa. Poderia ser eu, ou você. A dureza da vida, a fome, a violência, os abusos e a linha tênue da permissão. A perda precoce da infância. O amor em várias formas, a morte e a condenação sem justiça. Todos esses temas e alguns outros estão presentes em Olhos dágua. Dentre tantas lágrimas, com a leitura desse livro eu também passei a me questionar qual era a cor dos olhos de minha mãe.

Olhos d’água  tem prefácio de Heloisa Toller Gomes e introdução de Jurema Werneck. São quinze contos que, se não conseguirem te fisgar por sua sensibilidade, pelo menos vão mostrar uma faceta realista e pela voz de quem sente na pele o que é ser negro em um país como o Brasil.

 

 

SOBRE A AUTORA: Conceição Evaristo nasceu em uma favela da zona sul de Belo Horizonte. Teve que conciliar os estudos com o trabalho como empregada doméstica, até concluir o curso Normal, em 1971, já aos 25 anos. Mudou-se então para o Rio de Janeiro, onde passou num concurso público para o magistério e estudou Letras na UFRJ.

Na década de 1980, entrou em contato com o grupo Quilombhoje. Estreou na literatura em 1990, com obras publicadas na série Cadernos Negros, publicada pela organização.

É Mestra em Literatura Brasileira pela PUC-Rio, e Doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense.

Suas obras, em especial o romance Ponciá Vicêncio, de 2003, abordam temas como a discriminação racial, de gênero e de classe. A obra foi traduzida para o inglês e publicada nos Estados Unidos em 2007.

 

 

Título: Olhos D’água
Autora: Conceição Evaristo
Editora: Pallas
Páginas: 116

 

Compre na Amazon: Olhos D’água.

Tamires de Carvalho • todos os direitos reservados © 2017 • powered by WordPressDesenvolvido por